Running Wild: O legado de The Brotherhood ainda é mal visto

Resenha - Brotherhood - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Vernini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"The Brotherhood" é um lançamento que já não pertence a uma série de álbuns conceituais que a banda vinha fazendo. Rolf "Rock N' Rolf" Kasparek disse em uma entrevista que esse álbum é diferente dos últimos lançamentos da banda pois tem diversas ideias juntas. Gravado no Jolly Roger Sound Studio (Próprio estúdio de Rolf) e lançado pela GUN Records/EMI em 2002. 10 anos depois do lançamento, o legado de "The Brotherhood" ainda é mal visto e criticado por grande parte dos fãs.
5000 acessosRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal

O álbum começa com a matadora "Welcome To Hell", com um ótimo refrão, e tem aquele mesmo toque de heavy metal de sempre que o RUNNING WILD sabe fazer como ninguém, mas já a seguir, as canções "Soulstrippers" e "Crossfire" tem um pouco do mesmo, soam muito mais um hard rock a la AC/DC com groove. A magnífica faixa-título do álbum "The Brotherhood" é um hard rock forte, coeso e brilhante com aquela típica melodia que só os alemães sabem fazer, um dos destaques do álbum.

A seguir "Siberian Winter", é uma típica canção de power metal, só que instrumental, também uma ótima canção. Segue com "Detonator", uma música que soa um hard rock do JUDAS PRIEST no início da carreira.

Outro destaque do álbum é "Pirate Song", lirícamente, é como uma "The Bard's Song" da banda (fazendo menção ao clássico do BLIND GUARDIAN) e também é uma típica canção do RUNNING WILD que sempre foi conhecido pela temática pirata. Tudo aqui se encaixa perfeitamente (melodia, harmônia, letra), Rolf mostra que continua afiado na hora de compor e que não perdeu a essência. Grande canção, É uma pena não ter nenhum registro ao vivo dessa canção, tinha tudo para se tornar um clássico da banda.

As próximas "Unation" e "Dr. Horror" continuam com um pouco mais do que o álbum oferece e continuam a soar como um JUDAS PRIEST, a segunda em espeficico possui um refrão de não se tirar da cabeça.

Mas o melhor ainda estava por vir... "The Ghost". Essa música é, sem dúvida, um poço de inspiração, talento e conteúdo. Diferente das canções de pirata, ela conta sobre a história de T.E. Lawrence (também conhecido como Lawrence da Arábia), que foi um militar inglês que participou da Revolta Árabe em 1916 e também autor do livro "Os Sete Pilares da Sabedoria". Com duração de pouco mais de 10 minutos, é uma grande composição, uma melodia que não sai da cabeça de forma alguma. Aqui temos um outro exemplo como "Pirate Song", tinha tudo para se tornar um clássico não só da banda, mas do Heavy Metal em geral.

Na versão deluxe, o álbum ainda conta com duas outras canções, "Powerride" e "Faceless" que, quando ouvidas, é de se achar que está ouvindo o material do início dos anos 90. Boas canções que poderiam estar no álbum.

Muitas coisas me levam a crer o porque o álbum é tão mal visto por muitos, além do fato de ser um álbum diferente do que Rolf vinha fazendo, os riffs de hard rock predominam. Desde o álbum "Victory" (2000) a banda já estava sendo vista como um projeto solo de Rolf, já que os músicos só o acompanhava em turnês e todas as composições são de autoria do próprio Rolf. Outro fator é sobre o baterista Angelo Sasso (que também tocou em "Victory"), mas o que tem com ele? Muitos desconfiam que ele, na verdade, é uma bateria programada. Rolf diz que Angelo Sasso é um pseudônimo de um amigo que não queria o nome creditado nos álbuns. Desde então isso virou piada na comunidade do metal alemão. Seja ou não por esses fatores, "The Brotherhood" é um álbum injustiçado.

Depois da banda ter anunciado o último show da carreira, realizado em 2009 no Wacken Open Air (pode ser visto no DVD "The Final Jolly Roger"), em 2011, é anunciado o retorno da banda com um novo álbum chamado "Shadowmaker". Enquanto o álbum não chega, ouvir "The Brotherhood" certamente é uma boa pedida. Se tiver cabeça aberta para diversas idéias, sem dúvida você não irá se arrepender.

"Running Wild - The Brotherhood"

Rolf Kasparek - vocal, guitarra
Peter Pichl - baixo
Angelo Sasso - bateria

Lançamento - 25 de Fevereiro de 2002
Gênero - Heavy metal
Duração - 64:20
Gravadora(s) - GUN/BMG
Gravado em - Jolly Roger Sound Studio

1- "Welcome to Hell" – 4:36
2- "Soulstrippers" – 4:49
3- "The Brotherhood" – 6:51
4- "Crossfire" – 4:28
5- "Siberian Winter" – 6:29
6- "Detonator" – 3:53
7- "Pirate Song" – 3:18
8- "Unation" – 5:50
9- "Dr. Horror" – 4:55
10- "The Ghost" – 10:22
11- "Powerride" (Bonus) – 4:26
12- "Faceless" (Bonus) – 4:27

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Brotherhood - Running Wild

2010 acessosResenha - Brotherhood - Running Wild


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


Rolling StoneRolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do Metal

Paul Está Morto?Paul Está Morto?
Um Beatle morreu em 1964? O maior boato da história do rock?

5000 acessosFotos de Infância: Cradle Of Filth5000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"5000 acessosSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay5000 acessosNoisecreep: as 10 melhores canções sobre sexo5000 acessosOzzy: Zakk lembra como superou "todos aqueles palhaços" por vaga5000 acessosBruce Dickinson: "Não entrei na música para pegar mulher"

Sobre Pedro Vernini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online