Sarah Jezebel Deva: Personalidade forte e figura carimbada

Resenha - Corruption of Mercy - Sarah Jezebel Deva

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Além de possuir uma personalidade forte, Sarah Jezebel Deva é figura carimbada em meio a grandes nomes do Symphonic Black Metal. Com passagens por Cradle Of Filth, Therion, The Kovenant (ex- Covenant), entre outros, a cantora mostra ainda mais de sua capacidade neste que é o seu segundo trabalho solo.

Contando com uma banda sólida, formada por Dan Abela e Johnny Gray (guitarras), Jamie Abela (bateria) e Ablaz (baixo), além, claro, de Deva nos vocais, o trabalho chama atenção de cara pela capa bizarra e provocativa.

publicidade

"The Corruption Of Mercy" mescla diversos elementos que vão desde o Metal Sinfônico, passando por Gothic Metal e com vários elementos do Black Metal praticado pelas bandas em que Sarah integrou. No Paragon Of Virtue, por exemplo, abre o disco com um instrumental que segue a linha de nomes como Dimmu Borgir e Cradle Of Filth, com a cantora alternando seus vocais entre momentos de naturalidade e outros de muita técnica.

publicidade

Mas o primeiro destaque vem mesmo com The World Won´t Hold Your Hand, onde Sarah despeja toda sua elegância vocal, envolta por um arranjo belíssimo aliado a um magnífico refrão, ponto! Silence Please também chama atenção e se assemelha às trilhas sonoras de filmes, assim como a bela instrumental What Lays Before You.

Sirens é momento mais inspirado dos músicos, que executam um instrumental de grande técnica e pegada certeira, mostrando que o trabalho é feito realmente por uma banda, sem ter somente o foco voltado à cantora.

publicidade

O cover para a manjada Zombie, dos Cranberries também ficou bem interessante e com peso redobrado. O legal de "The Corruption Of Mercy" é que Sarah não exagerou nas frescuras em seu vocal e soube equilibrar bem seus timbres, que não soam cansativos em momento algum. Aliás, ela poderia até ter explorado mais sua técnica. O trabalho foi lançado pela Shinigami Records e merece ser conferido pelos amantes da música pesada em geral.

publicidade


Outras resenhas de Corruption of Mercy - Sarah Jezebel Deva

Sarah Jezebel Deva: Equilibrio entre gótico e Black Metal

Sarah Jezebel Deva: Metal de qualidade e extremo




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dave Mustaine: Maroon 5 o deixou boquiabertoDave Mustaine
Maroon 5 o deixou boquiaberto

Kiss: Rock and roll é um trabalho para otários!Kiss
"Rock and roll é um trabalho para otários!"


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin