The Neal Morse Band: fazendo jus ao lançamento anterior

Resenha - Great Adventure - Neal Morse Band

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

Depois do estupendo The Similitude of a Dream, o vocalista, tecladista e violonista estadunidense Neal Morse não parecia capaz de lançar algo ainda melhor. Mas foi exatamente o que ele fez.

Mike Portnoy: compartilhando imagens com a mãe, falecida tragicamentePagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show

Quer dizer, talvez seja muito cedo ainda para comparar definitivamente o disco de 2019 com o de 2016. Mas o novo trabalho com sua The Neal Morse Band (integrada pelos antigos parceiros Mike Portnoy (bateria, vocais) e Randy George (baixo) e os integrantes mais recentes Bill Hubauer (teclados, vocais) e o talentosíssimo guitarrista Eric Gillette, que também canta) é, no mínimo, 99% tão bom quanto o anterior.

Pudera, o álbum foi gravado num ritmo diferente do seu antecessor, com 21 dias apenas para as gravações iniciais e muitos personagens e até músicas inteiras sendo deixadas de lado para cumprir com o cronograma.

Continuação de The Similitude of a Dream - caso a capa quase idêntica não tenha deixado isso claro -, The Great Adventure vem novamente como um disco duplo somando mais de duas horas de música, mas sem encheção de linguiça. Navegando entre diferentes atmosferas e velocidades, as 22 faixas formam uma jornada sonora que faz jus ao título da obra.

A abertura é também a peça mais longa (pouco acima dos dez minutos), convenientemente intitulada "Overture" - uma manobra um tanto arriscada, como que entregando o ouro antes da hora, mas ao mesmo tempo coerente, pois, como uma espécie de cardápio, ela oferece um resumo dos tipos de som que ouviremos nas duas horas que nos aguardam. Cordas, riffs pesados, toques eletrônicos, órgãos... tudo que o terceiro lançamento de estúdio com a mesma formação oferece parece fazer uma festa musical neste pontapé inicial. Ela adianta também alguns riffs e melodias que serão retomados em múltiplas outras canções subsequentes.

A partir daí, vêm tantas faixas que a resenha ficaria maçante demais se formos falar de cada uma - embora todas mereçam tal deferência.

Assim, vou me limitar a falar, por exemplo, de "The Dream Isn't Over" e seus toques de Pink Floyd, especialmente nos vocais. Ou então de "Welcome to the World", que vem em duas partes e é dona talvez do refrão mais pegajoso do disco, sendo a sua segunda parte talvez a música mais pesada da obra toda.

"A Momentary Change" inicia com uma linha melódica que vira uma espécie de refrão do álbum, pois será ouvida diversas vezes ao longo dos dois CDs. Já sua sucessora "Dark Melody" traz todo o charme de um compasso setenário.

"Vanity Fair" nos brinda com um divertido enceramento circense e "The Great Despair" se encerra com um inspiradíssimo solo à la "The Ministry of Lost Souls" que emenda na abertura de "Freedom Calling", que por sua vez recupera o riff de "The Slough", do The Similitude of a Dream.

The Great Adventure reforça algo já óbvio da carreira de Neal Morse, mas que ainda não tive a oportunidade de falar: o cara consegue fazer um rock/metal progressivo melódico o suficiente para que possamos conceber muitas dessas faixas sendo tocadas em rádios "comercialescas", por exemplo.

É o talento de quem sabe fazer o gênero ficar acessível sem perder sua essência sofisticada - ou, em uma linguagem mais popular, ficar sexy sem ser vulgar. Daí percebemos o seu grau de importância na moldagem do som do Flying Colors, por exemplo.

Quanto ao resto da banda, estes continuam funcionando tão bem que dá até inveja. Eric se consagra cada vez mais como expoente moderno de seu instrumento, enquanto que Bill incorpora novos tipos de tessituras, especialmente órgãos e eletrônicos, atualizando o som do quinteto. E quanto a Randy e Mike... há o que se falar mais deles sem chover no molhado?

Estamos em janeiro, mas já temos um sério candidato a álbum progressivo do ano - mas claro, faltam poucos dias para a chegada de Distance over Time, do Dream Theater, por exemplo, que evidentemente será resenhado no Sinfonia de Ideias.

Track-list:
CD1
1. "Overture "
2. "The Dream Isn't Over"
3. "Welcome to the World"
4. "A Momentary Change"
5. "Dark Melody"
6. "I Got to Run"
7. "To the River"
8. "The Great Adventure"
9. "Venture in Black"
10. "Hey Ho Let's Go"
11. "Beyond the Borders"

CD2
1. "Overture 2"
2. "Long Ago"
3. "The Dream Continues"
4. "Fighting With Destiny"
5. "Vanity Fair"
6. "Welcome to the World 2"
7. "The Element of Fear"
8. "Child of Wonder"
9. "The Great Despair"
10. "Freedom Calling"
11. "A Love That Never Dies"

Abaixo, o vídeo de "I Got to Run":

Fonte:
http://bit.ly/thegreatadventure




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Neal Morse"Todas as matérias sobre "Mike Portnoy"


Mike Portnoy: compartilhando imagens com a mãe, falecida tragicamenteMike Portnoy
Compartilhando imagens com a mãe, falecida tragicamente

Dream Theater: Mike Portnoy diz que precisava de um tempo da bandaDream Theater
Mike Portnoy diz que "precisava de um tempo" da banda

Mike Portnoy: Como o Dream Theater sem os vocais irritantesMike Portnoy
"Como o Dream Theater sem os vocais irritantes"

Mike Portnoy: no colo do Papai Noel e reclamando de horários de shows no BrasilMike Portnoy
No colo do Papai Noel e reclamando de horários de shows no Brasil

Mike Portnoy: como estão sendo os shows com Noturnall e Edu Falaschi no BrasilMike Portnoy
Como estão sendo os shows com Noturnall e Edu Falaschi no Brasil

Mike Portnoy: como ele se aproximou dos brasileiros do NoturnallMike Portnoy
Como ele se aproximou dos brasileiros do Noturnall

Portnoy: Tocarei com o Noturnall músicas que não toco desde que deixei o Dream TheaterPortnoy
"Tocarei com o Noturnall músicas que não toco desde que deixei o Dream Theater"

Mike Portnoy: assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileirosMike Portnoy
Assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileiros

Mike Portnoy: baterista posta vídeo em alusão aos 20 anos de Scenes From a MemoryMike Portnoy & Noturnall: sorteio de ingresso para o show em POA

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo

Mike Portnoy: o que ele aprendeu com Lars Ulrich do Metallica?Mike Portnoy
O que ele aprendeu com Lars Ulrich do Metallica?


Pagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um showPagando mico
10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show

Ultimate Classic Rock: as filhas mais belas dos rockstarsUltimate Classic Rock
As filhas mais belas dos rockstars


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336