RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Sebastian Bach: "Give 'em Hell" é disco de uma música só

Resenha - Give 'em Hell - Sebastian Bach

Por Rafael Tavares
Postado em 17 de abril de 2014

Nota: 5

Em 2014 Sebastian Bach lança seu quarto disco solo, "Give 'em Hell", que serve para mostrar que uniformidade não é o seu forte desde que saiu do Skid Row. O que não é necessariamente uma coisa ruim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Desde que foi desligado de sua banda de maior sucesso, o nosso querido Tião participou de vários projetos, desde o confuso "The Last Hard Men" ao metal progressivo do Frameshift. Mas como artista solo ele nos brindou com "Bring 'em Bach Alive!" (1999), "Angel Down" (2007) e "Kicking and Screaming" (2011) e, definitivamente, não há como traçar paralelos entre esses trabalhos. Mas analisando por uma ótica otimista talvez deveríamos ser gratos por isso. O motivo é simples: "Give 'em Hell", apesar de mostrar bons momentos, soa forçado e pouco inspirado.

O disco conta com a participação de músicos como Duff McKagan (Guns N' Roses, Velvet Revolver, Loaded) no baixo, Devin Bronson (Avril Lavigne), John 5 (Rob Zombie) e Steve Stevens (Billy Idol) nas guitarras e Bobby Jarzombek (Halford, Fates Warning, Iced Earth) na bateria, além da produção de Bob Marlette e Tom Baker. Talvez o fato de não ter uma banda fixa lhe acompanhando seja motivo dessa falta de inspiração pois o disco, apesar dos bons momentos, não soa natural para quem acompanha a carreira de Bach e seus shows ao longo dos anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

"Hell Inside My Head" abre os trabalhos com um riff seco, cortado e muito agressivo acompanhado de uma harmonia que deixa a música com um ar bem moderno mas com os gritos que os fãs de Sebastian conhecem desde os anos 80. "Harmony" segue lembrando um pouco algo que poderia ter sido escrito para o Stone Sour, além do fato de sua estrutura lembrar a faixa anterior: mesmo tipo de riff, mesmo tipo de progressão da ponte para os refrões, "mais calmos" e "melódicos". Essas características se repetem nas faixas "All My Friends Are Dead", "Temptation", "Taking Back Tomorrow" e praticamente todas as faixas mais pesadas do disco. A inspiração passou longe, aqui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Como todo disco com a marca de Sebastian Bach precisamos de baladas. Ao contrário do que se espera, elas não lembram em nada as baladas grandiosas que o deixaram famoso, como "18 and Life", "I Remember You" ou "Wasted Time", mas felizmente não remetem às baladas vergonhosas de "Kicking and Screaming". "Push Away" segue uma batida cadenciada e arrastada que leva o vocalista a agudos consideráveis até chegar ao refrão, seguindo para algumas quebradas de tempo um tanto duvidosas. "Had Enough" é uma baladinha radiofônica demais se você pensar em rock moderno e tem um solo bem interessante. Mas é na acústica "Rock N Roll is a Vicious Game" que Sebastian acerta, pelo simples fato dela ser a única música em que ele ousou fazer algo diferente – mesmo que não tenha saído muito de sua zona de conforto. Existe algo na voz de Sebastian que combina muito com violões e gaitas. Vale a pena conferir essa música com carinho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Destacam-se, também, "Dominator", "Gun to a Knife Fight" (melhor música do CD), "Disengaged" e "Forget You" por serem as únicas músicas pesadas onde Sebastian tentou ousar – não muito, é verdade – e fazer algo diferente do resto. Todos os clichês das outras músicas encontram-se nessas também (mesmo tipo de riff, mesmo tipo de progressão da ponte para os refrões, "mais calmos" e "melódicos"), mas com alguma coisinha que faz com que elas se destaquem um pouco mais, como as hamonias de voz e o solo em "Forget You" ou a gritaria insana de "Gun to a Knife Fight".

A sensação que fica ao final de "Give 'em Hell" é que não houve inspiração alguma durante a composição deste trabalho. Não há variações de estilo de riffs, solos, melodias, letras, timbres de guitarra/voz... O disco é uma grande maçaroca de sons parecidos, como se todas as músicas tivessem saído de uma só jam session. Não que as músicas sejam ruins, pois sozinhas funcionam bem e podem agradar, mas juntas não formam um álbum decente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Respondendo à afirmação do começo da resenha, de que a falta de uniformidade nos discos solo do Sebastian Bach não é necessariamente uma coisa ruim: ainda bem que os discos não são todos iguais, pois quem sabe o próximo não soe NADA parecido com "Give 'em Hell". Sebastian precisa escrever e gravar um disco com uma boa banda que o acompanhe ao vivo, ao contrário de músicos contratados para o trabalho de estúdio, pois só assim haverá cumplicidade e entrosamento que fatalmente refletirão em um disco que soa espontâneo, como "Angel Down" por exemplo.

"Rock N' Roll é um jogo perverso", Sebastian. Lembre-se disso no próximo disco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Outras resenhas de Give 'em Hell - Sebastian Bach

Sebastian Bach: Novo disco "Give 'Em Hell" é fraco e repetitivo

Sebastian Bach: Porque às vezes, velho, menos é mais

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D
Mais matérias de Rafael Tavares.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS