Doro: mantendo a regularidade de bons lançamentos

Resenha - Raise Your Fist - Doro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Dorothee Pesch é dona de uma incrível voz, de uma potência espantosa. E, acima de tudo, é uma guerreira! Como é sabido, fez parte da formação original da banda alemã Warlock, tendo gravado quatro ótimos discos de estúdio com a mesma, na década de 80. Após a dissolução desta, em 1989, resultada após muitas trocas de formação, até o ponto em que restava apenas Doro Pesch do line-up original, ela, para evitar problemas contratuais com a gravadora PolyGram, resolveu começar uma carreira solo, nomeando-a, apenas, de Doro! E lá se vão quase vinte cinco anos, desde o seu primeiro disco de estúdio, "Force Majeure", lançado em 1989!
438 acessosWarlock: Doro se reune a Tommy Bolan para tocar Triumph And Agony5000 acessosPorn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitários

Lançado em 19 de outubro de 2012, "Raise Your Fist" é o décimo segundo álbum de sua carreira solo, e, certamente, não faz feio frente ao extenso catálogo da mesma! É um trabalho de fácil assimilação, não sendo necessárias muitas audições para se sentir cativado pela sonoridade do mesmo! E, logo na primeira, já se percebe que o grande destaque se dá por conta da potente e singular voz de Doro Pesch!

O disco se divide entre faixas mais pesadas e agitadas, calcadas no Hard/Heavy Metal simples e direto, até momentos mais calmos e suaves. "Raise Your Fist In The Air", faixa de abertura e primeiro single, é muito direta e empolgante, já se iniciando de forma vigorosa, com uma bela performance vocal de Doro. Já "It Still Hurts" é uma bonita balada, na qual Doro divide os vocais com Lemmy Kilmister, frontman da clássica banda Motörhead. Embora já o tenhamos ouvido cantar uma balada como "Love Me Forever", em sua banda, no álbum "1916" (1991), estamos mais habituados a ouvi-lo cantar/tocar músicas mais pesadas, então essa faixa pode causar uma estranheza inicial para alguns, porém este fez um bom trabalho nesta, imprimindo sua forte personalidade vocal.

Como já mencionado, quem se destaca mesmo é a alemã Doro, impressionando em vários momentos e imprimindo a sua forte personalidade vocal nas composições! Se, em "Rock Till Death" e "Take No Prisoner", ela impressiona por adotar um vocal muito potente e agressivo, em "Engel" (cantada toda em alemão) e "Hero", essa última a faixa que encerra o álbum, homenageando uma grande lenda da música pesada, Ronald James Padovana (Elf, Rainbow, Black Sabbath, Dio, Heaven & Hell), nos emociona com um belo e suave desempenho vocal. Além da participação do já citado Lemmy Kilmister, temos, também, a participação do guitarrista grego Gus G (Firewind, Ozzy Osbourne), executando um ótimo solo na boa e cadenciada "Grab The Bull (Last Man Standing)".

Outras faixas que merecem menção são "Little Headbanger (Nackenbrecher)" e "Revenge", por se tratarem de faixas mais rápidas e pesadas, com ótimas linhas vocais de Doro. A segunda, na opinião deste que vos escreve, é umas das melhores do disco!

A versão nacional do álbum contém dois bônus, uma versão toda em inglês da faixa "Freiheit (Human Rights), traduzida para "Sealed In Blood (Human Rights), e a boa e enérgica Strong And Proud.

"Raise Your Fist" é um disco repleto de bons momentos, com uma performance vocal impecável por parte de Doro Pesch! Aprecie, sem moderação, pois se trata de um disco de fácil assimilação, que lhe garantirá um bom momento de diversão!

Faixas:

1 – Raise Your Fist In The Air
2 – Coldhearted Lover
3 – Rock Till Death
4 – It Still Hurts
5 – Take No Prisoner
6 – Grab The Bull
7 – Engel
8 – Freiheit (Human Rights)
9 – Little Headbanger (Nackenbrecher)
10 – Revenge
11 – Free My Heart
12 – Victory
13 – Hero

Faixas bônus:

14 – Sealed In Blood (Human Rights)
15 – Strong And Proud

Formação da banda:

Doro Pesch – Vocal
Bas Maas – Guitarra
Luca Princiotta – Guitarra, teclados
Nick Douglas – Baixo
Johnny Dee – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

438 acessosWarlock: Doro se reune a Tommy Bolan para tocar Triumph And Agony0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Doro Pesch"

Doro PeschDoro Pesch
Musa alemã do Metal quer morrer no palco

Doro PeschDoro Pesch
Valorizando a vida por ter morrido na cadeia

KissKiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Doro Pesch"

Porn MetalPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Rock in RioRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

CoverCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original

5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie5000 acessosIron Maiden: conheça parte da equipe e dos parentes5000 acessosIron Maiden: uma releitura de "The Trooper" pelo Cine4383 acessos2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados4890 acessosRob Halford: "Eu não morro sem trabalhar com Lady Gaga antes"1533 acessosMetal Temple: Rob Halford eleito vocalista dos sonhos

Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Estudante de Jornalismo e Letras. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock’n’Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online