Edu Falaschi: E.V.O. foi o seu "rebirth vocal"

Resenha - E.V.O. - Edu Falaschi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruno Dias Gonçalves
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Para todos os fãs de Edu Falaschi o novo álbum do Almah soou como uma grata surpresa, pois vimos (ou melhor ouvimos) Edu cantar como há muito tempo não víamos. Ao traçar um paralelo do Edu desde que ele foi efetivado no Angra e gravou dois belíssimos trabalhos, Rebirth e Temple of Shadows, vimos que após esses trabalhos sua voz “capengou” um pouco. O álbum Aurora Consurgens não está na lista de favoritos de quase nenhum fã do Angra e de Edu e o Aqua segue a mesma linha. Por outro lado, o trabalho de Edu no Almah ganhou o mundo e vímos um Edu motivado. O nítido desgaste de sua voz seja pelo esforço de estar no Angra e pelo seu problema de refluxo (que em casos mais extremos danificam seriamente as cordas vocais) foi sentido no álbum Motion do Almah, onde Edu fez pouquíssimo ou até nenhum agudo e usou e abusou de tons mais graves e até guturais (Zombies Dictator). Lembrando que o Motion é uma forte mudança em relação ao Fragile Equality, seu antecessor.

1456 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosNo alto do castelo há uma linda princesa...

Ao vivo Edu também mostrava que sua voz estava desgastada. Estive na turnê Angra + Sepultura e pude perceber um Edu sofrendo para cantar algumas músicas e algumas ainda tiveram seus tons abaixados para que o mesmo conseguisse cantar. Muitos chegaram a considerar que Edu nunca mais se reergueria de tantos problemas vocais que aparentava, eu mesmo ficava chateado pois não se pode negar o talento musical de Edu que somado a uma figura carismática não conseguia mais voltar ao nível que estava antes.

Em 2013 já fora do Angra, o Almah lança o Unfold que na opinião desse autor é um puta trabalho. Já mostrando uma leve recuperação vocal do Edu, mas ainda assim não abusando dos seus característicos agudos. Ainda assim algumas músicas como Believer, Wings of Revolution, Stroke chamam atenção devido a mostrar que Edu já conseguia sustentar a voz por mais tempo. Por outro lado, tive a chance de ver um show do Almah e Edu ainda sofria para chegar em tons mais altos, chegando a desafinar algumas vezes.

Em maio de 2016 novamente fui a um show do Almah e fiquei muito contente ao ver um Edu cantando como na turnê do Temple of Shadows, sua voz estava muito forte e bem precisa. Ao fim do show cantou Nova Era chegando a alcançar muito bem os tons mais altos demonstrando que está sim recuperando sua voz. Meses após o Almah lança E.V.O. e da um tapa logo na primeira faixa, Age of Aquarius, onde Edu solta sua voz potente como nos tempos de Angra, alguns comentários na internet chamando esse lançamento do “AlmAngra”. E.V.O. traz excelentes músicas como Speranza, Higher, Infatuated que mostram que Edu está voltando a sua melhor forma vocal desde Rebirth e Temple of Shadows.

Como fã do trabalho do Edu só espero que seja cada vez melhor sua performance visto a importância que esse vocalista já possui dentro do metal nacional.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1456 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons823 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1811 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2218 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Veja Rafael "ensinando" Valverde a tocar bateria

AngraAngra
As músicas de cada álbum que definem a banda

Power MetalPower Metal
As bandas mais populares segundo o Facebook

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Edu Falaschi"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

No alto do casteloNo alto do castelo
As diferenças entre os diferentes estilos de rock e metal

Rob HalfordRob Halford
Resposta educada a comentários de Dickinson

CinemaCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta5000 acessosChinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história5000 acessosMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich2616 acessosSlayer: veja Tom Araya e seu cover para "Blackout" do Scorpions5000 acessosJaco Pastorius - um gênio atormentado5000 acessosCláudia Leite: musa do Axé adora Led Zeppelin e Iron Maiden

Sobre Bruno Dias Gonçalves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online