Buckcherry: "Confessions", mais um disco sólido na discografia

Resenha - Confessions - Buckcherry

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos H. Silva
Enviar Correções  

7


O Buckcherry não é uma banda muito conhecida aqui no Brasil, mas faz um som de muita qualidade e talvez falte um ou dois grandes hits para se tornar um grupo maior por aqui.

As piores tatuagens de rockstarsMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda

A banda existe desde 1995, Confessions (2013, via Century Media) é o seu sexto álbum de estúdio e foi produzido pela própria banda.

Os caras pisam fundo naquele tipo de hard rock 'n' rollzeado americano com muita influência de Aerosmith (antigo) e uma pegada bastante forte de influência dos australianos do AC/DC, mas sem nunca soar como cópia de nenhuma delas.

A banda é formada por Xavier Muriel (bateria), Jimmy Ashhurst (baixo), Stevie D. (guitarra-base) e a dupla principal: o vocalista Josh Todd e o guitarrista solo Keith Nelson, responsáveis pela maior parte das composições da banda.

Confessions é bastante sólido e mantém o padrão de bons discos na discografia da banda.

Wrath pode ser usada como exemplo de como é o som deles: pesado, melódico e com poder radiofônico. Mas o primeiro single ficou com a faixa de abertura Gluttony, outra ótima canção.

Outros destaques ficam por conta de Seven Ways to Die, a semi-balada Pride e Water, que tem um interessante solo de guitarra.

The Truth é a grande balada do disco e pode (e deve) ser usada como single. Air é daqueles "big rocks" empolgantes, característica da banda, e Sloth tem um clima grandioso, teatral. Sem dúvida uma das mais legais do álbum.

Ainda falta ao Buckcherry, após quase 20 anos de estrada, para se tornar uma banda realmente grande, um disco indispensável na discoteca básica de fãs de hard rock, além de outras grandes canções que se tornam hits, como Lit Up, faixa do primeiro álbum, de 1999.

Algo interessante em Confessions e que certamente eleva a banda a outro nível é o fato de que as letras da banda sempre giraram em torno de festas, rock 'n' roll, mulheres, sexo, mas desta vez Todd e companhia escreveram um álbum conceitual: o tema do disco gira em torno dos sete pecados capitais - por isso faixas com nomes como Pride, Envy, Greed e etc.

Um bom disco que certamente pode ser ouvido do início ao fim sem pular nenhuma faixa e sem perder o pique.

Originalmente em:
http://www.facebook.com/ThatRockMusicBlog
http://www.thatrockmusicblog.blogspot.com.br/

01 – Gluttony
02 – Wrath
03 – Nothing Left But Tears
04 – The Truth
05 – Greed
06 – Water
07 – Seven Ways To Die
08 – Air
09 – Sloth
10 – Pride
11 – Envy
12 – Lust
13 – Dreamin Of You




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Velvet Revolver: Os vocalistas já cogitados para a bandaVelvet Revolver
Os vocalistas já cogitados para a banda

Sexo: os clipes mais sensuais do Metal segundo a Metal HammerSexo
Os clipes mais sensuais do Metal segundo a Metal Hammer


As piores tatuagens de rockstarsAs piores tatuagens de rockstars

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda


Sobre Carlos H. Silva

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin