Queiron: não há pausa, apenas a selvageria incessante

Resenha - Sodomiticvm Per Conclave - Queiron

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


A palavra Conclave foi uma das mais ditas em 2006, quando ocorreu o último conclave no Vaticano. O dito conclave é a eleição de um novo papa, o principal cargo da Igreja Católica, e acontece sempre que um novo papa deve ser eleito para ocupar a sé, normalmente vacante no período devido ao falecimento do papa anterior. Este ano, teremos novamente um conclave, após a notícia da renúncia do Papa Bento XVI, que tomou de surpresa o mundo na segunda-feira de carnaval. No período, os olhos do mundo se voltam para o Vaticano, onde os cardeais confinados e trancados (daí vem o nome conclave, "com chave") farão a escolha do novo papa através de sucessivas votações até que um novo papa seja escolhido.

Kirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"Gorgoroth: As orientações sexuais e políticas de Gaahl

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E o conclave é um dos temas principais deste novo disco do QUEIRON, banda de death/black metal paulista que lança o seu quarto opus, em parceria com a Gallery Productions, de Fortaleza, no Ceará (que tem constantemente nos brindado com grandes lançamentos de metal extremo, como o KRENAK, por exemplo). Além da Gallery, participam da empreitada os selos Rapture Records (SC), Rising Records (RN) e Impaled Records (SP). Lauro Nightrealm (b), Ricardo Pestiferus Grous (g), Oscar M. Vision (d) e Marcelo Daemonipest Grous (g/v) apresentam o resultado de um ano de trabalho que prova, a cada faixa, ser merecedor do primeiro adjetivo com o qual eu o vi sendo qualificado, "grandioso".

Não há folga aqui, não há pausa, apenas a selvageria incessante de M.Vision, o baixo cheio de estilo de Lauro Nigtream e as guitarras ora brutais, ora cheias de melodia dos primos Grous, em dez hinos com temática inspirada pelo polemico livro "O Crime dos Papas". de Maurice Lachatre.

O disco abre com a "oração" "Ordo Iconoklastic Rebellis", que já dá o tom para o que será esta experiência auditiva, transformando-se em uma poderosíssima faixa instrumental (que dá vontade de ouvir várias vezes) após a declamação de sua letra. Esta é seguida por uma porrada direto no estômago, "The Stench ov Sacrifice". O disco já se mostra que é uma grande opus, para ser ouvida e reouvida (e ainda estamos na segunda faixa).

A selvageria, a brutalidade que todos gostamos de apreciar em um bom disco de death metal e que sempre esteve presente no som do QUEIRON continua lá, mas o que é mais surpreendente é que grandes, belos e marcantes solos cheios de melodia também estão, como na já mencionada faixa "The Stench...". Esta e "Perversion in Khaoz" são exemplos de faixas que ficarão em sua cabeça horas depois de ouvida (talvez por isso eu me repita ao falar da primeira nesta resenha). Além destes elementos, é claro que estão lá a blasfêmia, a revolta contra as religiões organizadas (voltada principalmente contra a igreja católica romana), pontuadas principalmente pelo sexismo aparente em faixas como a própria faixa título (que conta com trechos do "Habemos Papa", o anúncio da eleição de Bento XVI) e "Templum Perversun", uma faixa instrumental (com alguns instrumentos extras, confira). "Divine Serpent Breed" é outra pedrada que tem tudo para ser um grande sucesso nos shows da banda. E em "Mighty Erection Ov Holiness", o QUEIRON dá uma aula de como encerrar um bom disco de Death Metal. Só não entendi onde estaria a "Part II", uma vez que o encarte dá a entender, pela presença da "Part I" que a letra teria algum outro desenrolar. Seria o prenúncio de um novo opus? Só o tempo dirá.

Outro ponto a salientar é a "latinização" sempre presente não só nos títulos, mas em todo o conteúdo do CD. Embora as letras estejam em inglês, a substituição das letras "u" e "f" por "v", entre outras modificações é uma constante. Embora essas alterações não acrescentem (ou diminuam) nada ao som, tornam cada faixa mais interessante. E também mais próxima dos cânones romanos que a banda combate, tornando esta obra uma grandiosa opus de verdadeira blasfêmia e heresia. Para quem curte esse tipo de som e compartilha da ideologia da QUEIRON, este é, certamente, um lançamento indispensável.

Confira abaixo, "The Stench Ov Sacrifice" e diga se eu não tenho razão.

Contato para Shows:

queironpress@gmail.com | queiron@bol.com.br
Fan page: www.facebook.com/Queiron
MySpace: www.myspace.com/queiron
Twitter: @QueironOfficial

http://twitter.com/QueironOfficial

Track List
1. Ordo Iconoklastic Rebellis 04:22
2. The Stench ov Sacrifice 04:32
3. Sodomiticvm per Conclave 06:28
4. Divine Serpents Breed 06:29
5. Perversion in Khaoz 05:38
6. Everlast Carnage in Fire 04:59
7. Templvm Perversvm 01:51
8. Slavgther Ministry 05:29
9. Vnder the Mvrderous Conception 04:54
10. Mighty Erection ov Holiness 05:58


Outras resenhas de Sodomiticvm Per Conclave - Queiron

Queiron: Brutal Death Metal sem dó nem piedade




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Queiron"


Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

Gorgoroth: As orientações sexuais e políticas de GaahlGorgoroth
As orientações sexuais e políticas de Gaahl


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336