Carcass: Último álbum explodiu cabeças e membros

Resenha - Surgical Steel - Carcass

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Both
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após uma longa espera, CARCASS não decepcionou. Surgical Steel é tudo que se pode querer de um álbum de Death Metal: do tema à execução, uma obra prima do som pesado. Mescla o som clássico da banda que deu origem ao seu séquito de fãs e agrega o melhor dos seus trabalhos mais modernos. Não é por menos que foi considerado um dos melhores lançamentos de 2013.

Carcass: Perversidade e um tipo de beleza desfiguradaPlanet Rock: as maiores vozes da história do rock

Os ingleses da CARCASS são uma banda histórica. Formada em meados dos anos '80, deu luz ao seu debut Reek of Putrefation em 1988 (Earache Records), dentro da formula mais simples do Death/Grindcore: músicas curtas, vocais monstruosos, som pesado e temática brutal. O nome das faixas já é um choque - Genital Grinder, Carbonized Eye Socket, Malignant Defecation e por aí afora -, e o som foi mais impactante ainda, colocando os caras no panteão da música desumana como um exemplo de gênero extremo, ladeados por figuras como NAPALM DEATH e CANNIBAL CORPSE.

Entre sua estréia e o ano de 1996, os caras lançaram outros quatro álbuns de estúdio, todos de grande qualidade. Solidificaram uma base de fãs fervorosos. Mas analisando com cuidado, vemos algo curioso: o som deles sofreu mudanças drásticas com o tempo. Symphonies of Sickness (1989, Earache Records) e Necroticism - Descanting the Insalubrious (1991, Earache Records) dão continuidade ao seu estilo, mas mudam a distribuição de tempo e desenvolvimento musical das faixas. Há mais espaço para proezas instrumentais, e os grunhidos disformes da linha de vocal dão espaço a palavras quase inteligíveis, sem trair o estilo ao qual a banda apadrinhava.

A grande virada veio, sem dúvida, com Heartwork (1993, Earache Records). A mudança de estilo foi considerável: músicas agora eram peças completas, desenvolvidas e muito afastadas de seus primeiros trabalhos. Instrumentalmente, o grupo estava em seu ápice - Michael Amott (em sua última participação oficial com a banda; Arch Enemy, Spiritual Beggars) e Bill Steer destroem com suas linhas de guitarra, e os vocais de Jeff Walker entram em sua melhor etapa. Três anos depois, Swansong (1996, Earache Records) deu continuidade ao estilo que foi chamado por alguns de Death'n'Roll. Mais fraco que Hartwork, ainda assim o CD angariou bons comentários.

E então, silêncio na sala de operações. A banda apareceu em shows, compilações foram lançadas, havia movimento, mas o hiato oficial continuava. E se manteve por 17 anos. Isso mesmo, foram DEZESSETE ANOS até o glorioso retorno do quarteto à corrente sanguínea da cena metal, e não poderia ter ocorrido de forma melhor.

A line up sofreu pouca modificação: Jeff Walker nos vocais e baixo, Bill Steer na guitarra, e a adição de Dan Wilding na bateria (Ben Ash assumiu as guitarras após a gravação do álbum). O estilo, no entanto, é Carcass do início ao fim.

A personalidade de Surgical Steel é a mesma iniciada em Heartwork - músicas bem trabalhadas, instrumental desenvolvido e vocal forte. O estilo Death'n'Roll adquirido em seus últimos trabalhos é o mais presente, mas há uma brutalidade bem distribuída no release inteiro. Uma volta gloriosa, com elementos fortes de seu início de carreira - um espírito nostálgico - mesclados a forma mais madura da banda não formam um monstro disforme, mas sim um transplante das melhores partes para um corpo só.

