Balls: Um verdadeiro convite para festejar e descontrair

Resenha - Prazer Te Conhecer - Balls

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Pontes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Recheado de guitarras distorcidas, letras com certo teor de 'malícia' cantadas em português e uma ótima produção, "Prazer Te Conhecer", segundo disco da banda Balls, é um verdadeiro convite para festejar e descontrair, além de poder prestigiar e curtir uma excelente banda do cenário Rock and Roll nacional.

Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasSeparadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)


Durante a gravação do álbum, a banda era formada por Danilo Martire (Vocal), Fernando Gargantini (Guitarra), Pi Malandrino (Guitarra), Lauro Santhiago (Bateria) e Paulo Pascale (Baixo), este último substituído por Marcelo Chaves logo após as gravações. A Balls carrega diversas influencias, que ficam nítidas no som praticado pelos caras, do Blues ao Rock tradicional, passando pelo Southern rock.

O disco abre com "Na Estrada", com uma letra simples e eficiente, marcada pelos vocais afinadíssimos e com um timbre agradável de Danilo Martire. A dupla de guitarristas Fernando Gargantini e Pi Malandrino mostra entrosamento com timbres e solos envolventes. Boa abertura.

"No Lixo Há Luxo" da sequencia ao trabalho, mais descontraída e com uma letra 'grudenta', daquelas que ficam por horas em nossa mente.

A terceira faixa "Prazer Te Conhecer", já é mais voltada para o Blues, arrastada e com muito feeling, o destaque fica mais uma vez para a dupla de guitarristas.

A cozinha formada por Lauro Santhiago (Bateria) e Paulo Pascale (Baixo) é concisa, e com uma precisão acima da média ditam o ritmo de "A Primeira Vista", vale ressaltar o trabalho dos backing vocals, presentes em todo o disco. "Pneumonia" tem uma letra bem sacada, o destaque da música é o trabalho do baterista Lauro Santhiago, que de forma simples apresenta muita técnica.

"Doce Fantasia" lembra muito os trabalhos do Black Crowes, com uma das melhores introduções do disco, a música conta com o trabalho excepcional de Paulo Oliveira "Coruja", que participa tocando gaita. Durante o solos, as guitarras se intercalam com o som da gaita, sensacional. "Doce Fantasia" é a música que apresenta a melhor performance vocal de Danilo Martire, cantando de forma mais solta e empolgante.

Mais um músico convidado aparece no disco, agora na faixa "Olha Pra Mim", o tecladista Mateus Schanosky coloca um elemento que diversifica mais o álbum, destacando a harmonia da canção. "Raio e Tempestade" talvez seja a música menos marcante do disco, mas isso não tira seus méritos, com riffs muito bons, a música tem uma levada mais cadenciada.

"Casa Comigo", conta até com uma referencia ao 'Rei do Rock' em sua letra: "Vamos fazer da cama um altar, com Elvis pra nos abençoar. Você me entrega seu dote e a gente faz o que pode", acelerada e com uma pegada mais hard rock, uma boa canção.

O blues "Nossa História/Gran Finale" encerra o trabalho com letra curta e solos matadores, a música ganha velocidade e dinâmica com guitarras harmonizadas. Um final que deixa um gosto de 'quero mais'. Ponto positivo para a banda.

As influencias da Balls são diversas, como, Kiss, Aerosmith, AC/DC, Rolling Stones, Led Zeppelin, Lynyrd Skynyrd e na minha opinião, principalmente Black Crowes.

É muito bom poder ouvir uma banda nacional fazendo um som de qualidade e honesto. O rock no Brasil - cantado em português -, tem sim muitas bandas boas e a Balls com certeza é uma delas.

Track-list:

01. Na Estrada
02. No Lixo Há Luxo
03. Prazer Te Conhecer
04. A Primeira Vista
05. Pneumonia
06. Doce Fantasia
07. Olha Pra Mim
08. Raio e Tempestade
09. Casa Comigo
10. Nossa História/Gran Finale

Para conhecer melhor o trabalho da Balls, acesse:

https://www.facebook.com/Bandaballs
http://www.balls.com.br/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Balls"


Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasDepressão
10 músicas que devem ser evitadas

Separadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)Separadas no nascimento
Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)

Slash: Sweet Child é a coisa mais gay que alguém poderia comporSlash
"Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor

Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de ChampignonMetallica: Perguntas, respostas e curiosidades diversasRaul Seixas: Por trás da letra de "Carimbador Maluco"Megadeth & Slayer: King e Dave falam da simbiose entre as bandas

Sobre Paulo Pontes

Nascido em Valinhos, interior de São Paulo, é estudante de jornalismo e iniciou-se no universo do rock ouvindo Guns n' Roses. É fã de Led Zeppellin, Richie Kotzen e Edguy, mas adora o rock em todas as suas vertentes, do Classic Rock ao Black Metal. Depois de escutar o refrão de "Eagle Fly Free" pela primeira vez, passou a curtir muito Power Metal, e achou que jamais iria ouvir um refrão tão bom quanto aquele dentro de tal vertente, realmente estava certo, ainda não ouviu. Casado e pai de duas lindas meninas, também se diverte muito com bons filmes e livros.

Mais matérias de Paulo Pontes no Whiplash.Net.

adGooILQ