Motörhead: a banda ainda soa relevante e interessante

Resenha - Aftershock - Motörhead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Chega a ser triste escrever estas linhas justamente no momento em que pipocam notícias a respeito do estado de saúde debilitado do lendário Lemmy Kilmister, uma das mais icônicas figuras do rock pesado em todo o mundo, herói de legiões de bangers devotados. Mas é impossível deixar de falar de "Aftershock", o 21º álbum de estúdio do Motörhead e que traz a banda fazendo o que sabe fazer de melhor, afiadíssima, em forma, poderosa como sempre.

1120 acessosScorpions: veja a homenagem que tem sido feita a Lemmy nos shows5000 acessosBon Jovi: A coleção do paulista Flávio Celestino

Você pode até dizer que o trio está fazendo rigorosamente o mesmo tipo de música que há, sei lá, 30 anos. Pode ser, arrisco dizer, que você esteja certo. Mas, no caso deles, não chega a ser demérito algum. Se "Aftershock" não é o Motörhead inovando, pelo menos é o Motörhead se renovando - o que é muito difícil de ver acontecer com determinadas bandas veteranas. É uma banda que se mostra ainda relevante o bastante para ter tesão em fazer (e tocar) músicas inéditas, anos após ano.

O disco abre com "Heartbreaker" e fecha com "Paralyzed", dois exemplares típicos do bom e velho Motörhead: faixas do tipo cacetada, sujas, pesadas, aceleradas, nervosas, metal transbordando atitude e urgência herdadas do punk. Só isso (aliado ao baixo certeiro de "Queen of the Damned", uma espécie de herdeira direta de "Ace of Spades") já seria o suficiente para definir "Aftershock" - mas o legal é que tem um temperinho ainda mais ardido neste jantar. "Dust and Glass" e "Lost Woman Blues" são dois momentos mais melódicos, mais blues, explorando um Lemmy diferente – mas igualmente sacana, leia-se.

Sacana também é a guitarrinha que Campbell desfila ao longo de "Silence When You Speak to Me", um pouco mais encorpada e grooveada. Já "Crying Shame" e "Do You Believe?" têm um sabor de rock clássico salpicado nas cordas do guitarrista, estilo anos 50, do tipo que dá até para arriscar – pasme! - uns passinhos de dança pra acompanhar. E eu desafio você a resistir ao charme da deliciosa "Keep Your Powder Dry", que é um combo ideal para bater cabeça e mexer os quadris.

Tudo isso, insisto, em um único disco do Motörhead, que dura inacreditavelmente menos de uma hora de audição contínua. Pense nisso.

Quando a gente ouve um disco como "Aftershock", ficamos secretamente rezando aos nossos deuses (sejam eles quem quer que sejam) para que um sujeito como Lemmy seja, de fato, tão imortal quanto sempre pensamos que ele fosse. Sabemos que anos de repetidos copos de Jack Daniel's e infindáveis maços de cigarros iriam cobrar tributo em algum momento. Mas não precisa ser agora. Porque o cara vai fazer uma falta e tanto. E não por uma espécie de saudosismo barato. Mas porque ele continua ativo, produzindo e entregando música boa. A gente merece. E ele também.

Line-up:
Lemmy Kilmister – Vocal/Baixo
Phil Campbell – Guitarra
Mikkey Dee – Bateria

Tracklist:
01. Heartbreaker
02. Coup de Grace
03. Lost Woman Blues
04. End of Time
05. Do You Believe?
06. Death Machine
07. Dust and Glass
08. Going to Mexico
09. Silence When You Speak to Me
10. Crying Shame
11. Queen of the Damned
12. Knife
13. Keep Your Powder Dry
14. Paralyzed

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 19 de fevereiro de 2014
Post de 20 de fevereiro de 2014

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Lemmy escreveu músicas famosas de sua carreira solo

1120 acessosScorpions: veja a homenagem que tem sido feita a Lemmy nos shows2275 acessosMikkey Dee: Obras de arte feitas a partir do movimento das baquetas1118 acessosLemmy: Dave Grohl não acreditou que ele tinha um coração0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Lemmy não era apenas meu amigo, ele era amigo de todo mundo"

EuropeEurope
Toco de Lemmy, pito de Freddie, mijada com Axl Rose

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
Chorando, Dave Grohl se despede do grande amigo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Collectors RoomCollectors Room
Centenas de ítens do Bon Jovi na coleção de um paulistano

Luís Mariutti para Nando MouraLuís Mariutti para Nando Moura
"Estádio não se lota com views ou likes"

LoudwireLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana

5000 acessosCourtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundo5000 acessosAstros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?5000 acessosTemperatura Máxima: as atrizes pornôs que incendiaram o cenário Rock5000 acessosEduarda Henklein: brasileira de 7 anos toca System of a Down na TV mexicana5000 acessosBruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden5000 acessosNirvana: "O show no Brasil foi uma merda, e a culpa é minha"

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online