Spiral Guru: Despretensioso, conciso e consciente

Resenha - Void - Spiral Guru

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

Spiral Guru é uma banda fundada em meados de 2013 na cidade de Piracicaba. Formada por Samuel Pedrosa (guitarra), José Ribeiro Jr. (baixo e backing vocals), Alexandre Garcia (bateria) e Andrea Ruocco (vocal).

Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseFreddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda se define como "Stoner Rock" - definição esta, que se me permitem os músicos, discordo. Apesar das temáticas voltadas à ficção científica, vida extraterrestre e do som remeter às bandas dos anos 70, eu particularmente os percebo mais encaixados no heavy metal mais épico com tendência ao Doom Metal.

Desde 2014 pra cá, a banda laçou uma série de EPs, que criaram as bases para o seu álbum de estréia. Void contem 9 faixas distribuídas em 39 minutos. Nele, os músicos demonstram personalidade e consegue imprimir um estilo que contraria as próprias influências (de acordo com o citado no release), o que, para todos os efeitos, é bom! A produção, independente, é boa e os músicos souberam fazer o seu trabalho de forma muito satisfatória. Todos têm méritos, mas a vocalista Andrea Ruocco se destaca pelos vocais claros e bem cantados. E o principal é que, sendo uma produção independente, podemos dizer que o grupo atingiu ao equilíbrio quanto à forma e ao conteúdo. Mais do que isso, peso e melodia estão bem alinhados e, considerando os recursos, tiveram muito cuidado com os detalhes.

O QUE TEM DE BOM

Se ouvir com atenção, perceberá que o álbum tem muitos elementos adjacentes que circundam a obra e dizem muito a respeito da musicalidade da banda. Isso pode ser facilmente comprovado em canções como Oracle, Mindfulness (a mais progressiva do álbum)e Holy Moutain (cujo riff principal lembra Holy Dive, do Dio).

O QUE PODERIA SER MELHOR

A música aqui contida não é exatamente original, mas os músicos têm potencial para ir além.

CONCLUSAO

Void é um trabalho despretensioso, conciso, mas realizado de forma muito consciente. Despretensão para uma banda jovem é certamente uma qualidade, mas para quem almeja uma carreira internacional, talvez, ser um pouco mais pretensioso não seja uma atitude ruim. Além do mais, o trabalho é feito com muito cuidado e honestidade. Por fim, como dito acima, a música aqui contida não é exatamente original, mas o grupo consegue se diferenciar dentro do nicho de que participa e isto é um indicativo do caminho a seguir. Aliás, particularmente, acredito que a banda está no rumo certo, devendo apenas acreditar no próprio esforço e persistir.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Spiral Guru"


Europe: toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl RoseEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

Freddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim HuttonFreddie Mercury
18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336