Sentapua: O peso que gostamos de escutar numa banda de rock

Resenha - Sentapua - Sentapua

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


No meio da significativa quantidade de bandas que surgiram na virada do século, na cidade de Manaus (Amazonas), várias chegaram a gravar seus discos. Dentre estas, a grande maioria findou-se, poucas continuaram seus legados e várias outras vieram posteriormente, obedecendo o ciclo natural das coisas. Em toda esta fauna, a Sentapua foi uma que lançou seu debut, terminou algum tempo depois, passou vários anos em inatividade e retornou aos palcos com nova formação, cerca de uns 3 anos atrás, mantendo até hoje a rotina de apresentações. Seu disco homônimo foi lançado no longínquo ano de 2004, mas demonstra um playlist atemporal e empolgante.

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposMastodon: Brent Hinds diz que "Dream Theater é uma banda Gay!"

O CD já abre com "Punhal", considerada por muitos, como a melhor faixa do disco. Influência direta do grunge, ótima letra e refrão marcante. A segunda é "Veludo". O dedilhado de abertura é só enganação pro peso que vem em seguida, promovido pela mudança de tom no vocal principal. Na terceira colocação está "Absinto" que acelera um pouco o ritmo nos estrofes. Seu final que poderia ser menos inesperado. Na quarta posição vem "Quinta Feira" que expõe a boa qualidade dos músicos, principalmente de seu baterista Lauro Henrique. Na sequência vem um blues (?). Sim, "No Lado Escuro da Nossa Lua" é um grande blues, que ganhou o carisma do público pelo seu refrão pegajoso. Vale lembrar que esta música também foi gravada pela banda "Tudo Pelos Ares", em seu disco de estreia (nomeado de "Senta a Pua"), por ser de composição do ótimo guitarrista vocalista Eduardo Molotievski.

Em sexto lugar "Quinze para Meia Noite" devolve o peso, desta vez explícito mais na letra da canção. A oitava é "O Frio" que tem destaque para os guitarristas Deco Vequione e Luigi Henrique, respectivamente base e solo (Luigi também é creditado como o contrabaixista). Em seguida "Máscara" dá uma apaziguada com uma introdução mais trabalhada, até a entrada do primeiro estrofe. Curiosamente o peso entra apenas nas partes cantadas. A próxima é "Fotossíntese" com uma pegada um tanto punk rock, e um ótimo refrão que também é bastante pegajoso. "Espelho" segue trazendo a mesma levada e nada muito diferencial do restante do disco. Pra fechar a bolacha "Paradoxo" tem sua cadência em guitarra acústica. A distorção entra apenas nos refrões, mas nada que comprometa as características indie, muito tonificadas pelos vocais de Wilson Lobão.

A ausência de um encarte mais elaborado, principalmente com as letras das músicas, é sentida. Hoje a Sentapua encontra-se apenas com Wilson de sua formação original, mas o trabalho produzido no primeiro CD é primoroso e prova toda capacidade de concentração em boas músicas com ótimas letras e o peso que gostamos de escutar numa banda de rock.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sentapua"


VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposVH1
100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos

Mastodon: Brent Hinds diz que Dream Theater é uma banda Gay!Mastodon
Brent Hinds diz que "Dream Theater é uma banda Gay!"

Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneBob Daisley
Baixista dá detalhes de sua briga com Osbourne

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalOzzy Osbourne: 25 coisas que você não sabe sobre eleKiss: Eddie Trunk compartilha as suas 20 faixas favoritas da bandaBeatles: irmã de George Harrison luta para sobreviver nos EUA

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adGooILQ