Nightwish: uma das bandas mais consagradas do metal contemporâneo

Resenha - Century Child - Nightwish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Após alcançar um grande destaque no underground, graças ao sucesso dos álbuns "Oceanborn" e "Wishmaster", os finlandeses do NIGHTWISH resolveram dar uma passo ainda mais gigantesco em sua trajetória, com o lançamento desse excelente "Century Child", um verdadeiro marco em sua história, elevando à banda para uma das mais consagradas do metal contemporâneo, ampliando ainda mais sua gama de fãs. E o disco acaba de ser relançado no mercado nacional, via Hellion Records.

Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoKeith Richards: Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E dois fatores foram essenciais para todo esse sucesso: em primeiro lugar, a banda (em especial seu líder, Tuomas Holopainen) optou por uma sonoridade diferente, mais pesada e moderna, mas sem deixar de lado os seus elementos orquestrais e melódicos característicos. Além disso, a entrada do baixista Marco Hietela (SINERGY, TAROT) foi essencial para essas mudanças na banda, pois além de ser um instrumentista fantástico, tem uma voz muito potente e cativante, o que acabou por ampliar os horizontes criativos da banda, que passou a investir também em seus duetos com Tarja Turunen, vez que ambos possuíam uma química incrível em suas interpretações.

Além disso, a produção do disco é bem moderna, com ótimo resultado tanto nos momentos mais climáticos, como nos mais agressivos, em que os fantásticos riffs de guitarra prevalecem.

Assim, aproveitando-se desse momento iluminado de sua carreira, a banda criou algum de seus maiores clássicos, como a abertura com "Bless the Child"; as marcantes "End of All Hope", "Dead to the World" e "Ever Dream"; a pesadíssima "Slaying the Dreamer" (com destaque para os vocais de Hietela, e para os riffs fantásticos de guitarra); e a épica "Beuty of the Beast". Além disso, há ainda uma versão fantástica para "The Phantom of the Opera", com destaque para o marcante dueto entre Tarja e Marco, digno de aplausos efusivos.

Outro ponto que chama a atenção é que pela primeira vez em sua carreira a banda optou por criar uma temática comum no aspecto lírico das faixas (embora não se trate de um disco conceitual): a perda da inocência.

Essa nova versão ainda traz cinco faixas bônus, com destaque para "Lagoon" (com uma levada mais pop) e "The Wayfarer", que não estavam presentes na versão original do álbum.

O disco foi um grande sucesso na época, atingindo excelentes posições nos charts da Europa e dos EUA, bem como sendo aclamado pelo público e pela crítica.

"Century Child", pois, foi um marco na carreira do NIGHTWISH, e até hoje é visto com um dos melhores (senão o melhor) discos da banda pelos fãs, sendo item indispensável na coleção de qualquer apreciador da boa música. Se você ainda não tem, é uma grande chance de adquirir essa obra prima da música pesada; se você já possui a versão original, vale a aquisição pelas faixas bônus.

Century Child (Reloaded) - Nightwish
(Orignalmente lançado em 2002 - Reloaded 2012 - Hellion Records - Nacional)

1. Bless the Child
2. End of All Hope
3. Dead to the World
4. Ever Dream
5. Slaying the Dreamer
6. Forever Yours
7. Ocean Soul
8. Feel for You
9. The Phantom of the Opera
10. Beauty of the Beast (Long Lost Love / One More Night to Live / Christabel)

Bonus Tracks:

11. Lagoon
12. The Wayfarer
13. Bless the Child (Edit Version)
14. End of All Hope (live)
15. Dead to the World (live)


Outras resenhas de Century Child - Nightwish

Resenha - Century Child - Nightwish




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Nightwish"


Floor Jansen: cantora diz que crítica ao Slayer foi retirada do contextoFloor Jansen
Cantora diz que "crítica" ao Slayer foi retirada do contexto

Nightwish: Por que a Anette foi tão criticada pelos fãs?Nightwish
Por que a Anette foi tão criticada pelos fãs?


Slayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecidoSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Keith Richards: Metallica e Black Sabbath são grandes piadasKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adGoo336