RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show


Resenha - Dangerously Close - Bloodgood

Por Hananias Souza Santana
Postado em 13 de março de 2014

Nota: 8

Depois de 12 anos de hiato, um dos ícones do metal cristão, o BLOODGOOD, retornou as atividades em 2006 e desde então fez alguns shows, mas ainda nada de material inédito. Finalmente em 2013 a espera dos fãs terminou, pois em 29 de novembro desse ano foi lançado "Dangerously close", novo disco do grupo, contendo 12 faixas inéditas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Atualmente a banda conta com Les Carlsen na voz, Michael Bloodgood no baixo, Kevin Whisler na bateria, Paul Jackson na guitarra e desde o retorno em 2006 a banda também conta com a presença ilustre de Oz Foz (STRYPER) na guitarra. O BLOODGOOD foi uma das bandas pioneiras no metal cristão, a qualidade de sua música e a força das apresentações ao vivo fez dessa banda uma referência no cenário. Dessa forma um novo álbum depois de tanto tempo, cria uma grande responsabilidade para os caras, pois eles não poderiam fazer um disco "meia boca" e manchar o legado que tinham construído.

Felizmente, "Dangerously close" é um bom álbum. Desde a primeira faixa, "Lamb of God", que foi escolhida pra ter um clipe, se percebe mais ou menos como vai ser o álbum, um pouco diferente dos álbuns anteriores, uma sonoridade mais moderna, mas sem fugir do heavy metal. A produção do disco me agradou, gostei de como todos os instrumentos soaram, os músicos como um todo fizeram um bom trabalho, não notei um destaque individual. O grupo está de parabéns pelos arranjos, muito bem feitos. Les Carlsen continua sendo um bom vocalista, foi bem no disco. Um detalhe é que nas baladas principalmente, seu timbre lembrou muito o de John Schlitt, do PETRA, na verdade as baladas desse álbum lembram o PETRA, que é uma ótima banda, mas se eu estou ouvindo o BLOODGOOD não quero que pareça outra banda, até porque a eles sempre tiveram personalidade. As baladas do disco não me agradaram muito, e outra coisa que não gostei foi a falta de músicas mais rápidas, senti muito a falta de músicas velozes e furiosas como "Out of the Darkness", "Anguish and Pain" e "Crucify", por exemplo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É sempre bom ver grandes bandas das antigas na ativa e lançando bons discos. "Dangerously close" não é tão bom como os clássicos dos anos 80 do BLOODGOOD, mas tem várias faixas interessantes, ótimos arranjos, um bom trabalho de harmonia vocal e foi bem produzido. Espero que novos álbuns sejam lançados por eles, vida longa ao BLOODGOOD!

Destaques: "Child on Earth", "Pray" e "Man in the Middle".

Tracklist:
1. Lamb of God
2. Run Away
3. Child on Earth
4. I Will
5. Bread Alone
6. Pray
7. I Can Hold On
8. Run the Race
9. Father Father
10. Man in the Middle
11. Crush Me
12. In the Trenches

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Dangerously Close - Bloodgood

Resenha - Dangerously Close - Bloodgood

Resenha - Dangerously Close - Bloodgood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Hananias Souza Santana

Hananias Souza Santana, nascido em 1990, estudante de administração na Universidade do Estado da Bahia, guitarrista, por ser negro, morar na periferia de Salvador e ser cristão batista, tinha tudo para curtir rap, pagode ou gospel, mas como o amor a música foge a rótulos, se tornou headbanger desde a adolescência. Os estilos de sua preferência são o Hard Rock e Heavy Metal anos 70 e 80, mas ouve um pouco de tudo dentro do rock and roll.
Mais matérias de Hananias Souza Santana.