Dokken: muito abaixo do esperado pra uma banda no fim

Resenha - Broken Bones - Dokken

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Muita água rolou para o Dokken entre o lançamento deste play e de seu antecessor, o bom Lightning Strikes Again, de 2008. Don Dokken e George Lynch, que se odiavam, voltaram ao coleguismo. Lynch e Jeff Pilson chegaram a participar de um show com os velhos colegas em 2009, até que, no ano seguinte, o vocalista e o guitarrista apareceram juntos no That Metal Show, anunciando que a formação clássica da banda havia voltado. Não durou muito para que os próprios brigassem e voltassem atrás, não se reunindo mais.
525 acessosGeorge Lynch: músico relembra quando tocou em colônia nudista5000 acessosJames Hetfield: O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

Durante todo esse tempo, a banda lançou um Greatest Hits em 2010, com duas faixas inéditas, aparentemente para cumprir tabela. Jon Levin e Sean McNabb, respectivamente atuais guitarrista e baixista, ficaram estacionados durante o período, sem saber se continuariam empregados ou não. No final das contas, aconteceu o que todo mundo esperava: brigas e provocações na imprensa. Finalmente, no início de 2012, o mais novo registro do Dokken começou a ser realmente trabalhado. E, em setembro, temos a oportunidade de escutar Broken Bones, álbum que, segundo Don Dokken, deverá ser o último da banda.

http://www.vandohalen.com.br/don-dokken-confirma-que-esse-e-...

"Empire", conhecida do público por seu videoclipe anteriormente lançado, abre o registro com velocidade e muita classe. Don Dokken não força a barra com sua voz já desgastada e consegue se sair bem mesmo assim. Destacam-se o entrosamento da cozinha comandada por Sean McNabb (baixo) e o veterano "Wild" Mick Brown (bateria) e o incrível solo de guitarra de Jon Levin. A faixa título, cadenciada e um pouco mais soturna, dá sequência. As dobras vocais incomodam, pois a voz de apoio cantada pelo próprio Don fica mais alta que a sua principal, enquanto a voz de apoio que não é cantada por ele (presente no refrão) tem volume ideal. Levin novamente se mostra inspiradíssimo, não apenas por seu solo, mas com riffs e arranjos excelentes.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Best Of Me" tem uma boa linha de bateria e demonstra muito peso, provavelmente pela afinação alterada dos instrumentos de corda. Mas a performance de Don não empolga. Mantendo a cadência das duas anteriores, "Blind" seria o momento ideal para acelerar as coisas – mas, como dito, não foi aqui que isso ocorreu. Parece uma faixa irmã da sua anterior, mas com menor duração. "Waterfall" é um tédio, principalmente por seu refrão pouco pegajoso – algo que não tem nada a ver com o Dokken de outrora.

"Victim Of The Crime" começa com um instrumental empolgante, mas cai pra mesmice: quando a voz entra, a guitarra aparece sem distorção, depois volta, a cozinha faz o feijão-com-arroz e Don apresenta o de sempre, cada vez menos emotivo e satisfeito, aparentemente. O tão contestado Jon Levin salva a música com inspirados solos de guitarra, ao estilo George Lynch. "Burning Tears" engana com seu início acústico, pois a banda entra rapidamente. Essa canção me agradou mais que as outras, mas ainda segue o mesmo modelo das mesmas.

Chegamos à oitava faixa e finalmente o script é modificado. "Today" é uma bonita balada, predominantemente acústica. Tem um toque de contemporaneidade, mas nada comprometedor. A voz de Dokken caiu muito bem aqui. "For The Last Time", na sequência, é uma semi-balada enganadora: começa acústica, o peso é retomado em ponte e refrão, depois volta a ser acústica no verso e acaba pesada. Uma das melhores faixas, justamente por ser inspirada e diferente das demais. A batida mais acelerada colabora para o êxito da canção.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Fade Away" é pra lá de melódica. Segue o modelo da faixa anterior, mas com melhor apresentação vocal de Don. Os vocais de apoio atrapalham o refrão – faltou bom senso ao produtor. "Tonight" fecha o disco com peso, mas bem menos cadenciada que as entediantes canções do miolo do play. O instrumental é magnífico. Trata-se de uma boa canção e fecha muito bem o play, apesar de tudo.

Broken Bones é um disco confuso e embaraçoso, até certo ponto. O Dokken teve uma carreira de qualidade incomparável e não deveria se findar desta forma. Mesmo que não acabe, trata-se de um ponto baixo na discografia do grupo. Em muitos momentos, o quarteto tentou soar como o Lynch Mob, liderado por George Lynch, eterno desafeto de Don. Mas sem a mesma classe. Se não fosse por algumas poucas faixas que realmente salvam o trabalho, Broken Bones seria um álbum 100% dispensável.

Don Dokken (vocal)
"Wild" Mick Brown (bateria)
Jon Levin (guitarra, violão)
Sean McNabb (baixo)

01. Empire
02. Broken Bones
03. Best of Me
04. Blind
05. Waterfall
06. Victim of the Crime
07. Burning Tears
08. Today
09. For The Last Time
10. Fade Away
11. Tonight

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

525 acessosGeorge Lynch: músico relembra quando tocou em colônia nudista0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dokken"

DisneyDisney
Empresa lança disco com clássicos em versão power metal

Baladas HardBaladas Hard
Blog elege o Top 20 de todos os tempos

GuitarristasGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dokken"

James HetfieldJames Hetfield
O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

Led ZeppelinLed Zeppelin
"Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?

HumorHumor
Namorar um headbanger é sair da zona de conforto

5000 acessosCretin: transexual rompe barreiras no metal extremo5000 acessosBayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas5000 acessosHistóricas: Fotos de encontros inusitados entre rockstars5000 acessosCharges: o que diriam as capas clássicas se pudessem falar4516 acessosMotley Crue: "Buenos Aires foi nosso melhor show!"5000 acessosHomem-Aranha: Por que ele não pode ir a shows de Metal?

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online