RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Def Leppard Motley Crue 2

Blink-182: Melhorou, mas não o suficiente

Resenha - California - Blink-182

Por Erick Silva
Fonte: Blog Punhado de Coisas
Postado em 27 de julho de 2016

Nota: 6

Podemos analisar esse novo lançamento do Blink-182 sob dois pontos de vista. Primeiro, podemos comparar ele com os trabalhos mais antigos do grupo, aqueles discos engraçadinhos, que tirando o fato de "zoarem" com o mundo pop, eram tão genéricos quanto o alvo de suas piadas, como "Enema of the State", e seu mega-hit "All the Small Things" (quem não lembra do clipe, que tirava o maior sarro das chamadas boy bands?). Ou seja, nessa época, a banda era engraçadinha, e só. O segundo ponto de vista para analisarmos este mais recente disco é o fato de que não demorou muito em o grupo, digamos, "amadurecer", fazendo um som mais sisudo e reflexivo. Exemplo disso foi o intitulado "Blink-182", lançado em 2003.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No fim, vamos perceber que em qualquer uma das duas análise, "California" se encaixa. Sétimo disco de estúdio do Blink, ele não é, necessariamente, um disco ruim, mas, parece ter "estagnado" no tal amadurecimento. Não fazem mais do que o feijão com arroz que já mostraram em outras ocasiões. E, olhem que o álbum até começa um pouco mais potente do que o pop pseudo-punk do grupo, normalmente, tende a mostrar, com a abertura "Cynical", rápida e empolgante, mostrando que, em termos instrumentais, o Blink melhorou bastante, ficando um pouco (mas, só um pouco) mais pesado. Chega (quase) a remeter alguns do melhores momentos do Bad Religion. Boa escolha para abrir esse trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, temos "Bored to Death", que já começa com esses versos: "Há um eco retirando o significado, Resgatando um pesadelo de um sonho, As vozes em minha cabeça estão sempre gritando, Que nada disso significa nada para mim". Ou seja, faz ligação direta com os sons mais melódicos da "fase madura" deles, mas, a música, em si, não é lá grande coisa, ficando, em geral, sem muita identidade. O mesmo vale para "She's Out Her Mind", com direito a coro emocore e tudo. Mais uma vez, é o instrumental que salva o dia aqui, principalmente, o baterista Travis Barker, que continua um "monstro".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de trazer um refrão propositalmente pop, a canção "Los Angeles" já traz uns elementos mais diferenciados, umas "viradas" no som, que deixa, ao menos, a música agradável. Só que aí chega "Sober", e a coisa não tem jeito: ela é excessivamente sem sal, sem carisma, sem instigação. Ao menos, é curta, assim como "Built this Pool", que em seus 16 segundos consegue ser até melhor que algumas das canções anteriores. "No Future" talvez seja uma das melhores do disco, lembrando um pouco Green Day, e com um som mais encorpado, pesado e interessante. Ponto pra eles por isso.

Só que a falta de substância impera nas três canções seguintes: a lenta "Home is Such a Lonely Place" e as pesadas "Kings of the Weekend" e "Teenage Satellites", que a despeito (mais uma vez) do ótimo instrumental, não têm pode de fogo pra ficar na memória algum tempo depois de escutá-las. "Left Alone" já traz algum diferencial, até mesmo um som mais cadenciado, que torna a audição mais prazerosa. Daí, temos aquela que, assim, como "No Future", é uma grande música no disco: "Habbit Hole", veloz e certeira, que, ao vivo, deve ficar melhor ainda. Só que aí estamos quase no final do álbum, e fica perceptível que pouca coisa realmente se salvou. Tanto é que "San Diego" é uma canção que remete aos momentos mais monótonos desse trabalho, totalmente dispensável..

Ao menos, a parte final do disco melhora (muito) as coisas. A rápida "The Only Thing That Matters" chega a ter influência (acreditem se quiserem!) do The Clash, e é ótima. A música que dá nome ao álbum, "California" é melódica, sim, mas, é melhor do que os "soníferos" anteriores que ouvimos ao longo desse trabalho. E, tudo se encerra com a "versão" de "Bohemian Rhapsody", e seus 30 segundos apenas, mas, que possui mais peso e garra do que 80% do disco todo. E, isso já diz muita coisa.

Sim, talvez esse seja o melhor trabalho do grupo, e sua curta duração não deixa nada ser muito traumático. Mesmo assim, o "melhor" que o Blink pode fazer ainda é algo que chega a ficar, pelo menos, na média. Para os fãs antigos, fica apenas a lembrança de uma banda limitada, mas, engraçada, e que agora, está ora pesada, ora melódica. A quem for se aventurar pelo som do grupo pela primeira vez através deste "California", talvez até goste, porém, existe coisa melhor feita nos dias de hoje em se tratando de rock (e, até os mais jovens sabem disso).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Link da matéria:
http://blogpunhadodecoisas.blogspot.com.br/2016/07/disco-mais-ou-menos-recomendavel.html

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Por pouco: 11 Rockstars que quase morreram

Punk: três exemplos de como tocar na batera também é difícil


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal