Blood Of Kingu: fortes influências dos sons tribais

Resenha - Sun In The House Of The Scorpion - Blood Of Kingu

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Humangous
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se os Deuses africanos se unissem para fazer um som, possivelmente essa banda seria o Blood Of Kingu. Formado na Ucrânia, o grupo pratica um Black Metal muito bem feito, baseado na mitologia egípcia, suméria e tibetana.
5000 acessosPantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell5000 acessosHeavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"

Fortes influências dos sons tribais, tanto na parte da percussão quanto nas inserções vocais e ambientações. Ao final de várias faixas é possível acompanhar um som típico de tribos indígenas, aquelas usadas em rituais sinistros. Característica essa, bem atípica em termos de Black Metal. Tudo aqui é muito obscuro, desde a arte da capa até o timbre mórbido das guitarras. Falando um pouco do som, os vocais, apesar de abafados, agradam bastante e me lembraram um pouco os guturais de Mikael Akerfeldt, do Opeth. A bateria, quando mais cadenciada e variada, é bem interessante e agradável. Porém, quando resolve apelar para os blast beats, torna-se cansativa e irritante. Apesar desses detalhes, o álbum é bem produzido, e após alguns minutos de audição você acaba se acostumando. As faixas seguem mais ou menos o mesmo padrão, com muita agressividade, rispidez e impiedade. Com exceção da penúltima faixa intitulada "Morbid Black Dreams Bringing Madness", que é totalmente instrumental, precedendo o fim desse terrível massacre, no bom sentido claro. Ao tentarem voltar às raízes do Black Metal, o Blood Of Kingu acaba criando uma nova sonoridade e mostra que tem muito a acrescentar nesse estilo já bastante saturado.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Blood Of Kingu"

PanteraPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Heavy MetalHeavy Metal
"Cristãos podem aprender muito com o gênero"

Top 5Top 5
Os roqueiros mais chatos da história

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo5000 acessosBlack Metal: o lado mais negro da cena brasileira5000 acessosMegadeth: Dimebag Darrell quase foi guitarrista da banda5000 acessosAndreas Kisser: não tenho por que não ouvir as bandas do Max

Sobre Pedro Humangous

Pedro Humangous, 28 anos, publicitário headbanger. Dono e editor chefe da revista Hell Divine. Santista apaixonado por música e uma boa cerveja. Atualmente reside em Brasília e não poupa esforços para fazer o metal se fortalecer no país. Já colaborou com as revistas portuguesas Versus e Horns Up, além da coluna “Rolo Compressor” na rádio Nucleo Base. Colecionador de CD´s, DVD´s, Livros e Action Figures, concentra suas forças no metal extremo, sem deixar de lado os demais estilos. Fanático por Opeth, Iron Maiden, Trivium, Kreator, Dream Theater, Baroness, Suicide Silence, entre tantas outras. Siga: @PedroHumangous

Mais matérias de Pedro Humangous no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online