Adagio: uma bela tentativa de produzir o seu álbum mais épico

Resenha - Life - Adagio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar Correções  

publicidade

8

Há sete anos sem lançar álbuns e, após algumas mudanças na formação, o agora sexteto Adagio volta à cena com o disco Life. Em um sentido periférico, muita coisa mudou no mundo da Adagio desde seu último álbum, Archangels In Black. Este álbum - o quinto da banda francesa de progressive metal - contou com os vocais de Christian Palin, que se separou da banda no ano seguinte ao lançamento. Eric Lebailly, baterista também deixou o grupo, o que resultou em mudanças significativas no som da banda.

Metallica: as 10 melhores músicas segundo a LoudwireLed Zeppelin: as crianças da capa do álbum Houses Of The Holy

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em Life a banda parece haver se tornado mais prolixa no que tange ao formato das composições. O disco é conceitual e fala da "vida" como uma jornada contemplativa através das emoções. Uma visão filosófica que remete às grandes odisseias cinematográficas. Daí o leitor/ouvinte pode imaginar que tudo (arranjos, riffs, harmonias, etc) esteja muito associado à quantidade. No que pode até ter razão, mas não é apenas isso! O trabalho foi idealizado e executado, também, com muita qualidade. Os dois novos rostos, o baterista Jelly Cardarelli e a violinista Mayline Gautié, ajudaram a manter o padrão dos trabalhos anteriores. No entanto, também é verdade que o álbum oferece muita informação fazendo com que o ouvinte se perca em dados momentos e isto depõe contra o esforço da banda em produzir o seu álbum mais épico. No geral, a música é permeada de atmosferas e de mudanças de andamentos, que sacodem o ouvinte em várias direções. Difícil eleger destaques com uma única audição. Com duas, os meus destaques no momento, são: Subrahmanya, nome para o deus hindu da guerra, é uma das mais pesadas do disco; I'll Possess You, na qual se destaca violinista Mayline e parece indicar uma abertura com vistas ao aumento de audiência; e, Torn, a mais curta, que pode significar um contraponto à todo resto do disco.

A formação que gravou o disco contou com Stephan Forté (guitarrista), Kelly "Sundown" Carpenter (vocalista), Franck Hermanny (baixista), Jelly Cardarelli (baterista), Kevin Codfert (tecladista) e Mayline Gautié (violinista). O disco foi gravado no Axone Studio (FRA), produzido por Stéphan Forté, mixado por Kevin Codfert e masterizado por Brett Caldas-Lima. A belíssima capa foi concebida por Rusalka Design

TRACKLIST:

01-Life (9:11)
02-The Ladder (6:23)
03-Subrahmanya (6:55)
04-The Grand Spirit Voyage (6:01)
05-Darkness Machine (5:42)
06-I'll Possess You (5:46)
07-Secluded Within Myself (5:46)
08-Trippin' Away (5:53)
09-Torn (4:36)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Exportando metal: músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringasExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas


Metallica: as 10 melhores músicas segundo a LoudwireMetallica
As 10 melhores músicas segundo a Loudwire

Led Zeppelin: as crianças da capa do álbum Houses Of The HolyLed Zeppelin
As crianças da capa do álbum Houses Of The Holy


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL