Antiga Roll: Para quem curte um bom rock and roll básico

Resenha - Zumbi do Bar - Antiga Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Após iniciar sua carreira com um CD demo em 2009 e o ótimo EP "De Jaqueta no Inferno" (ver link ao final) no ano de 2012, a banda amazonense Antiga Roll lança no final de 2015 o seu primeiro álbum completo que, para felicidade geral, sai no formato CD e LP pelo selo independente Mama Records. "Zumbi do Bar", assim como o restante da discografia, encontra-se pra download gratuito ou audição online no site oficial da banda (antigaroll.com). Quem curte um bom rock and roll básico, sem frescuras com letras no universo rockeiro notívago, não deve deixar de conferir.

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloRefrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/Metal

A bolachinha abre com "Garota de Valores" que entrega todo o espírito verdadeiramente rocker do nicho explorado. Uma pena ser uma faixa tão curta. Em segundo lugar está "Perversa", que nomeia a cerveja da banda. Sim, a Antiga Roll tem uma cerveja lançada chamada Perversa, aprovada por quem gosta de cerva. Na terceira posição vem "Com Uma Garrafa na Mão". Sonzão curto e grosso que não chega a um minuto e meio. Em quarto a homônima ao play parece que foi feita no cenário da capa do álbum. Bom ver como eles exploram bastante os backing vocals. O solo do final é muito bacana. A quinta "Show de Rock 'n' Roll" é totalmente auto biográfica e talvez uma das mais pesadas do disco.

Fechando o labo A do vinil "Tome Cachaça", já é bem conhecida pelo público da banda. As mudanças de tom são ótimas. Abrindo o segundo lado "Cantiga de Chapar" entrega toda a influência de Tequila Baby, convenhamos, bem como outras músicas. Emendando vem "Chave de Pernas". Mais ramoníaca, impossível. A nona é "Charlet". No ambiente limitado de bar e show de rock, normal ter uma canção com nome próprio feminino. Em décimo lugar encontra-se "Maldita Cabecinha" libidinosa e provocante.

Em seguida "Disputa" tem aquela boa levada cinquentista com arranjos mais elaborados. O LP termina com "Quando Eu Tô Loco" que tem um riff bem Autoramas. Totalmente roller. A versão CD tem mais quatro faixas. Na sequência certa está "Cara, Não Lembro de Nada" dá a impressão que esses garotos só narram a rotina deles nas letras, que parece ser extremamente boêmia. "Sexta-feira" segue reafirmando o viés alcóolico. "Last Chance" é outra rapidinha, mas cantada em inglês e fechando com chave de ouro "Manaus Caos" é rápida e tem a letra mais punk do grupo.

A arte gráfica de "Zumbi do Bar" ilustra com perfeição a temática cachaceira e devassa da banda, com o detalhe de algumas fotos diferentes nos encartes das versões CD e LP. Apesar da disponibilidade gratuita da discografia, procure adquirir os discos oficiais, por simples merecimento da Antiga Roll, que é uma das bandas mais atuantes, parceiras e divertidas do cenário rockeiro de Manaus.

Matéria relacionada:

Antiga Roll: Rock simples, dançante, despojado e de qualidade




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Antiga Roll"


Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

Refrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/MetalRefrãos
Alguns dos mais marcantes do Rock/Metal

Heavy Metal: 10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhosHeavy Metal
10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Blaze Bayley: foi necessário ele sair do Iron Maiden pra banda seguir em frenteBlaze Bayley
Foi necessário ele sair do Iron Maiden pra banda seguir em frente

Metallica: Alvo de críticas pesadas da banda MogwaiMetallica
Alvo de críticas pesadas da banda Mogwai


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336