Matérias Mais Lidas

O recado de Bruno Sutter para roqueiros que não entendem sucesso de outros estilosO recado de Bruno Sutter para roqueiros que não entendem sucesso de outros estilos

A banda brasileira mais transgressora dos anos 1980, segundo Maurício BrancoA banda brasileira mais transgressora dos anos 1980, segundo Maurício Branco

A categórica opinião de Kiko Loureiro sobre SlashA categórica opinião de Kiko Loureiro sobre Slash

Guns N' Roses: DJ Ashba critica Buckethead e seu balde de frango na cabeçaGuns N' Roses: DJ Ashba critica Buckethead e "seu balde de frango na cabeça"

Pitty tuíta que moda agora é ser roqueiro e apaga após Anitta e fãs reagiremPitty tuíta que "moda agora é ser roqueiro" e apaga após Anitta e fãs reagirem

Roger Moreira explica por que é um dos únicos artistas que ainda defende BolsonaroRoger Moreira explica por que é "um dos únicos artistas" que ainda defende Bolsonaro

Steve Vai teve que malhar quando começou a tocar com Lee Roth; Parecia um macarrãoSteve Vai teve que malhar quando começou a tocar com Lee Roth; "Parecia um macarrão"

Titãs: o motivo pelo qual Arnaldo Antunes saiu da banda antes de TitanomaquiaTitãs: o motivo pelo qual Arnaldo Antunes saiu da banda antes de "Titanomaquia"

Beatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NMEBeatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NME

Como competição com Legião Urbana mudou estilo de composição de Cazuza?Como competição com Legião Urbana mudou estilo de composição de Cazuza?

Cannibal Corpse: a música que fez George Corpsegrinder querer cantar death metalCannibal Corpse: a música que fez George Corpsegrinder querer cantar death metal

Ghost: banda toca música inédita e revela novo visual de Papa Emeritus; confira vídeosGhost: banda toca música inédita e revela novo visual de Papa Emeritus; confira vídeos

Ghost: música do próximo álbum fala sobre lendário serial killer que nunca foi capturadoGhost: música do próximo álbum fala sobre lendário serial killer que nunca foi capturado

The Cure: qual a melhor música pop que a banda já fez, na opinião de Robert SmithThe Cure: qual a melhor música pop que a banda já fez, na opinião de Robert Smith

A dura opinião de Corey Taylor sobre programas como American Idol e The X FactorA dura opinião de Corey Taylor sobre programas como American Idol e The X Factor


