Venom: 30 anos lutando ao lado de Satan

Resenha - At War With Satan - Venom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diogo de França Santos, Fonte: Metal Hammer, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Hoje marca o trigésimo aniversário do lançamento de “At War With Satan”, terceiro e mais ousado álbum da banda VENOM. Um conceito desajeitado, mas feroz recontando a batalha apocalíptica entre Céu e o Inferno (e sim, isso é VENOM, então o Inferno vence no final), foi o álbum que consolidou o trio malevolente como uma das mais importantes e controversas bandas de metal que emergiram no começo dos anos 80.

11 acessosEm 15/01/1963: Nasce Cronos (Venom)5000 acessosThe Voice: candidato faz power metal cantado em português

O VENOM poderia se proclamar com justificativas a banda mais significante e influente do metal nos últimos 35 anos, com seu “desmantelo” e sede de sangue, ajudou a reconstruir um gênero inteiro onde seria difícil de imaginar aonde bandas como METALLICA e SLAYER teriam achado o seu ponte de partida. Muito foi dito sobre a aproximação caótica do VENOM de fazer música soando o mais pesado o possível, mas vale lembrar que “At War With Satan” ofereceu muito mais que 30 minutos de batidas, junto com barulhos vindos direto das entranhas de Satan.

Exclusivo da era NWOBHM, a música que deu nome ao álbum é um single de épico de 20 minutos, com a habilidade técnica da banda sendo explorada ao limite absoluto, equivalia a uma declaração inovadora e intencionalmente maliciosa. Vindo como um combo de jab-e-cruzado depois dos dois álbuns “Welcome To Hell” e “Black Metal”, certamente confundiu a cabeça de muitos fãs do VENOM na época e continua como um álbum que divide opiniões.

O fato que certamente liderou a ação de remover os álbuns das lojas, as obras satânicas das prateleiras, foi a preocupação do Reino Unido e suas embaraçosas leis obscenas que não acrescentam em nada. Esse álbum irritou as pessoas certas, enquanto sustentou a reputação dos criadores por levar a música pesada para um território mais obscuro e sujo onde ninguém tinha pensado na época.

A extensa canção título é obviamente a peça principal: suas frequentes transições de um riff agressivo para o próximo expõe a audácia da banda, dane-se, vamos fazer isso, esse abandono das regras garantem que, a não ser que você seja alérgico à crueldade e arrogância, “At War With Satan” é uma aventura de 20 minutos brilhante.

O resto do álbum é ótimo também – indo do metal furioso de “Rip Ride” e “Genocide” passando pelo motor thrash de “Women Leather And Hell” a confusão de “Aaaaaarrghh”, o VENOM vem intencionalmente testando a paciência dos fãs de metal com a preferência de serem mais “educados”, mas para o azar de Cristo eles fizeram um barulho emocionante e alegre. Lutando com Satan.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de At War With Satan - Venom

3723 acessosVenom: capítulo ousado da história do Black Metal


VenomVenom
Galeria de fotos da apresentação em São Paulo

11 acessosEm 15/01/1963: Nasce Cronos (Venom)1787 acessosHeavy Metal: em vídeo, dez grandes hinos sobre o gênero7 acessosEm 27/03/2006: Venom lança o álbum Metal Black10 acessosEm 16/04/1984: Venom lança o álbum At War With Satan0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Venom"

VenomVenom
A treta de Cronos com Henry Rollins

MegadethMegadeth
Fundindo a arrogância de Mustaine em Vic Rattlehead

Sexo é ProibidoSexo é Proibido
Capas censuradas por conteúdo erótico

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Venom"


The VoiceThe Voice
Candidato faz power metal cantado em português

RamonesRamones
Perguntas e respostas e curiosidades

VocalistasVocalistas
Cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy Metal

5000 acessos"Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilam5000 acessosSexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexual5000 acessosRob Halford: Uma resposta educada a comentários de Dickinson5000 acessosMetallica: Lars embebedou Robert Trujillo na audição para a banda5000 acessosHistória do Rock2665 acessosBrega e Metal: o que os dois estilos teriam em comum?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 16 de abril de 2014


Sobre Diogo de França Santos

Diogo Santos, 21 anos, estudante de Marketing, paulistano, apaixonado por música, amante do heavy metal e suas vertentes, guitarrista quando lhe convém, frequentador de shows. Thrash metal é vida, ou morte, dependendo da sua visão. "You can't kill the metal, the metal will live on".

Mais matérias de Diogo de França Santos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online