"1985", faixa instrumental, é a intro calma que não se espera de um disco da Carcass, mas apresenta a distorção das guitarras que destruirá os ouvidos em "Thrasher's Abbatoir" - um ataque cirúrgico, curto e preciso. "Cadaver Pouch Conveyor System" é a primeira faixa completa e mostra o cuidado extremo com a produção. "A Congealed Clot of Blood" é lenta e maligna, um monstro se erguendo assustadoramente; encontra continuidade em "The Master Butcher's Apron", de bateria forte e ritmo implacável.

"Noncompliance to ASTM F899-12 Standard" é uma escolha interessante de nome - o Padrão ASTM F899-12 é uma norma (no estilo ABNT) para instrumentos de aço forjado utilizados em procedimentos cirúrgicos, relação óbvia com o nome do álbum. Relação também presente na convoluta faixa "316L Grade Surgical Steel": 316L é um dos padrões de manufatura de aço cirúrgico (especificamente, de acordo com o padrão ASTM F128). Além disso tudo, "Unfit for Human Consumption" recebeu uma clipe extremamente maneiro, que demonstra bem o tema:

"Captive Bolt Pistol" foi a primeira música a ter teaser, lyric video e lançamento oficial em antecipação ao disco. Considerada carro chefe da campanha publicitária de retorno da banda, é energética e uma grande síntese do trabalho dos caras. Em seguida, "Mount of Execution" fecha o álbum de forma épica: início acústico, seguido de uma melodia harmoniosa (para os padrões de CARCASS) e ritmo crescente, que finaliza em solos fodas. São mais de oito minutos suturando esta operação grandiosa que foi Surgical Steel.

O balanço do álbum não é apenas positivo - é simplesmente tudo aquilo que os fãs de longa data poderiam esperar, e mais um pouco. A mescla do som clássico da banda em seu auge, aliado a uma produção cuidadosa e excelência musical, presenteiam até mesmo quem nunca ouviu a banda com um trabalho digno dos anais do metal extremo. Um dos melhores álbuns de 2013, e certamente será lembrado por longos anos. Que venham outros trabalhos, e que demorem menos no futuro - não é bom deixar os pacientes esperando!

Nota: 9 de 10 extremidades mutiladas.

Tracklist:
01. 1985 - 01:15
02. Thrasher's Abattoir - 01:50
03. Cadaver Pouch Conveyor System - 04:02
04. A Congealed Clot of Blood - 04:14
05. The Master Butcher's Apron - 04:01
06. Noncompliance to ASTM F899-12 Standard - 06:07
07. The Granulating Dark Satanic Mills - 04:10
08. Unfit for Human Consumption - 04:25
09. 316L Grade Surgical Steel - 05:20
10. Captive Bolt Pistol - 03:17
11. Mount of Execution - 08:25

Bônus tracks:
12. Intensive Battery Broodin - 4:43

Veja mais em MOSHPIT (www.moshpit.in)


Outras resenhas de Surgical Steel - Carcass

nullnullnullnull



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Carcass"


Carcass: Perversidade e um tipo de beleza desfiguradaCanal Barbônico: a história dos quatro garotos de Liverpool

Carcass: todo baixista é apenas um guitarrista fracassadoCarcass
Todo baixista é apenas um guitarrista fracassado

Metal Rules: Site lista os 5 melhores álbuns de reestréiaMetal Rules
Site lista os 5 melhores álbuns de reestréia

Liberation Fest: tudo sobre o festival que será realizado em SPLiberation Fest
Tudo sobre o festival que será realizado em SP


Planet Rock: as maiores vozes da história do rockPlanet Rock
As maiores vozes da história do rock

Homossexualidade: 5 nomes da cena rock/metal que assumiramHomossexualidade
5 nomes da cena rock/metal que assumiram

Bruce Dickinson: deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldiaBruce Dickinson
Deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldia

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosGibson: os 10 maiores bateristas de todos os temposAC/DC: as músicas do "Back in Black", da pior para a melhorJon Bon Jovi: as mudanças no rosto dele de 1983 a 2019 (vídeo)

Sobre Daniel Both

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.