Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemTommy Lee postou uma foto com o "Dr. Feelgood" de fora

imagemKiko Loureiro exalta determinação de Mustaine; "Nada pode destruir esse cara"

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"


Stamp

UFO: lançando um ótimo trabalho com a pegada de sempre

Resenha - Seven Deadly - UFO

Por Leonardo M. Brauna
Em 22/11/12

UFO já teve passagens pelo "Space Rock" com os dois primeiros lançamentos, "UFO 1 (1970)" e "UFO 2: Flying (1971)", mas foi no terceiro álbum, "Phenomenon" de 1974 que a banda encontrou a sua identidade no "Hard Rock". O "desfile" de clássicos que se segue com "Force It (1975)", "No Heavy Petting (1976)", "Lights Out (1977) e "Obsession (1978)" já deixava os fãs enfeitiçados pelo grupo. Passaram-se anos e a turma liderada por PHIL MOGG depois de trocas na formação, registros ao vivo e coletâneas, chega ao mais novo lançamento em estúdio, "Seven Deadly" de 27 de Fevereiro de 2012, gravado na Alemanha pela "SPV/Steamhammer" sob a produção de TOMMY NEWTON.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O CD abre com a pegada fortíssima de "Fight Night". Um típico "Rockão" que confirma a linha musical do UFO. É uma canção muito empolgante que agradará até os fãs de AC/DC.

"Wonderland" é uma das mais agitadas com o típico riff setentista. VINNIE MOORE vem desempenhando um papel fundamental nas criações dos solos, o virtuosíssimo guitarrista que teve a difícil tarefa de agradar um público fiel a MICHAEL SCHENKER, mostra a sua competência e genialidade.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Depois das duas "pancadas" sonoras que abriram as cortinas para o ouvinte, a terceira faixa "Mojo Tonw" dá uma aliviada, mas nela percebe-se algumas passagens de palhetadas que só ouvimos em bandas mais "Speed". Ousadia de seu guitarrista que encontrou um bom momento para executá-las.

É hora da balada, e todas que têm a marca do UFO é sinônimo de melodia e grande performance. Essa quarta faixa, "Angel Station" é a de maior duração no álbum com seus 6:22, mas conquista a sua atenção principalmente pelo solo bem aplicado carregado de uma áurea muito agradável.

As primeiras influências "Bluesy" podem ser sentidas em "Year of the Gun", que têm uma simplicidade em sua essência que a deixa fantástica.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A sexta música, "The Last Stone Rider" também é privilegiada pela potência empregada nas baquetas de ANDY PARKER, e ainda possui um dos melhores solos do disco. Mais uma vez os anos 70 são ostentados aqui.

"Steal Yourself" possui um belo refrão e concentra nas bases um suporte primoroso para a execução da música. PAUL RAYMOND sempre colocou muita qualidade em suas passagens, a perícia aumenta mais ainda quando tem que dividir essa tarefa com os teclados em pleno palco. Um mestre.

Mais uma característica dos tempos áureos do UFO está presente em "Burn Your House Dow", uma bela interpretação vocal que segue bem a linha tranquila dos instrumentos. É um verdadeiro presente para os fãs.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A lembrança do "Blues" mais uma vez está presente em "The Fear", a faixa é guiada pela gaita e também traz um dos melhores solos do álbum. Outro Destaque fica para o vocal "Bluesmen" de MOGG.

O registro fecha com "Waving Good By", uma "semibalada" onde pela primeira vez se ouve com mais destaque o uso dos teclados de RAYMOND. Uma melodia regada a um "grand finale" típico de "guitarhero" nas mãos de VINNIE MOORE e a suavidade na voz de PHIL MOGG.

Na versão digipack existem dois bônus e o primeiro é "Other Men's Wives" que segue mais uma temática "Bluesy" acelerada, mas que não deixa de brindar uma boa magia para nosso deleite.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A segunda é "Bag O' Blues". Não precisa dizer mais nada quanto as suas influências, nessa faixa o conceito radiofônico feito só com voz e piano nos remete aos idos dos anos 50, ainda mais com um efeito de vinil na vitrola. Realmente uma obra de mestres com autoridade e talento para tal.

O trabalho é muito bom, mas como fã de longa data tenho que citar um ponto negativo que é a falta do membro fundador PETE WAY (ex- baixista). Não que desmerecesse o alemão LARS LEHMANN que já vinha acompanhando a banda desde a turnê de "The Visitor (2009)" com passagem pelo Brasil em 2010, mas é que PET dá mais espírito ao grupo, no entanto só podemos desejar boa sorte ao "novo músico" e se tiver que prosseguir com a banda, que tenha bom progresso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Line Up:

Phil Mogg – vocal
Vinnie Moore – guitarra solo
Paul Raymond – guitarra base, teclados
Lars Lehmann – baixo (sessões)
Andy Parker – Bateria

Track List:

01. Fight Night 4:34
02. Wonderland 5:08
03. Going Down Mojo Town 3:56
04. Angel Station 6:22
05. Year Of The Gun 4:07
06. The Last The Stone Rider 3:52
07. Steal Yourself 4:47
08. Burn Your House Down 4:59
09. The Fear 3:44
10. Waving Goodbye 5:10
Bonus:
12. Other Nen's Wives 3:52
13. Bag O' Blues 3:04

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Michael Schenker explica por que deixou o Scorpions e se juntou ao UFO

Neil Carter não é fã da voz de Ozzy e diz que sem bons músicos, história seria diferente

Michael Schenker explica por que deixou o Scorpions e se juntou ao UFO

Sexo é Proibido: capas censuradas por conteúdo erótico

Michael Schenker: o álbum que fez as pessoas o chamarem de "deus da guitarra"

Kurt Cobain e a banda brasileira que mexeu com ele: "eles foram muito revolucionários"

O trocadilho picante que Ney fazia em "Pro Dia Nascer Feliz" que Cazuza gargalhava


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna.