RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemTodos os rockstars que já recusaram ser condecorados pela rainha Elizabeth II

imagemMembro do Guns N' Roses vai na Galeria do Rock de SP e compra camiseta oficial

imagemAxl e o pequeno gesto com Slash comprovando que as tretas do passado ficaram pra trás

imagemA banda que mostrou no Rock in Rio como se faz um show num festival gigantesco

imagemO hit de Cazuza feito durante internação e que seria indireta para affair Ney Matogrosso

imagemO dia que Renato Russo colocou companheiro da Legião em saia justa após piti homérico

imagemRafael Bittencourt confessa ambições no início do Angra: "Queria derrubar o Metallica!"

imagemO motivo que fazia Ozzy Osbourne não se sentir "tão importante" no Black Sabbath

imagemEpica anuncia EP com convidados inesperados; assista o primeiro clipe aqui

imagemA curiosa origem da rivalidade Sepultura x Sarcófago, segundo Jairo Guedz

imagemGuns N' Roses pede sugestões de músicas para tocar nos shows

imagemA chave oculta no disco do Led Zeppelin que Raul usou para abrir as portas do conhecimento

imagemOs dois rockstars que influenciaram Casagrande a entrar no mundo das drogas

imagemCinco perrengues que todo headbanger já passou em algum show de metal

imagemJoão Gordo comenta lenda de que Ratos foi responsável por trazer crack para o Brasil


NFL Steve Harris

Rhapsody: o ápice da primeira fase no brilhante Dawn of Victory

Resenha - Dawn of Victory - Rhapsody

Por Ricardo Seelig
Em 18/10/19

publicidade

Em 2000, o quinteto italiano Rhapsody era um dos principais nomes do power metal em todo o mundo. No Brasil, a banda arrebanhava uma multidão de fãs tanto pela música que fazia, inegavelmente original, quanto pela presença constante nas páginas da Rock Brigade, principal revista especializada em metal na época e também responsável por lançar os discos do grupo por aqui.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foi nesse cenário que desembarcou nas lojas "Dawn of Victory", terceiro álbum da banda formada pelo vocalista Fabio Lione, pelo guitarrista Luca Turilli, pelo baixista Alessandro Lotta, pelo tecladista Alex Staropoli e pelo baterista Alex Holzwarth. Produzido novamente pela dupal Sasha Paeth e Miro, que havia assinado os dois primeiros trabalhos do grupo, "Dawn of Victory" traz em suas dez canções o exemplo mais bem acabado dessa primeira fase do quinteto italiano. Estão aqui as letras contando batalhas épicas, feitos heroicos e contos grandiosos, tudo amparado pela eficiente mistura entre metal melódico, música clássica e elementos do folclore europeu, resultando em um heavy metal rico em melodias, cativante e cinematográfico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Centrado no trio Lione, Turilli e Staporoli, o Rhapsody mostrou todas as suas qualidades em "Dawn of Victory". O vocal de Lione bebe direto na tradição operística da Itália e coloca a função do cantor em outro nível, com interpretações cheias de personalidade e tons absurdos. Não à toa, Fabio Lione ganhou status como uma das maiores vozes do metal dos anos 1990 e 2000, e segue fazendo bonito como frontman do Angra. Luca Turilli varia entre riffs e melodias, e nesse segundo aspecto sua guitarra soa muito mais como um violino, deslizando por harmonias que bebem direto na escola de grandes nomes como Nicolo Paganini e Johann Sebastian Bach. Já Alex Staporoli segura o som do Rhapsody com o seu teclado, que muitas vezes funciona como uma espécie de orquestra de um homem só, recheando as músicas com intervenções sempre certeiras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dawn of Victory" possui não apenas uma riqueza musical inebriante, mas sobretudo um lirismo harmônico que emociona. As melodias tocantes são constantes em todo o disco, seja em canções mais rápidas como "Triumph for My Magic Steel" ou em momentos mais cadenciados como o mergulho na Idade Média e na Renascença proporcionado por "The Village of Dwarves".

Exagerada e barroca, a música do Rhapsody perdeu força com o passar dos anos, mas nos três primeiros discos ela foi realmente inovadora e original, com canções que bebiam sem filtros em universos repletos de espada e feitiçaria como Conan, O Senhor dos Anéis e até mesmo no então nascente Game of Thrones – vale lembrar que o primeiro livro da série foi publicado na Europa em 1996 -, pinçando elementos desses clássicos para criar a The Emerald Sword Saga, que teve cinco capítulos contados nos cinco primeiros álbuns da banda: "Legendary Tales" (1997), "Symphony of Enchanted Lands" (1998), "Dawn of Victory" (2000), "Rain of a Thousand Flames" (2001) e "Power of the Dragonflame" (2002).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dawn of Victory" é um dos grandes discos de metal da década de 2000 e entrega canções fortíssimas como a música-título e seu refrão pra lá de épico ("Gloria, gloria perpetua / In this dawn of victory"), "Triumph for My Magic Steel", "The Village of Dwarnes", "Dargor, Shadowlord of the Black Mountain", "The Bloody Rage of the Titans" e "Holy Thunderforce", um dos maiores hinos do grupo.

A banda acabou se dividindo no futuro, gerando diversas outras versões sobre o alcunha Rhapsody – Staporoli com a sua, Turilli com outra, Lione e Turilli em mais outra -, mas isso não apaga uma carreira cheia de grandes álbuns, principalmente os três primeiros. "Dawn of Victory" é um dos integrantes desse trio inicial absolutamente atordoante e especial. Passados quase duas décadas de seu lançamento, segue mantendo toda a sua força.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Dawn of Victory - Rhapsody

Resenha - Dawn of Victory - Rhapsody

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Fabio Lione e o encontrão que ele sofreu de Bruce Dickinson nos bastidores de festival

Itália: 10 bandas de heavy metal que foram formadas na terra de Michelangelo

Angra: banda errou na escolha de Fabio Lione?

Rhapsody: o Angra reabriu as portas do metal, diz Luca Turilli

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.