Dark Avenger: a despedida precoce de uma lenda do metal brasileiro

Resenha - Beloved Bones; Hell - Dark Avenger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"The Beloved Bones: Hell" é o quarto álbum da banda brasileira Dark Avenger. Ele foi lançado em agosto de 2017, porém só o recebi no início de dezembro daquele ano. Poucas semanas após o disco chegar, fui surpreendido com a morte repentina do vocalista Mário Linhares, falecido dia 22 de dezembro de 2017.

Presença de Palco: dicas para iniciantesSexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock

Quando isso acontece, as coisas mudam de figura. Analisar um disco tendo todo esse contexto é uma tarefa que acaba resvalando invariavelmente para a emoção, ainda mais se quem escreve já acompanhava a carreira do artista há um certo tempo, como é o meu caso. Em situações assim, os elementos adquirem novos significados, os detalhes ganham novas formas. É o caso, por exemplo, da linda melodia de violino que abre "The Beloved Bones". Antes ela era apenas uma introdução. Com a morte de Linhares, adquire uma carga emocional enorme e soa como a trilha para despedida de um dos maiores vocalista do metal brasileiro.

"The Beloved Bones: Hell" foi lançado de forma independente em um lindo digipak com acabamento gráfico de primeira. O disco encerra uma discografia que conta com o debut autointitulado (1995) e a dobradinha "Tales of Avalon: The Terror" (2001) e "Tales of Avalon: The Lament" (2013), além do ao vivo "Alive in the Dark" (2015) e do EP "X Dark Years" (2003).

Musicalmente, a banda formada por Mario Linhares, Hugo Santiago (guitarra), Glauber Oliveira (guitarra, que também assinou a produção), Gustavo Magalhães (baixo) e Brendon Hoffmann (bateria) entrega o seu trabalho mais ambicioso, executando um power metal que insere expressivos elementos de música clássica, resultando em uma sonoridade rica e que demanda atenção do ouvinte para ser assimilada em sua totalidade. As onze músicas do disco apresentam diversos movimentos e mudanças de climas, soando às vezes como capítulos de uma espécie de ópera, onde sentimentos e conflitos são jogados no palco e entregues ao público.

Além do universo sonoro habitual ao power metal, o Dark Avenger insere também alguns flertes com a música oriental em certas passagens, o que ajuda o disco a ficar ainda mais interessante. Há também todo um estudo filosófico presente nas letras, em um trabalho bastante pessoal de Mário Linhares e que, tendo em vista tudo o que aconteceu, acaba soando como uma espécie de manifesto sobre a vida e que fica eternizado neste disco.

Há muitos anos o Brasil está inserido não somente entre os principais mercados para o metal em todo o mundo, mas também entre os grandes centros produtores do estilo. Temos toda uma leva de álbuns que podemos considerar clássicos do metal nacional sem fazer muito esforço. Esta lista ganha um representante de peso com "The Beloved Bones: Hell", e isso não se dá apenas pela perda precoce de Linhares. A profundidade dramática do álbum, a riqueza musical de suas composições e a força criativa mostrada em cada detalhe colocam este último trabalho do Dark Avenger entre os melhores CDs já gravados por uma banda brasileira.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Avenger"


Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributoCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

Mario Linhares: Obrigado Carlinhos Brown, você se tornou um giganteMario Linhares
"Obrigado Carlinhos Brown, você se tornou um gigante"


Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Sexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário RockSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock

Rock: as dez lendas mais macabras do gêneroRock
As dez lendas mais macabras do gênero

Ozzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in RioSlayer: Kerry King explica como se deve balançar a cabeçaBill Ward: os dez discos de metal favoritos do bateristaNirvana: como Kurt Cobain escapou de Axl Rose, que queria conhecê-lo

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336