Blink-182: Melhorou, mas não o suficiente

Resenha - California - Blink-182

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Erick Silva, Fonte: Blog Punhado de Coisas
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Podemos analisar esse novo lançamento do Blink-182 sob dois pontos de vista. Primeiro, podemos comparar ele com os trabalhos mais antigos do grupo, aqueles discos engraçadinhos, que tirando o fato de "zoarem" com o mundo pop, eram tão genéricos quanto o alvo de suas piadas, como "Enema of the State", e seu mega-hit "All the Small Things" (quem não lembra do clipe, que tirava o maior sarro das chamadas boy bands?). Ou seja, nessa época, a banda era engraçadinha, e só. O segundo ponto de vista para analisarmos este mais recente disco é o fato de que não demorou muito em o grupo, digamos, "amadurecer", fazendo um som mais sisudo e reflexivo. Exemplo disso foi o intitulado "Blink-182", lançado em 2003.

23 acessosBlink-182: "The Rock Show" com bateria bem mais elaborada5000 acessosArte Gráfica: Designer brasileiro cria versões para clássicos

No fim, vamos perceber que em qualquer uma das duas análise, "California" se encaixa. Sétimo disco de estúdio do Blink, ele não é, necessariamente, um disco ruim, mas, parece ter "estagnado" no tal amadurecimento. Não fazem mais do que o feijão com arroz que já mostraram em outras ocasiões. E, olhem que o álbum até começa um pouco mais potente do que o pop pseudo-punk do grupo, normalmente, tende a mostrar, com a abertura "Cynical", rápida e empolgante, mostrando que, em termos instrumentais, o Blink melhorou bastante, ficando um pouco (mas, só um pouco) mais pesado. Chega (quase) a remeter alguns do melhores momentos do Bad Religion. Boa escolha para abrir esse trabalho.

Em seguida, temos "Bored to Death", que já começa com esses versos: "Há um eco retirando o significado, Resgatando um pesadelo de um sonho, As vozes em minha cabeça estão sempre gritando, Que nada disso significa nada para mim". Ou seja, faz ligação direta com os sons mais melódicos da "fase madura" deles, mas, a música, em si, não é lá grande coisa, ficando, em geral, sem muita identidade. O mesmo vale para "She's Out Her Mind", com direito a coro emocore e tudo. Mais uma vez, é o instrumental que salva o dia aqui, principalmente, o baterista Travis Barker, que continua um "monstro".

Apesar de trazer um refrão propositalmente pop, a canção "Los Angeles" já traz uns elementos mais diferenciados, umas "viradas" no som, que deixa, ao menos, a música agradável. Só que aí chega "Sober", e a coisa não tem jeito: ela é excessivamente sem sal, sem carisma, sem instigação. Ao menos, é curta, assim como "Built this Pool", que em seus 16 segundos consegue ser até melhor que algumas das canções anteriores. "No Future" talvez seja uma das melhores do disco, lembrando um pouco Green Day, e com um som mais encorpado, pesado e interessante. Ponto pra eles por isso.

Só que a falta de substância impera nas três canções seguintes: a lenta "Home is Such a Lonely Place" e as pesadas "Kings of the Weekend" e "Teenage Satellites", que a despeito (mais uma vez) do ótimo instrumental, não têm pode de fogo pra ficar na memória algum tempo depois de escutá-las. "Left Alone" já traz algum diferencial, até mesmo um som mais cadenciado, que torna a audição mais prazerosa. Daí, temos aquela que, assim, como "No Future", é uma grande música no disco: "Habbit Hole", veloz e certeira, que, ao vivo, deve ficar melhor ainda. Só que aí estamos quase no final do álbum, e fica perceptível que pouca coisa realmente se salvou. Tanto é que "San Diego" é uma canção que remete aos momentos mais monótonos desse trabalho, totalmente dispensável..

Ao menos, a parte final do disco melhora (muito) as coisas. A rápida "The Only Thing That Matters" chega a ter influência (acreditem se quiserem!) do The Clash, e é ótima. A música que dá nome ao álbum, "California" é melódica, sim, mas, é melhor do que os "soníferos" anteriores que ouvimos ao longo desse trabalho. E, tudo se encerra com a "versão" de "Bohemian Rhapsody", e seus 30 segundos apenas, mas, que possui mais peso e garra do que 80% do disco todo. E, isso já diz muita coisa.

Sim, talvez esse seja o melhor trabalho do grupo, e sua curta duração não deixa nada ser muito traumático. Mesmo assim, o "melhor" que o Blink pode fazer ainda é algo que chega a ficar, pelo menos, na média. Para os fãs antigos, fica apenas a lembrança de uma banda limitada, mas, engraçada, e que agora, está ora pesada, ora melódica. A quem for se aventurar pelo som do grupo pela primeira vez através deste "California", talvez até goste, porém, existe coisa melhor feita nos dias de hoje em se tratando de rock (e, até os mais jovens sabem disso).

Link da matéria:
http://blogpunhadodecoisas.blogspot.com.br/2016/07/disco-mai...

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

BillboardBillboard
Discos de rock/metal que atingiram o topo nos anos 2000

23 acessosBlink-182: "The Rock Show" com bateria bem mais elaborada864 acessosMetallica: e se a banda soasse como o Blink-182 ou Green Day?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Blink 182"

Blink 182Blink 182
Travis Barker teria sido chamado para o Slayer?

Jared DinesJared Dines
E se o Blink 182 fosse uma banda de metal?

PunkPunk
Três exemplos de como tocar na batera também é difícil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de julho de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Blink 182"

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

MetalMetal
Os dez melhores guitarristas da atualidade

CriançasCrianças
Como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

5000 acessosMetallica: garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TV5000 acessosCuzões em shows: como músicos devem lidar com essa raça maldita5000 acessosTony Iommi: guitarrista é impotente e violento, diz Lita Ford5000 acessosRock And Roll: 10 melhores álbuns de estreia de todos os tempos5000 acessosBeatles e Elvis Presley: o dia em que eles tocaram juntos5000 acessosRegis Tadeu: explicando por que o Slipknot é tão odiado

Sobre Erick Silva

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online