Led Zeppelin: Ninguém atingiu um patamar tão vasto

Resenha - Houses of the Holy - Led Zeppelin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em várias ocasiões me deparei com uma distinção quase catedrática quanto à carreira dos BEATLES: a fase "inocente" – representada até "Help"- e a fase "madura"- de "Rubber Soul" até o último disco. Por mais pueril que seja essa divisão, fato é que existe realmente uma clara sensação de movimento e experimentalismo na discografia dos ingleses de Liverpool. A habilidade de absorção de influências, junto a uma infinita curiosidade em estúdio, foram realmente o fiel da balança da banda; o ponto diferencial de seu distanciamento frente aos seus contemporâneos.
5000 acessosWhitesnake: Coverdale fala de novo disco e lamenta por Jimmy Page5000 acessosZakk Wylde: "Se continuasse bebendo iria sangrar internamente!"

Nessa esteira, surgiram outros "irresponsáveis" que sempre procuraram pautar sua discografia pela inovação – BEACH BOYS, CREAM, PINK FLOYD visavam a recriação a qualquer custo, muita das vezes invertendo uma pretensa lógica formal do processo. Mas, dentre eles, ninguém atingiu um patamar tão vasto, uma capacidade de síntese de influências tão abrangente quanto o LED ZEPPELIN.

È inegável que em termos de recursos de produção, álbuns como "Pet Sounds" ou "Dark Side Of The Moon" dificilmente serão superados - aliás, levando-se em conta a facilidade promovida pelos recursos digitais atuais – nunca serão. A abrangência a qual se refere ao LED é a catalisação de jazz, funk, blues, rock n´roll e música étnica transformados em um produto único, original, sólido, e que, ainda que reiteradamente ouvidos, possuem um sabor eterno de novidade.

Depois de um disco de estréia blueseiro, seguiu-se um tratado em hard rock, por sua vez sucedido por uma mistura mágica entre folk, blues e afinações originalíssimas ao rock n´roll, a banda pariu um clássico torrencial, um misto de literatura de TOLKIEN e hard cacetada. No ano seguinte, chegaram ao quinto álbum- "Houses Of The Holy". Depois de lançar "Stairway To Heaven", "Good Times Bad Times", "Heartbreaker" e "Tangerine"- entre outros duzentos clássicos – quem é que tem algo ainda para dizer?

Pois é: gravado em 1972, menos de quatro anos depois do debut da banda, eles ainda tinham muita lenha para queimar. "The Song Remains The Same" é o sonho de composição de dez entre dez bandas: forte, repleta de camadas de chorus, a faixa é a quitessência do bom gosto no quesito "muralha de guitarras" ao melhor estilo que BRIAN MAY faria tão bem depois.

"Rain Song" vem embrulhada em uma afinação alternativa e no mellotron classudo de JONES. Além do violão, PAGE utiliza sua indefectível guitarra Danelectro – que deu ao mundo "Kashmir" de brinde. "Over The Hills and Far Away"- minha preferida do álbum - é o melhor exemplo de alternância de dinâmica da discografia do LED, marcada por um sob ressalto rítmico inesperado e cheio de groove por parte da banda.

Ok, mas quais as novidades? "The Crunge" e "D´yer M'aker" matam de susto um ouvinte mais desavisado. A primeira, criada a partir da batida improvisada de BONHAM é um funk muito louco, uma versão cheia de ácido de JAMES BROWN; a segunda - que já foi regravada até pela infame LADY GAGA - é clássico desde que nasceu: um reggae carregado de más intenções, com um pé na Jamaica e outro em uma área de "luz vermelha" qualquer.

Psicodelia e paulada hard não faltaram nesse registro: "No Quarter" nos mostra a exata medida entre a tecladeira "aquática" do progressivo, o vocal subterrâneo e a guitarra simples, decisiva e certeira em uma equação primorosa. Já "The Ocean" mostra que não faria feio em "Led Zeppelin II" construída sobre um dos melhores de PAGE – o que convenhamos não é pouca coisa.

Em uma época em que "ecletismo" virou sinônimo de mistura de "adubos" diferentes- resultando em uma terceira espécie- é um bálsamo para o mundo ter uma herança como essa.

Track list:

"The Song Remains the Same"

"The Rain Song"

"Over the Hills and Far Away"

"The Crunge"

"Dancing Days"

"D"yer Mak"er"

"No Quarter"

"The Ocean"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Houses of the Holy - Led Zeppelin

5000 acessosTradução - Houses Of The Holy - Led Zeppelin

WhitesnakeWhitesnake
Coverdale diz que haverá um novo disco e lamenta por Jimmy Page

2130 acessosChris Cornell: última canção foi "In My Time of Dying"552 acessosDesert Trip: festival não será realizado em 20170 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

TestamentTestament
Como alguém gosta de Sabbath e Led e odeia os Beatles?

Ícones do rockÍcones do rock
Retratados com fitas cassete

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

Zakk WyldeZakk Wylde
Guitarrista fala sobre o pior ano da sua vida

SlayerSlayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"

MetallicaMetallica
Uma foto histórica compartilhada por Kirk Hammet

5000 acessosMax Cavalera: relembrando vomitada em Eddie Vedder5000 acessosRegis Tadeu: uma declaração apimentada sobre público de Metal Extremo5000 acessosGhost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio5000 acessosMetallica: Ulrich não quer esconder o fato de ser rico4832 acessosOzzy: Ele foi um mau pai e marido, e não sabe como está vivo3833 acessosPantera: vídeo de Dimebag Darrell em São Paulo, 1995.

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online