Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemRush: Geddy Lee comenta as dificuldades da gravação de "Hemispheres"

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe


Stamp

Torment The Skies: Death Metal trabalhado de forma técnica

Resenha - Born To Kill - Torment The Skies

Por Thalles Magno
Em 11/04/15

Nota: 8

Embora uma banda nova na cena underground (formada em 2012), o Torment The Skies não deixou de ensaiar e compor durante os anos. Buscou influência em bandas como Hate, Behemoth, Job For A Cowboy, Necrophagist e o resultado foi significativo, tanto para sua cidade que é Natal (RN), quanto para outros estados. Seu EP de estreia ''Born To Kill'' presenteou-nos com um Death Metal trabalhado de forma técnica e com uma pegada que nos lembra bandas europeias do gênero. Dessa forma, passaram a engatinhar para um futuro promissor.

Tendo como temática das suas letras assuntos como guerras e pecados, eles conseguiram transformar muito bem o ódio em forma de música. Podemos analisar que sua arte gráfica ficou encantadora, chamando atenção pela criatividade do artista que é nada menos que o próprio guitarrista, Paulo Dias.

Após a Intro "Displacement", é a vez de "Carnal", faixa que gera logo no primeiro momento, a percepção que o Torment The Skies está produzindo um Death Metal hostil, mas ao mesmo tempo preocupado em não tornar seu som homogêneo. Outro ponto positivo é o bom desempenho do baterista que não teme ao usar os blast beats e seus pedais com habilidade.

Logo em seguida surge ''Walls Of Blood'', apresentando um instrumental denso, dando destaque para o refrão bem elaborado, acompanhado de ótimas composições. Prosseguindo com o EP, é a vez da faixa que deu origem ao nome do mesmo e que por sinal é a melhor, ''Born To Kill''. Esta é uma música completa, apresenta peso, um toque de adrenalina, riffs executados de forma perfeita e uma excelente sonoridade para bater cabeça nos shows. No meio da música o astro da vez é o baixista Leo Paiva, que a divide para entrar no clímax na canção, enquanto o poderoso vocal do Jefson soa de forma destruidora.

O EP finaliza com ''Screams Of Fright'', com uma atmosfera técnica e que apresenta de forma consistente, uma boa atuação de todos os membros da banda que parecem estar em uma ótima sincronia uns com os outros, valendo de destaque os riffs criados pelos guitarristas e mais uma vez o refrão criativo.

Portanto, analisando de forma macroscópica o lançamento, ele evidenciou que o Torment The Skies está tendenciando para o lado certo, sabendo bem como elaborar um instrumental pesado, riffs esmagadores sendo marcados com maestria pelo seu baixista, tudo dialogando bem com o que o vocalista tenta expressar. Dessa forma, esse novo trabalho só veio a enriquecer ainda mais sua cidade, pela qualidade do material produzido, estando assim, prontos para detonar tudo em suas apresentações.

Track List:
01 - Displacement
02 - Carnal
03 - Walls Of Blood
04 - Born To Kill
05 - Screams Of Fright

Membros:
Vocal : Jefson Souza
Guitarra : Paulo Dias
Guitarra 2: Danilo Veloso
Baixo : Leo Paiva

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Thalles Magno

Tenho 19 anos, sou dono de dois Blogs relacionados ao Metal (Death e Thrash Metal / Conquerors Of Brazil). Sempre procuro estar informado sobre o que há de melhor na cena brasileira e colaboro como posso para que ela cresça ainda mais.

Mais matérias de Thalles Magno.