Matérias Mais Lidas

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemGene Simmons sobre o Ramones: "Punk nos EUA não significava nada"

imagem"Não venham aos shows do Pantera", pede Charlie Benante para os haters

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemBlaze Bayley diz que um dos menores shows da carreira do Maiden foi o seu melhor

imagemIggor Cavalera relembra quando Max foi para delegacia e delegado palmeirense o salvou

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemKiss: Fã de comédia romântica, Paul Stanley lista seus filmes preferidos

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte II

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem


Dream Theater 2022

Sebastian Bach: "Give 'em Hell" é disco de uma música só

Resenha - Give 'em Hell - Sebastian Bach

Por Rafael Tavares
Em 17/04/14

Nota: 5

Em 2014 Sebastian Bach lança seu quarto disco solo, "Give 'em Hell", que serve para mostrar que uniformidade não é o seu forte desde que saiu do Skid Row. O que não é necessariamente uma coisa ruim.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Desde que foi desligado de sua banda de maior sucesso, o nosso querido Tião participou de vários projetos, desde o confuso "The Last Hard Men" ao metal progressivo do Frameshift. Mas como artista solo ele nos brindou com "Bring 'em Bach Alive!" (1999), "Angel Down" (2007) e "Kicking and Screaming" (2011) e, definitivamente, não há como traçar paralelos entre esses trabalhos. Mas analisando por uma ótica otimista talvez deveríamos ser gratos por isso. O motivo é simples: "Give 'em Hell", apesar de mostrar bons momentos, soa forçado e pouco inspirado.

O disco conta com a participação de músicos como Duff McKagan (Guns N' Roses, Velvet Revolver, Loaded) no baixo, Devin Bronson (Avril Lavigne), John 5 (Rob Zombie) e Steve Stevens (Billy Idol) nas guitarras e Bobby Jarzombek (Halford, Fates Warning, Iced Earth) na bateria, além da produção de Bob Marlette e Tom Baker. Talvez o fato de não ter uma banda fixa lhe acompanhando seja motivo dessa falta de inspiração pois o disco, apesar dos bons momentos, não soa natural para quem acompanha a carreira de Bach e seus shows ao longo dos anos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

"Hell Inside My Head" abre os trabalhos com um riff seco, cortado e muito agressivo acompanhado de uma harmonia que deixa a música com um ar bem moderno mas com os gritos que os fãs de Sebastian conhecem desde os anos 80. "Harmony" segue lembrando um pouco algo que poderia ter sido escrito para o Stone Sour, além do fato de sua estrutura lembrar a faixa anterior: mesmo tipo de riff, mesmo tipo de progressão da ponte para os refrões, "mais calmos" e "melódicos". Essas características se repetem nas faixas "All My Friends Are Dead", "Temptation", "Taking Back Tomorrow" e praticamente todas as faixas mais pesadas do disco. A inspiração passou longe, aqui.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Como todo disco com a marca de Sebastian Bach precisamos de baladas. Ao contrário do que se espera, elas não lembram em nada as baladas grandiosas que o deixaram famoso, como "18 and Life", "I Remember You" ou "Wasted Time", mas felizmente não remetem às baladas vergonhosas de "Kicking and Screaming". "Push Away" segue uma batida cadenciada e arrastada que leva o vocalista a agudos consideráveis até chegar ao refrão, seguindo para algumas quebradas de tempo um tanto duvidosas. "Had Enough" é uma baladinha radiofônica demais se você pensar em rock moderno e tem um solo bem interessante. Mas é na acústica "Rock N Roll is a Vicious Game" que Sebastian acerta, pelo simples fato dela ser a única música em que ele ousou fazer algo diferente – mesmo que não tenha saído muito de sua zona de conforto. Existe algo na voz de Sebastian que combina muito com violões e gaitas. Vale a pena conferir essa música com carinho.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Destacam-se, também, "Dominator", "Gun to a Knife Fight" (melhor música do CD), "Disengaged" e "Forget You" por serem as únicas músicas pesadas onde Sebastian tentou ousar – não muito, é verdade – e fazer algo diferente do resto. Todos os clichês das outras músicas encontram-se nessas também (mesmo tipo de riff, mesmo tipo de progressão da ponte para os refrões, "mais calmos" e "melódicos"), mas com alguma coisinha que faz com que elas se destaquem um pouco mais, como as hamonias de voz e o solo em "Forget You" ou a gritaria insana de "Gun to a Knife Fight".

A sensação que fica ao final de "Give 'em Hell" é que não houve inspiração alguma durante a composição deste trabalho. Não há variações de estilo de riffs, solos, melodias, letras, timbres de guitarra/voz... O disco é uma grande maçaroca de sons parecidos, como se todas as músicas tivessem saído de uma só jam session. Não que as músicas sejam ruins, pois sozinhas funcionam bem e podem agradar, mas juntas não formam um álbum decente.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Respondendo à afirmação do começo da resenha, de que a falta de uniformidade nos discos solo do Sebastian Bach não é necessariamente uma coisa ruim: ainda bem que os discos não são todos iguais, pois quem sabe o próximo não soe NADA parecido com "Give 'em Hell". Sebastian precisa escrever e gravar um disco com uma boa banda que o acompanhe ao vivo, ao contrário de músicos contratados para o trabalho de estúdio, pois só assim haverá cumplicidade e entrosamento que fatalmente refletirão em um disco que soa espontâneo, como "Angel Down" por exemplo.

"Rock N' Roll é um jogo perverso", Sebastian. Lembre-se disso no próximo disco.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva


Outras resenhas de Give 'em Hell - Sebastian Bach

Resenha - Give 'em Hell - Sebastian Bach

Resenha - Give 'em Hell - Sebastian Bach

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guitarrista do Skid Row diz que não fala com Sebastian Bach e não pensa em fazer pazes

Dee Snider: vocalista diz que metal é um termo depreciativo; Sebastian Bach discorda

Skid Row/Sebastian Bach: "vamos retomar a hair band enquanto ainda temos cabelos"

Bon Jovi: Primórdios, New Jersey e as Tretas com Axl Rose e Sebastian Bach (vídeo)

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre

Mais matérias de Rafael Tavares.