Baroness: um disco com grandes ideias e uma produção controversa

Resenha - Gold & Grey - Baroness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

"Gold & Grey" é o quinto álbum da banda norte-americana Baroness e foi lançado na metade de junho. O disco é o sucessor de "Purple" (2015) e marca a estreia em estúdio da guitarrista Gina Gleason, no quarteto desde 2017. "Gold & Grey" vem com dezessete faixas e foi produzido por Dave Fridmann, que já havia trabalhado com o grupo no disco anterior.

Guitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a TimeMetallica: gosto musical impediu que se tornassem um Maiden

Antes de falar sobre o álbum, já quero iniciar este review abordando um ponto polêmico e que tem gerado várias discussões entre os fãs: a produção. "Gold & Grey" intensifica os timbres e a sonoridade suja, que em diversos momentos parece estar em baixa resolução, e que foi apresentada em "Purple". A abordagem de Fridmann é inegavelmente controversa, e a opção da banda por esse aspecto mais cru e longe do som cristalino e pesado dos três primeiros álbuns divide os fãs. Pessoalmente, faço parte da turma que não compartilha o pensamento dos músicos e de Dave Fridmann, pois me parece que uma banda com uma musicalidade tão intensa e cheia de detalhes como é o caso do Baroness necessita de uma produção que torne ainda mais evidentes e claras qualidades como essas. O som sujo incomoda em algumas canções e em outras não é uma questão tão importante assim, mas quem acompanha a trajetória do quarteto liderado pelo vocalista e guitarrista John Baizley há um certo tempo certamente sentirá uma diferença nada agradável.

Contando com Baizley, Gleason, o baixista Nick Jost e o baterista Sebastian Thomson, o Baroness segue a sua evolução em "Gold & Grey". Classificar a banda apenas como heavy metal deixou de fazer sentido no fenomenal "Yellow & Green" (2012), e neste novo trabalho a banda segue partindo da música pesada na maioria das vezes e chegando nos mais diversos caminhos sonoros. Essa variedade de opções e a imprevisibilidade que ela proporciona é um dos pontos que sempre me fez admirar o grupo, e continua sendo um destaque em "Gold & Grey". É possível ouvir elementos de rock progressivo, jazz-rock, pop, metal mais extremo e uma gama variada de influências.

O outro ponto que diferencia o Baroness e que é, muito provavelmente, a sua principal característica, é o apelo emocional de suas músicas. Não no sentido de elas significarem algo para a vida dos ouvintes - o que realmente significam, sem dúvida, e cada fã possui uma relação individual com aquilo que ouve -, mas sim na forma como elas são construídas. O Baroness trabalha costumeiramente com estruturas harmônicas e com arranjos ascendentes, que fazem as faixas partirem de um ponto e irem crescendo até chegarem ao seu ápice. A chegada de Gina Gleason parece ter evidenciado ainda mais esse ponto. A opção por vocais dobrados na maioria das músicas também é um ingrediente recorrente, e que intensifica ainda mais esse "arrepiamento" que a música do Baroness proporciona ao ouvinte. Em uma comparação rápida, é a técnica executada com perfeição pelo Fleetwood Mac no clássico "Rumours" (1977) aplicada ao metal, com um resultado igualmente arrebatador.

Um outro apontamento necessário de se fazer em relação a "Gold & Grey" é que John Baizley encontrou a sua parceira ideal em Gina Gleason. A interação entre as guitarras, que sempre foi um ponto forte da banda, aqui é ainda mais explorada. Bases, harmonias, melodias e solos executados de maneira simultânea pelos dois fazem com que o termo "guitarras gêmeas" adquira outra definição, em uma interação não menos que brilhante.

Uma banda com um aspecto emocional tão forte quanto o Baroness possui características que, ao mesmo tempo em que agradam os convertidos, afastam aqueles que não batem com a proposta dos norte-americanos. O afastamento gradual das fórmulas empregadas no heavy metal faz com que essa rejeição ganhe novos contornos, o que a produção "low resolution" não colabora em nada para aplacar. Então, esse parágrafo acaba com uma recomendação: se você curtiu o Baroness de "Yellow & Green" e "Purple", e também dos iniciais "Red Album" (2007) e "Blue Record" (2009), principalmente pela forma inovadora de tocar heavy metal e por tirar o estilo de sua zona de conforto, muito provavelmente "Gold & Grey" não será para os seus ouvidos.

Agora, se você sempre curtiu o temperamento aventuresco da banda, "Gold & Grey" é um passo lógico nessa história. Como já dito, o Baroness está cada vez mais distante do metal e caminha sem cerimônias por estilos variados, incluindo na receita inclusive uma aproximação com o cenário do rock alternativo. Isso tudo faz de "Gold & Grey" um disco ainda mais desafiador do que o ponto de interrogação tradicional encontrado nos álbuns da banda.

Concluindo, a minha opinião a respeito de "Gold & Grey" é que trata-se de uma obra pretensiosa como sempre, mas que não alcança o resultado dos dois discos anteriores. Não há neste novo trabalho canções cativantes como "Take My Bones Away", "March to the Sea" e "Eula", responsáveis por colocar "Yellow & Green" acima das nuvens, e nem jornadas melódicas como "Chlorine & Wine", "Shock Me" e "Morningstar", do fortíssimo "Purple". A produção é um problema crucial em "Gold & Grey" e, infelizmente, puxa o disco para baixo, prejudicando um álbum que possui inegáveis qualidades mas que foram soterradas, em grande parte, pela sonoridade crua que ele apresenta.

Mesmo com tudo isso, o Baroness ainda vale um tempo no seu dia. Pare, respire fundo e ouça "Gold & Grey" sem pressa. Afinal, atrás desse denso muro construído de maneira equivocada pela banda, existe um belo jardim esperando por você.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Baroness"


Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 2009Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 2009


Guitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a TimeGuitarristas
Os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time

Metallica: gosto musical impediu que se tornassem um MaidenMetallica
Gosto musical impediu que se tornassem um Maiden

Vocalistas: algumas das grandes vozes do rockVocalistas
Algumas das grandes vozes do rock

Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Loudwire: as 10 melhores músicas do NirvanaLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana

Groupie Dirt: a vida íntima dos músicos - parte 1Groupie Dirt
A vida íntima dos músicos - parte 1

Sepultura: Eloy mostra a que veio em drum-cam de PropagandaSepultura
Eloy mostra a que veio em drum-cam de "Propaganda"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGooILQ