Lamb of God: "Wrath" é a ira em forma de música

Resenha - Wrath - Lamb of God

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O mês de fevereiro de 2019 marca 10 anos do lançamento de "Wrath", sexto álbum de estúdio do LAMB OF GOD. O sucessor do aclamado "Sacrament" tinha a missão de satisfazer os exigentes fãs da banda. Conseguiu, com maestria. E poucas vezes o nome de um disco combinou bem com seu conteúdo. "Wrath é pura ira desde o primeiro até o último acorde.

Kreator: banda divulga vídeo para promover tour com o Lamb Of God no ano que vemGuns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

A bela introdução "The Passing" é só um pequeno momento de alívio antes do massacre, que começa com "In Your Words", uma pedrada perfeita para deixar o ouvinte atordoado. Em pouco mais de cinco minutos, já dá para entender o recado que a banda quer passar no álbum: transformar toneladas de ódio em música extrema. De fato, o restante do disco segue a mesma receita: muito peso, velocidade, e a sensação constante de que você está tomando chutes e socos na orelha.

O álbum inteiro é uma obra do metal moderno. E quando falo metal moderno, não estou comparando com new metal e outras coisas que colocam tudo no som, menos metal. É peso, velocidade, agressividade e muito rancor. O disco é sangue no olho total, como comprovam "Set To Fail", "Broken Hands", a doente "Contractor" e "Fake Messiah".

Fechando a primeira metade do álbum, um dos maiores momentos da carreira do LOG. Após uma introdução muito bem trabalhada, a música entra em um clima de violência misturado com (um pouco de) melodia que prende a atenção do ouvinte. Destaque para o trabalho minucioso do baterista Chris Adler nesta música. Se o disco contasse apenas com as músicas citadas, já valeria o investimento. Mas ainda tem mais coisa pela frente.

A segunda parte começa com "Broken Hands", que é uma verdadeira parede sonora. "Dead Seeds" já começa com um dos melhores riffs da carreira dos caras, "Everything to Nothing" é tão doente quanto "Contractor". O final do disco conta com "Choke Sermon", que mantém o pique, e termina com "Reclamation", um tanto quanto arrastada, mas muito pesada.

"Wrath" é um disco que consegue ser constante do início ao fim, algo louvável. O nível das composições é absurdo, e isso só foi atingido pelo fato da banda contar com músicos muito competentes, que tocam com a alma. Todos merecem destaque, principalmente o vocalista Randy Blythe, que parecia estar ciente do inferno astral que viveria anos depois, e descarregou todo seu ódio nas canções. Definitivamente, é o disco mais maduro e sólido da banda.

Tudo o que caracteriza a banda é encontrado em "Wrath": peso, velocidade, precisão e um desprezo imenso por tudo e por todos. Um disco perfeito, que merece ser ouvido por todo headbanger, desde os mais radicais até os que estão se iniciando no mundo da música pesada.


Outras resenhas de Wrath - Lamb of God

Lamb Of God: ira mais focada e realmente consistente




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lamb Of God"


Kreator: banda divulga vídeo para promover tour com o Lamb Of God no ano que vem

Lamb Of God: Chris Adler fala sobre a relação com membros da banda após saídaLamb Of God
Chris Adler fala sobre a relação com membros da banda após saída

Lamb Of God: 10 músicas que definem a vida do vocalista Randy Blythe

Lamb Of God: Chris Adler abre o jogo sobre sua saída da bandaLamb Of God
Chris Adler abre o jogo sobre sua saída da banda

Chester Bennington: ouça música gravada com Mark Morton, do Lamb Of GodChester Bennington
Ouça música gravada com Mark Morton, do Lamb Of God

Dave Mustaine: Chris Adler trouxe muita alegria para a minha vidaDave Mustaine
Chris Adler trouxe muita alegria para a minha vida


Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Humor: O dia em que Steve Vai foi humilhado por ChimbinhaHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336