Doomsday Kingdoom: mantendo a essência do Candlemass

Resenha - Doomsday Kingdom - Doomsday Kingdom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E eis que depois de idas e vindas, o CANDLEMASS retorna! Mas ai você me diz: pêra ai, mas trata-se de outra banda! Exametamente; porém, o que temos aqui é o mais novo projeto da mente criadora da maior banda da história do doom metal (não vamos classificar dentre do estilo o BLACK SABBATH, ok?), o mestre Leif Edling.

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1983Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rock

Por óbvio o cara traz em seu DNA a essência de sua banda principal em todos os projetos que participa, como o AVATARIUM, por exemplo. Mas aqui a formula é exatamente a mesma, e mesmo com as mudanças na formação, e como se estivéssemos ouvindo o novo disco do CANDLEMASS, sem nenhuma alteração, já que Leif é responsável por todas as composições.

Ou seja, espere por faixas lentas, cheias de riffs hipnotizantes, arranjos épicos, e melodias que grudam de imediato em sua cabeça, para dela nunca mais sair.

O restante do line up que acompanha Leif nessa empreitada também é de respeito, com o vocalista do WOLF, Niklas Stålvind, Marcus Jidell, do AVATARIUM, SOEN, ex-EVERGREY nas guitarras, e Andreas 'Habo' Johansson, do NARNIA, na bateria.

Os vocais de Niklas são o grande destaque por aqui, com interpretações marcantes, e um timbre único, que em algumas faixas chega até a lembrar vozes femininas, mas sempre com muita personalidade.

Os destaques imediatos do trabalho ficam pra "Silent Kingdom", com pitadas de MERCYFUL FATE; "Never Machine", que remete aos primeiros álbuns do CANDLEMASS; " e "The Spectre", que parece ter sido tirada das sessões do álbum "King of the Grey Islands", da mesma banda.

A produção crua, porém precisa, assim como a belíssima arte gráfica, são outros dos atrativos dessa belíssima obra da morbidez sonora, e que certamente brigara forte pelo topo dos melhores discos de doom metal de 2017.

The Doomsday Kingdom - The Doomsday Kingdom
(2017 - Shinigami Records)

1. Silent Kingdom
2. Never Machine
3. A Spoonful of Darkness
4. See You Tomorrow
5. The Sceptre
6. Hand of Hell
7. The Silence
8. The God Particle


Outras resenhas de Doomsday Kingdom - Doomsday Kingdom

Doomsday Kingdom: Doom e NWOBHM no retorno de Leif Edling




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "The Doomsday Kingdom"


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1983Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1983

Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

Ninguém é perfeito: os filhos "bastardos" de pais famososFrances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãLoudwire: Os 20 melhores álbuns de Rock de 2014Angra: Confira história completa do disco Temple of Shadows

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336