Matérias Mais Lidas

imagemPor motivo de saúde, Tracii Guns faz show inteiro do L.A.Guns dentro do banheiro

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemComo o clássico "Angel Dust" fez o guitarrista Jim Martin sair do Faith No More

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemWhitesnake cancela show, perfil atribuído a Tommy Aldridge nega que ele esteja doente

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemMetallica: a explicação da banda para o volume do baixo no And Justice For All

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"

imagemVídeo mostra o Guns N' Roses novamente tocando "Back in Black" do AC/DC

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado


In-Edit

Lingua Mortis Orchestra: Parece - e é - um disco do Rage

Resenha - LMO - Lingua Mortis Orchestra/Rage

Por Luis Fernando Ribeiro
Em 17/08/13

A primeira pergunta que me vêm à mente ao terminar a audição de "LMO" é: Este é realmente um disco da LINGUA MORTIS ORCHESTRA, é um disco do RAGE ou é as duas coisas ao mesmo tempo?

O disco é, na verdade, o 'debut' da LINGUA MORTIS ORCHESTRA, mas não deixa de ser o 22º disco de estúdio do RAGE. Isso mesmo! 22º. Peavy e seus companheiros são realmente incansáveis, mas nem por isso lançam álbuns ‘meia-boca’. Todos os lançamentos da banda são acima da média.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Desde que começou apostar na inclusão definitiva de orquestrações em sua música, com o lançamento do disco "Lingua Mortis", em 1996 - que já trazia a "Medley" de 15 minutos de arranjos e riffs marcantes em conjunto com a orquestra, que é a música mais expressiva dessa nova empreitada da banda - os alemães do RAGE formaram uma nova identidade musical, à qual carregam até os dias de hoje. É praticamente impossível não ver uma clara relação entre discos como "Carved in Stone" e "Strings to a Web", por exemplo. A proposta musical do RAGE tem funcionado muito bem e se em time que está ganhando não se mexe, é assim que o RAGE continua trabalhando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É praticamente impossível dizer se o destaque do disco fica por conta das orquestrações extremamente bem elaboradas, do peso da música do RAGE, ou na variação de vozes de Peavy, acompanhado das incríveis vocalistas Jeannette Marchewka e Dana Harnge, da LINGUA MORTIS ORCHESTRA. Mas é obrigatório que seja falado sobre o incrível guitarrista Victor Smolski, principal compositor desta magnifica obra e que vem se tornando um dos principais músicos do cenário Heavy Metal mundial.

Também é imprescindível citar a belíssima arte da capa do disco e seu conceito, todo escrito por Peavy, baseado na queima das bruxas, na cidade alemã de Gelnhausen, em 1599.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Musicalmente, como já foi falado, "LMO" não possui muitas diferenças em relação aos últimos lançamentos do RAGE, porém, é mais polido e elaborado. A gravação é impecável, deixando todos os instrumentos bem audíveis e o entrosamento da banda com a orquestra é monstruoso.

A primeira faixa, independente de ser a mais longa, é a primeira música de trabalho deste lançamento. "Cleansed by Fire" é um épico dividido em três partes, "Convert the Pagans, Pt. 1", "The Inquisition (Instrumental)" e "Convert the Pagans, Pt. 2". Após uma longa introdução com citações em latim, a banda entra com tudo acompanhada de passagens orquestradas de extremo bom gosto. Quando Peavy começa a cantar, é quase impossível não se arrepiar. Muitos podem não gostar de seu estilo, mas é inegável que seu vocal é único e poderoso. Neste disco ele é acompanhado pelas vozes marcantes de Jeannette Marchewka e Dana Harnge, que o escoltam sem nenhuma dificuldade. Como já é de costume no RAGE, o refrão fica na cabeça de primeira, lembrando facilmente músicas como "Empty Hollow" ou "Carved in Stone". Esta faixa foi escolhida como primeiro single, pois da espaço à todos os instrumentos, mostrando a qualidade e talento de todos os músicos, individual e coletivamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Já nesta primeira música é possível perceber o primor com que este disco foi gravado e produzido. O som é límpido, sem deixar o peso de lado. Nenhum instrumento se destaca mais que o outro e tudo se encaixa perfeitamente.

O peso toma conta em "Scapegoat", com riffs de Victor Smolski e os bumbos duplos de André Hilgers. As variações vocais de Peter "Peavy" Wagner são tão claras que me peguei pesquisando alguma participação especial nesta faixa, ou você já imaginou que o ouvira cantando gutural? Do meio em diante o destaque fica por conta das variações da bateria.

"The Devil’s Bride" começa com alguns efeitos criados por sintetizadores, seguido por uma bela passagem de teclados. Os riffs novamente impressionam. Quem começa cantando dessa vez é Jeannette Marchewka, que não aposta em vocais típicos de bandas com mulheres no microfone. O refrão é disparadamente o melhor do disco e os solos de teclado e guitarra são emocionantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes de continuar, dou-lhe uma dica leitor: Pegue os fones de ouvido, apague as luzes e desfrute de todo o charme de "Lament", que como o próprio nome sugere, é um lamento emocionante e épico. Esta balada dá ênfase as belas interpretações de Peavy, Jeannette e Dana. As melodias criadas por Smolski tanto no teclado quanto na guitarra, além do belo solo, apenas confirmam tudo que já foi dito sobre este incrível compositor.

Carregada de melancolia, "Oremus" serve como uma introdução para a pesadíssima "Witches Judge". Já de cara somos surpreendidos pelos bumbos velosíssimos André Hilgers. A música mantém o alto nível do disco bem como todas as características das faixas anteriores, sem soar repetitivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco se encaminha para o final com a carregada "Eye For An Eye", onde os destaques são as orquestrações, o refrão emotivo e os arranjos de teclado. Ela oscila entre momentos mais calmos e melodiosos e outros mais pesados e intrincados, com solos acelerados.

"Straight to Hell" começa com um interessante riff, acompanhado logo em seguida pela orquestra e depois pelo resto da banda. Este mesmo riff acompanha todo o desenrolar da música.

O disco é encerrado com a emocionante "One More Time" e quando ela começa você já estará com vontade de colocar o disco pra tocar de novo. Esta música literalmente fecha o disco com chave de ouro, sendo uma das melhores de todo o álbum. Os riffs estão entre os mais pesados do disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este é definitivamente um dos grandes lançamentos de 2013 e não passará despercebido entre os fãs de Heavy Metal em geral. Uma descrição para este álbum? Épico. Esperamos que esses alemães não parem tão cedo de lançar discos nesse nível, os privilegiados somos nós, os fãs.

Lingua Mortis Orchestra feat Rage- LMO (2013 – Nuclear Blast)

Track List:
1 - "Cleansed by Fire"
2 - "Scapegoat"
3 - "The Devil's Bride"
4 - "Lament"
5 - "Oremus"
6 - "Witches' Judge"
7 - "Eye for an Eye"
8 - "Afterglow"
9 - "Straight to Hell"
10 - "One More Time"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Luis Fernando Ribeiro

Apaixonado por música, cinema, escrita, literatura e pela zoeira infinita. Inserido no mundo da música pesada em 2004 com Destruction, Metallica e Blind Guardian, quando ainda se compartilhava música através de fitas K7.

Mais matérias de Luis Fernando Ribeiro.