Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemMetallica e as duas músicas do "Black Album" que retratam traumas de James Hetfield

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagemRoger Waters defende Rússia e China e ataca EUA em entrevista

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemDez músicas que o Iron Maiden nunca tocou ao vivo - Parte I


Stamp

Stone Sour: mais que apenas música, eles seguem fazendo história

Resenha - House of Gold & Bones Part 2 - Stone Sour

Por Ricardo Seelig
Fonte: Collectors Room
Em 24/04/13

publicidade

O ser humano é saudosista por natureza. É comum a sensação de que o que foi feito no passado é, invariavelmente, melhor do que aquilo que é produzido agora, no nosso tempo. Explicar as razões que nos levam a sentir isso não é tarefa fácil. Elas envolvem, na maioria das vezes, muito mais a emoção do que a razão. Construímos histórias, relacionamentos, durante todas as nossas vidas, e, ao olhar para trás, a saudade e o distanciamento muitas vezes nos causam a falsa sensação de que o que vivemos antes nunca encontrará parâmetro no que ainda temos para viver, por melhor que sejam as perspectivas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Divagações à parte, em relação à música esse raciocínio é aplicado de maneira cada vez mais frequente. Ouvintes mais conservadores, ou com uma visão mais ortodoxa, muitas vezes afirmam com certeza absoluta que nada do que é feito hoje em dia no rock, no metal, na música de um modo geral, chega aos pés do que já foi produzido antes. Uma grande bobagem, muitas vezes defendida por mentes sem conhecimento do que está acontecendo. Cada época teve os seus artistas importantes, que fizeram história e mudaram o curso das coisas. E a comparação entre esses períodos distintos não passa de um exercício inútil. O motivo nos leva de volta ao primeiro parágrafo, e se chama identificação. A geração que consome música hoje em dia é diferente daquela que vivia em lojas de discos há vinte anos atrás. A realidade é diferente. Os gostos são diferentes. O mundo é diferente. Os ídolos são outros.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Corey Taylor é um dos personagens centrais do rock contemporâneo. Seja à frente do Slipknot ou liderando o Stone Sour, o vocalista tem a mesma importância, para as gerações mais novas, que um Ozzy Osbourne, um Bruce Dickinson, tiveram para mim e para você, que já passamos dos 30 e, muitas vezes, dos 40 anos. Sua trajetória o transformou em um ícone, e com justiça. Frontman carismático, compositor talentoso, letrista inspirado, Taylor é a voz de uma geração, o principal rosto do heavy metal produzido nos últimos 15 anos.

Todo esse status faz com que, como acontecia em épocas passadas a cada novo lançamento de seus principais nomes, o mundo parasse e prestasse atenção naquilo que lhe era entregue. Corey Taylor faz isso. Cada movimento seu é acompanhado com atenção, e inevitavelmente recompensa seus discípulos.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

É o caso de "House of Gold & Bones Part 2", quinto álbum do Stone Sour, sucessor e segunda parte da história iniciada no disco lançado em 2012. Novamente produzido por David Bottrill, traz Taylor, James Root (guitarra), Josh Rand (guitarra) e Roy Mayorga (bateria) mais uma vez acompanhados por Rachel Bolan, do Skid Row, dando uma força no baixo. Com doze faixas, conclui a trama do trabalho anterior e soa como seu irmão siamês.

O estilo, o modo de fazer som pesado do Stone Sour, alcançou em ambas as partes de "House of Gold & Bones" o seu ápice. Grandes melodias, agressividade andando lado a lado em canções que poderiam tocar perfeitamente em qualquer rádio, riffs bem construídos e os vocais carregados de sentimento de Taylor colocam a banda no topo, acima da maioria dos demais grupos de sua geração.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em relação ao CD anterior, este soa um pouco mais denso e emocional, levando o ouvinte em uma jornada repleta de momentos sombrios. A abertura, com a climática "Red City", já deixa clara essa característica através de sua estrutura crescente. "Black John", a seguir, inscreve-se fácil na lista de melhores músicas gravadas pela banda. "Peckinpah", "Gravesend" e "Do Me a Favor" mantém o nível no alto, com grandes doses de energia e adrenalina sendo injetadas sem dó. Há, no entanto, um aspecto mais contemplativo aqui, com diversas baladas e faixas mais calmas que dão ao trabalho o desejado ar de conclusão de uma saga. História essa que chega ao seu fim com a primorosa faixa-título, daquelas composições que, ao ouvir, você já imagina o gigantesco impacto e estrago que causarão ao vivo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tão bom ou até melhor que o disco anterior, "House of Gold & Bones Part 2" é um álbum excelente, que dará ainda mais espaço e popularidade ao Stone Sour. A banda fez um belo trabalho outra vez, mostrando o porque de toda celebração à sua volta.

Daqui há alguns anos, quando você estiver mais velho e seus filhos estiverem mexendo na sua há muito tempo ultrapassada coleção de CDs e encontrarem "House of Gold & Bones Part 2", vão pegá-lo na mão e o manusear como muito mais do que apenas um CD. Irão abrir a sua embalagem, ler o seu encarte, sentir o seu cheiro. E, ao colocá-lo para tocar, irão se sentir como você se sente hoje ao pegar um LP antigo do Sabbath, do Maiden, do Metallica.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Mais do que apenas música, o Stone Sour segue fazendo história.

Faixas:
1 Red City
2 Black John
3 Sadist
4 Peckinpah
5 Stalemate
6 Gravesend
7 ’82
8 The Uncanny Valley
9 Blue Smoke
10 Do Me a Favor
11 The Conflagration
12 The House of Gold & Bones


Outras resenhas de House of Gold & Bones Part 2 - Stone Sour

Resenha - House Of Gold & Bones Part 2 - Stone Sour

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Slipknot: não tinha jeito, Joey Jordison precisava cair fora

Corey Taylor: "O Slipknot é minha melhor terapia!"

Corey Taylor: Ele está o tempo todo com o filhão, e lamenta pela filha que foi embora

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Oh, não!: clássicos do Rock Heavy Metal e que foram "estragados" pelo tempo


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.