Foo Fighters: Psicodelia e um pouco de esquisitice

Resenha - Concrete and Gold - Foo Fighters

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Cavalcanti
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

Se alguém duvidou que o Foo Fighters tivesse a capacidade - e coragem - de lançar um álbum realmente alternativo, podemos dizer a essa pessoa que existe uma possibilidade de novas experimentações no horizonte para Dave Grohl e sua trupe. Em seu nono álbum de estúdio, modestamente intitulado de "Concrete and Gold", uma coisa é certa: o correto equilíbrio entre o acessível e o "esquisitão" pode trazer um punhado de boas canções...

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalFotos de Infância: Gene Simmons, do Kiss

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Há cerca de três meses, tivemos o lançamento repentino do single "Run", uma escolha curiosíssima para iniciar a divulgação do novo álbum. A música é um excelente "suicídio comercial", com suas variações rítmicas, alternâncias entre melodia e peso, e uma letra que fala simplesmente sobre a eventual vontade de escapar de um possível destino desagradável - o que não deixa de ser uma sutil referência ao cenário político atual dos EUA. É válido apostar que "Run" ainda pode entrar para o acervo de clássicos do (agora) sexteto.

Ao longo do álbum, temos menos peso e agitação, como evidenciado na boa, épica e fantasmagórica "The Sky Is a Neighborhood", e no clima retrô envolvente de "Sunday Rain". Vale destacar também a intensidade "crescente" da ótima "Dirty Water", e o sabor "crocante" dos divertidos rocks "Make It Right" e "La Dee Da". E por falar em guitarras saborosas, a faixa-título do álbum nos presenteia com uma corretíssima mistura de peso, suavidade e progressividade. E sim, as letras do disco continuam oscilando entre o pessimismo e a necessidade de um bem-vindo escapismo para todos nós.

Ironicamente, o setor menos inspirado do disco é aquele que traz suas faixas mais simples e diretas: os medianos rocks "Arrows" e "The Line", e a quase ignorável balada acústica "Happy Ever After (Zero Hour)". Sem contar a curta e pífia faixa de abertura "T-Shirt", tão descartável quanto uma camisa velha e rasgada.

Em meio a altos e alguns poucos baixos, "Concrete and Gold" nos leva em uma viagem alternativa e psicodélica que mistura o melhor do rock clássico com a boa e velha "robustez" sônica dos 'Foos', além de participações especiais (pesquise, por favor) que se juntam de forma bastante homogênea. Temos aqui um disco que mostra uma banda perfeitamente ciente de como deseja soar - e como deseja discursar - no presente momento. Deite, apague a luz, e se entregue a essa gostosa experiência.

Confira o divertido clipe de "Run":

Músicas:
1. T-Shirt
2. Run
3. Make It Right
4. The Sky Is a Neighborhood
5. La Dee Da
6. Dirty Water
7. Arrows
8. Happy Ever After (Zero Hour)
9. Sunday Rain
10. The Line
11. Concrete and Gold

Comente: Já ouviu o disco? Gostou?


Outras resenhas de Concrete and Gold - Foo Fighters

Foo Fighters: "Concrete and Gold" é um bom álbum de rockFoo Fighters: resenha do novo álbum de estúdio, "Concrete and Gold"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Foo Fighters"


Dave Grohl: músico sofreu depressão em 2015Dave Grohl
Músico sofreu depressão em 2015

Nirvana: Dave Grohl lembra do lado gentil de Kurt CobainNirvana
Dave Grohl lembra do lado gentil de Kurt Cobain


Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Fotos de Infância: Gene Simmons, do KissFotos de Infância
Gene Simmons, do Kiss


Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

adGoo336