UDO: Lá e de volta uma última vez

Resenha - Live - Back To The Roots - Dirkschneider

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sérgio Henrique dos Santos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando o ACCEPT se separou pela primeira vez, na virada para os anos 90, os fãs receberam como consolo um registro ao vivo gravado em 1985 no Japão. E que registro! Com excelente qualidade sonora e a performance afiadíssima, Staying a Life veio como um verdadeiro legado para que qualquer um pudesse ter boas recordações ou mesmo conhecer como soava poderosa essa banda em seu auge.

24 acessosAccept: "Nós deixamos as baladas para o Scorpions" diz Wolf5000 acessosSociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teórica

Algumas reuniões e várias desavenças depois, hoje o inventário sonoro do grupo é compartilhado por dois núcleos: o oficial, surpreendentemente bem sucedido com o vocalista Mark Tornillo, que ajuda o guitarrista Wolf Hoffman e o baixista Peter Baltes a seguirem adiante, e a carreira solo de UDO DIRKSCHNEIDER, que após desentendimentos envolvendo a parte financeira e os direitos pelo nome da banda não quer mais conversa com seus ex-companheiros. Confraternização nos bastidores? Sem chance. Participação em um eventual show de despedida? Ele garante que não, não vai rolar.

Mais ainda: em 2016 UDO anunciou que faria uma turnê se despedindo dos clássicos da sua antiga banda. Segundo ele, dali em diante quem quiser ouvir aquelas músicas deverá procurar o ACCEPT oficial, já que ele focará apenas em sua já extensa discografia solo.

Apenas marketing ou não, eis que Live: Back to The Roots (e apenas como DIRKSCHNEIDER) é o inevitável registro ao vivo dessa turnê. E, olha só, serei obrigado a me repetir: que registro!

Confesso que não esperava nada tão bom assim. Talvez versões burocráticas de grandes clássicos, com um vocalista desanimado, enfastiado, cansado. Mas meu queixo caiu logo na primeiras faixa: Starlight, com o baixinho de voz rasgada cantando com muita vontade e sem nenhum alívio ou truque. Só já perto do final, em Balls to the Wall, é que se nota um cansaço, o que é mais que compreensível frente a um show longo que exige drives de um sexagenário praticamente o tempo todo.

Uma das primeiras coisas que eu presto atenção em álbuns ao vivo de heavy metal é o som das guitarras. Se estiverem baixas, escondidas, "frouxas", é muito difícil que haja salvação. E Back to the Roots possui um dos sons de guitarra mais lindos e perfeitos que eu já me deparei. Soam cortantes, altas, firmes, como tem que ser. Se você está lendo essa resenha já entendeu o que eu quis dizer, certo? E todos os instrumentos estão muito bem gravados. Sabe aquele sentimento que você tem quando escuta um live album e pensa "nossa, essa é a versão definitiva dessa música!"? Pois é.

E que energia absurda temos aqui. Gravado na Alemanha, o público colaborou em peso. Quando os tradicionais backing vocals aparecem o coro da plateia sempre vem junto. E há momentos em que a música acaba em cima do palco mas a empolgação é tamanha que os fãs continuam cantarolando a melodia ou refrão. Isso acontece por exemplo em I´m a Rebel, confira!

Outro golaço da Alemanha é o set list. Nada menos que vinte e quatro clássicos do ACCEPT. Como o set é restrito apenas aos anos 80 houve espaço para pérolas como Wrong is Right, Winter Dreams, Midnight Highway (com sua sensacional mistura de AC-DC, Thin Lizzy e Judas Priest!) e até duas do relativamente injustiçado Russian Roulette: TV War e Monsterman. Poderia haver até mais: faltam talvez Love Child e Dogs on Leads. O resto é tUDO o que você esperaria: a priestiniana Midnight Mover, o hino Balls to the Wall, o andamento matador de Princess of the Dawn, as pancadarias Breaker e Fast as a Shark etc. Inclusive se você precisa de um bom "curso intensivo de ACCEPT" para convencer um amigo(a), é uma boa pedida!

A comparação com o também recém lançado ao vivo do ACCEPT oficial, Restless And Live é até óbvia de se fazer. Para a pergunta sobre qual é o melhor a minha resposta seria: precisa mesmo que haja um melhor? Apesar de algumas músicas em comum no set o ouvinte atento perceberá que são propostas diferentes. Restless And Live traz muito material recente, dos três trabalhos com Mark nos vocais, e tem um som mais "atualizado", o que fica latente na bateria e andamento. Já Back to the Roots é total retrô, com um heavy metal mais oitentista possível. Compare por exemplo as Restless and Wild: a do ACCEPT atual é mais pesada e rápida, com um trabalho monstruoso de bateria, já a de UDO mais cadenciada e fiel à original (pena que ele optou pela versão encurtada da música). Ambos são excelentes, complementares, e quem ganha são os fãs que não precisam abrir mão de um em detrimento do outro. Aceite isso.

Em 1990 ganhamos o antológico Staying A Life por um motivo triste, o fim da banda. Agora, novamente poderia haver aquele sentimento agridoce pelo fato de UDO DIRKSCHNEIDER estar (supostamente) abandonando definitivamente o seu melhor repertório. Mas isso tUDO fica em segundo plano quando você escuta Back to the Roots e sente orgulho de dizer que, ora ora, quem diria, temos um sucessor à altura. E ouso dizer: Back to the Roots é o Staying A Life turbinado.

Não deixe de ouvir.

CD1
01. Intro
02. Starlight
03. Living For Tonite
04. Flash Rockin' Man
05. London Leatherboys
06. Midnight Mover
07. Breaker
08. Head Over Heels
09. Neon Night
10. Princess Of The Dawn
11. Winterdreams
12. Restless And Wild
13. Son Of A Bitch

CD2
14. Up To The Limit
15. Wrong Is Right
16. Midnight Highway
17. Screaming For A Love-Bite
18. Monsterman
19. T.V. War
20. Losers And Winners
21. Metal Heart
22. I'm A Rebel
23. Fast As A Shark
24. Balls To The Wall
25. Burning
26. Outro

Músicos:

UDO DIRKSCHNEIDER - Vocal
Andrey Smirnov - Guitarra
Kasperi Heikkinen - Guitarra
Fitty Wienhold - Baixo
Sven DIRKSCHNEIDER - Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AcceptAccept
Ouça a faixa título do novo álbum, "The Rise of Chaos"

24 acessosAccept: "Nós deixamos as baladas para o Scorpions" diz Wolf657 acessosAccept: Hoffman diz que título do álbum é referência aos dias atuais604 acessosAccept: Valhall Music e AFM relançam os quatro primeiros álbuns750 acessosAccept: confira nova faixa, "The Rise of Chaos"838 acessosAccept: Tracklist do novo álbum é revelada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Accept"

AlemanhaAlemanha
Dez das melhores bandas do país

Metal RulesMetal Rules
Site lista os 5 melhores álbuns de reestréia

ApocalipseApocalipse
Confira 5 das melhores músicas sobre o tema

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Udo"0 acessosTodas as matérias sobre "Accept"

Sociedade AlternativaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

DoentioDoentio
Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

AnthraxAnthrax
Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo

5000 acessosOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?5000 acessosVitão Bonesso: A imensa coleção do apresentador do Backstage5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns4440 acessosMetallica: animação 3D recria tempos do "Ride The Lightning"5000 acessosBruce Dickinson: vocalistas que ele respeita e admira5000 acessosOzzy Osbourne: uma garrafa d'água que custou 80 mil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 14 de março de 2017

Sobre Sérgio Henrique dos Santos

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online