Baroness: um disco com grandes ideias e uma produção controversa

Resenha - Gold & Grey - Baroness

Por Ricardo Seelig
Em 09/07/19

publicidade

"Gold & Grey" é o quinto álbum da banda norte-americana Baroness e foi lançado na metade de junho. O disco é o sucessor de "Purple" (2015) e marca a estreia em estúdio da guitarrista Gina Gleason, no quarteto desde 2017. "Gold & Grey" vem com dezessete faixas e foi produzido por Dave Fridmann, que já havia trabalhado com o grupo no disco anterior.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes de falar sobre o álbum, já quero iniciar este review abordando um ponto polêmico e que tem gerado várias discussões entre os fãs: a produção. "Gold & Grey" intensifica os timbres e a sonoridade suja, que em diversos momentos parece estar em baixa resolução, e que foi apresentada em "Purple". A abordagem de Fridmann é inegavelmente controversa, e a opção da banda por esse aspecto mais cru e longe do som cristalino e pesado dos três primeiros álbuns divide os fãs. Pessoalmente, faço parte da turma que não compartilha o pensamento dos músicos e de Dave Fridmann, pois me parece que uma banda com uma musicalidade tão intensa e cheia de detalhes como é o caso do Baroness necessita de uma produção que torne ainda mais evidentes e claras qualidades como essas. O som sujo incomoda em algumas canções e em outras não é uma questão tão importante assim, mas quem acompanha a trajetória do quarteto liderado pelo vocalista e guitarrista John Baizley há um certo tempo certamente sentirá uma diferença nada agradável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contando com Baizley, Gleason, o baixista Nick Jost e o baterista Sebastian Thomson, o Baroness segue a sua evolução em "Gold & Grey". Classificar a banda apenas como heavy metal deixou de fazer sentido no fenomenal "Yellow & Green" (2012), e neste novo trabalho a banda segue partindo da música pesada na maioria das vezes e chegando nos mais diversos caminhos sonoros. Essa variedade de opções e a imprevisibilidade que ela proporciona é um dos pontos que sempre me fez admirar o grupo, e continua sendo um destaque em "Gold & Grey". É possível ouvir elementos de rock progressivo, jazz-rock, pop, metal mais extremo e uma gama variada de influências.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O outro ponto que diferencia o Baroness e que é, muito provavelmente, a sua principal característica, é o apelo emocional de suas músicas. Não no sentido de elas significarem algo para a vida dos ouvintes – o que realmente significam, sem dúvida, e cada fã possui uma relação individual com aquilo que ouve -, mas sim na forma como elas são construídas. O Baroness trabalha costumeiramente com estruturas harmônicas e com arranjos ascendentes, que fazem as faixas partirem de um ponto e irem crescendo até chegarem ao seu ápice. A chegada de Gina Gleason parece ter evidenciado ainda mais esse ponto. A opção por vocais dobrados na maioria das músicas também é um ingrediente recorrente, e que intensifica ainda mais esse "arrepiamento" que a música do Baroness proporciona ao ouvinte. Em uma comparação rápida, é a técnica executada com perfeição pelo Fleetwood Mac no clássico "Rumours" (1977) aplicada ao metal, com um resultado igualmente arrebatador.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um outro apontamento necessário de se fazer em relação a "Gold & Grey" é que John Baizley encontrou a sua parceira ideal em Gina Gleason. A interação entre as guitarras, que sempre foi um ponto forte da banda, aqui é ainda mais explorada. Bases, harmonias, melodias e solos executados de maneira simultânea pelos dois fazem com que o termo "guitarras gêmeas" adquira outra definição, em uma interação não menos que brilhante.

Uma banda com um aspecto emocional tão forte quanto o Baroness possui características que, ao mesmo tempo em que agradam os convertidos, afastam aqueles que não batem com a proposta dos norte-americanos. O afastamento gradual das fórmulas empregadas no heavy metal faz com que essa rejeição ganhe novos contornos, o que a produção "low resolution" não colabora em nada para aplacar. Então, esse parágrafo acaba com uma recomendação: se você curtiu o Baroness de "Yellow & Green" e "Purple", e também dos iniciais "Red Album" (2007) e "Blue Record" (2009), principalmente pela forma inovadora de tocar heavy metal e por tirar o estilo de sua zona de conforto, muito provavelmente "Gold & Grey" não será para os seus ouvidos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora, se você sempre curtiu o temperamento aventuresco da banda, "Gold & Grey" é um passo lógico nessa história. Como já dito, o Baroness está cada vez mais distante do metal e caminha sem cerimônias por estilos variados, incluindo na receita inclusive uma aproximação com o cenário do rock alternativo. Isso tudo faz de "Gold & Grey" um disco ainda mais desafiador do que o ponto de interrogação tradicional encontrado nos álbuns da banda.

Concluindo, a minha opinião a respeito de "Gold & Grey" é que trata-se de uma obra pretensiosa como sempre, mas que não alcança o resultado dos dois discos anteriores. Não há neste novo trabalho canções cativantes como "Take My Bones Away", "March to the Sea" e "Eula", responsáveis por colocar "Yellow & Green" acima das nuvens, e nem jornadas melódicas como "Chlorine & Wine", "Shock Me" e "Morningstar", do fortíssimo "Purple". A produção é um problema crucial em "Gold & Grey" e, infelizmente, puxa o disco para baixo, prejudicando um álbum que possui inegáveis qualidades mas que foram soterradas, em grande parte, pela sonoridade crua que ele apresenta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mesmo com tudo isso, o Baroness ainda vale um tempo no seu dia. Pare, respire fundo e ouça "Gold & Grey" sem pressa. Afinal, atrás desse denso muro construído de maneira equivocada pela banda, existe um belo jardim esperando por você.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares

Loudwire: as melhores músicas de rock de 2012Loudwire
As melhores músicas de rock de 2012


Guns N' Roses: Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?Guns N' Roses
Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.