Resenha - Dangerously Close - Bloodgood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Hananias Souza Santana
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois de 12 anos de hiato, um dos ícones do metal cristão, o BLOODGOOD, retornou as atividades em 2006 e desde então fez alguns shows, mas ainda nada de material inédito. Finalmente em 2013 a espera dos fãs terminou, pois em 29 de novembro desse ano foi lançado "Dangerously close", novo disco do grupo, contendo 12 faixas inéditas.

Stryper: veja repertório de apresentação da banda na ArgentinaOito razões pra dormir com um baterista

Atualmente a banda conta com Les Carlsen na voz, Michael Bloodgood no baixo, Kevin Whisler na bateria, Paul Jackson na guitarra e desde o retorno em 2006 a banda também conta com a presença ilustre de Oz Foz (STRYPER) na guitarra. O BLOODGOOD foi uma das bandas pioneiras no metal cristão, a qualidade de sua música e a força das apresentações ao vivo fez dessa banda uma referência no cenário. Dessa forma um novo álbum depois de tanto tempo, cria uma grande responsabilidade para os caras, pois eles não poderiam fazer um disco "meia boca" e manchar o legado que tinham construído.

Felizmente, "Dangerously close" é um bom álbum. Desde a primeira faixa, "Lamb of God", que foi escolhida pra ter um clipe, se percebe mais ou menos como vai ser o álbum, um pouco diferente dos álbuns anteriores, uma sonoridade mais moderna, mas sem fugir do heavy metal. A produção do disco me agradou, gostei de como todos os instrumentos soaram, os músicos como um todo fizeram um bom trabalho, não notei um destaque individual. O grupo está de parabéns pelos arranjos, muito bem feitos. Les Carlsen continua sendo um bom vocalista, foi bem no disco. Um detalhe é que nas baladas principalmente, seu timbre lembrou muito o de John Schlitt, do PETRA, na verdade as baladas desse álbum lembram o PETRA, que é uma ótima banda, mas se eu estou ouvindo o BLOODGOOD não quero que pareça outra banda, até porque a eles sempre tiveram personalidade. As baladas do disco não me agradaram muito, e outra coisa que não gostei foi a falta de músicas mais rápidas, senti muito a falta de músicas velozes e furiosas como "Out of the Darkness", "Anguish and Pain" e "Crucify", por exemplo.

É sempre bom ver grandes bandas das antigas na ativa e lançando bons discos. "Dangerously close" não é tão bom como os clássicos dos anos 80 do BLOODGOOD, mas tem várias faixas interessantes, ótimos arranjos, um bom trabalho de harmonia vocal e foi bem produzido. Espero que novos álbuns sejam lançados por eles, vida longa ao BLOODGOOD!

Destaques: "Child on Earth", "Pray" e "Man in the Middle".

Tracklist:
1. Lamb of God
2. Run Away
3. Child on Earth
4. I Will
5. Bread Alone
6. Pray
7. I Can Hold On
8. Run the Race
9. Father Father
10. Man in the Middle
11. Crush Me
12. In the Trenches


Outras resenhas de Dangerously Close - Bloodgood

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blood Good"Todas as matérias sobre "Stryper"


Stryper: veja repertório de apresentação da banda na Argentina

Tourniquet: banda cancela turnê que faria com Stryper e Narnia pelo BrasilTourniquet
Banda cancela turnê que faria com Stryper e Narnia pelo Brasil

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Stryper: guitarrista Oz Fox revela que seu tumor cresceuStryper
Guitarrista Oz Fox revela que seu tumor cresceu

Stryper: em 1988, menos peso e mais melodia

Stryper: O Judas Priest mudou minha vida musicalmente, afirma Michael SweetStryper
"O Judas Priest mudou minha vida musicalmente", afirma Michael Sweet

Stryper: venda de Meet and Greet para turnê no Brasil

Stryper: como uma banda cristã faz cover do Black Sabbath?Stryper
Como uma banda cristã faz cover do Black Sabbath?

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o NoisecreepVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Top 5: discos solo que foram lançados sob o nome de bandasTop 5
Discos solo que foram lançados sob o nome de bandas


Oito razões pra dormir com um bateristaOito razões pra dormir com um baterista
Oito razões pra dormir com um baterista

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra

Tirando a poeira do tímpano: 20 novas bandas de rock pra curtirTirando a poeira do tímpano
20 novas bandas de rock pra curtir

Ultimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaLed Zeppelin: a origem do anjo símbolo da bandaIron Maiden: set-lists de todas as turnês até 2012Led, Purple e Sabbath: quem influenciou a trindade do Rock?

Sobre Hananias Souza Santana

Hananias Souza Santana, nascido em 1990, estudante de administração na Universidade do Estado da Bahia, guitarrista, por ser negro, morar na periferia de Salvador e ser cristão batista, tinha tudo para curtir rap, pagode ou gospel, mas como o amor a música foge a rótulos, se tornou headbanger desde a adolescência. Os estilos de sua preferência são o Hard Rock e Heavy Metal anos 70 e 80, mas ouve um pouco de tudo dentro do rock and roll.

Mais matérias de Hananias Souza Santana no Whiplash.Net.

adGooILQ