Ayin: pouca estrada jamais será sinônimo de qualidade a menos

Resenha - Ordo Ab Chao - Ayin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se a Polônia está para a Europa quando o assunto é technical death metal, então o Brasil é o equivalente na América Latina, pois nos últimos tempos alguns nomes brotam do underground cheios de histórias para contar e música de altíssimo nível no gatilho. Um exemplo perfeito chegou às minhas mãos há alguns dias. Grata surpresa ao abrir o pacote e deparar-me com o "Ordo Ab Chao", do AYIN.

Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com Osbourne

O embrião data de março de 2010, mas só de passar "por cima" nas nove faixas que compõem a bolachinha e pensamos estar diante de um grupo veterano. Por essas e outras sempre afirmo que pouca estrada jamais será sinônimo de qualidade a menos, muito pelo contrário se pensarmos em quão ávidos por mostrar serviço estão os recém chegados. Quer dizer, o trio formado hoje por Abner Ramires (guitarras e voz), Rafael Fernandes (baixo) e Gil Oliveira (bateria) possui boa bagagem, que isso fique claro, mas refiro-me a eles sob a alcunha Ayin.

Pois bem, "Order Through Chaos", como seria o título traduzindo do latin para o inglês, inicia com a faixa que batiza o álbum, uma pancadaria deliciosa repleta de riffs insanos. A bateria está perfeitamente timbrada e executada, mérito de Leonardo Treuherz, responsável pelas baquetas à época da gravação no Estúdio 45. A mixagem e masterização, a cargo de Antônio Araújo e Heros Trench (Nota do redator: ambos guitarristas da banda Korzus) foram realizadas no conceituado Mr. Som Studio, fator que certamente garantiu a estupenda qualidade aqui apresentada.

"Tent Ov Contradicitons" consegue ser ainda melhor que sua antecessora, uma mistura de Origin com algo de Cannibal Corpse se pensarmos ali no sobrenatural guitarrista Pat O'Brien em especial. Assim como ela, "Atlantida" não dá descanso ao ouvinte e enche os alto-falantes com uma rifferama de respeito. As linhas vocais são outro show a parte. Este rapaz, Abner Ramires, merece os meus aplausos por conseguir fazer o que faz nas seis cordas e ainda vociferar assim. Guardem este nome.

As duas seguintes são viciantes. "Thelema", por exemplo, conecta o Ayin ao death metal sueco de bandas como Entombed, Unleashed e Grave em especial, mas com a adição de uma velocidade extra. Esta talvez seja a minha favorita no momento, na cola com "Chaosystem", uma pequena preciosidade com quase quatro minutos de duração. A paradinha para o baixo no começo gera um mistério acerca do que vem a seguir em termos de bateria, se blasting beats ou se na levada da faixa anterior a ela. E não é que me vem ambas? O trecho que antecede o solo de guitarra é outro ponto alto na canção. Se você nunca ouviu o Ayin recomendo que inicie por "Chaosystem".

"Bigotry" já era uma velha conhecida minha desde os tempos dos "studio reports" liberados pela banda quando estava em estúdio no ano passado. Não há nada de negativo a falar sobre ela, muito pelo contrário, até porque em tempos de felicianos e malafaias, nada melhor que ouvir versos como "Hypocrite, deluded/ No light behind your smile/ Convictions, offenses/ No glory behind your Faith (...) You say: Truth, living lies/ You deserve what you live!" Atualíssima e, infelizmente, creio que por muito tempo será.

A trinca final de "Ordo Ab Chao" não só mantém a qualidade do pacote, como agrega ainda mais diversidade e elementos do prog metal de nomes como o já citado Origin, mas também Decapitated, Atheist e algo de Persefone, mesmo eu tendo quase certeza de que está última nem exerceu influência no trio. "Dajjal" possui clipe official, inclusive podendo ser visto mais ao fim desta página, o que serve para ilustrar o poder de fogo desses três metalheads. Assistir Abner cantar faz parecer fácil o negócio de tão natural. Uma bela mostra de como unir death metal e técnica apurada sem soar indulgente e exagerado. O baixo comanda na derradeira, "Recessus Sapientiae", mas assim como nas anteriores, há espaço de sobra para todos os instrumentos destacarem-se. E novamente o tema é manipulação, seja ela exercida pelos políticos, religiosos ou oligarquias, como bem coloca a banda no encarte do disco.

Tracklist:
01. Ordo Ab Chao
02. Tent Ov Contradicitons
03. Atlantida
04. Thelema
05. Chaosystem
06. Bigotry
07. Seven
08. Dajjal
09. Recessus Sapientiae

Line-up
Abner Ramires - Guitar/Vox
Gil Oliveira - Drums
Rafael Fernandes - Bass

Sites Relacionados:
https://www.facebook.com/ayinofficial
http://www.myspace.com/ayinofficial
https://www.facebook.com/BRUTALRECORDSBRAZIL
http://www.youtube.com/ayinofficial

Vídeo de "Dajjal":

Lyric Video da faixa "Bigotry":

Preview de "Ordo Ab Chao":

Brutal Records
2013
Brasil




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ayin"


Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1
Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1

Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneBob Daisley
Baixista dá detalhes de sua briga com Osbourne

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Filhas de Rockstars: conheça algumas das mais bonitasGuitarristas: E se os mestres esquecessem como se toca?Deep Purple: 10 ótimas músicas sem Gillan ou Coverdale nos vocaisMarcos Kleine: Honrado em fazer parte do Ultraje a Rigor

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.