Dynahead: Uma verdadeira obra conceitual e artística

Resenha - Youniverse - Dynahead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Por mais que o underground brasileiro seja reconhecido internacionalmente por causa da sua abrangência de estilos, ainda é possível se surpreender com a criatividade que contorna o trabalho de muitos grupos nacionais. Os brasilienses do DYNAHEAD podem ser apontados como um ótimo exemplo da vertente mais inovadora, já que a banda executa um gênero difícil de ser rotulado, que mistura influências do metal progressivo com a simplicidade do hard rock e a agressividade do thrash metal. Com um disco novo nas ruas via Voice Music, o quinteto tem tudo para ser uma das principais novidades de 2012.

5000 acessosDavid Gilmour: Youtuber britânica posta foto e pergunta quem é5000 acessosGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu

Em atividade desde 2004 e com um interessante debut na bagagem, o elogiado “Antigen” (2008), o quinteto brasiliense dá continuidade ao seu estilo bastante próprio, de maneira ainda mais consistente, em “Youniverse”. O novo repertório do grupo formado por Caio Duarte (vocal), Pablo Vilela (guitarra), Diogo Mafra (guitarra), Diego Teixeira (baixo) e Rafael Dantas (bateria) até pode remeter ao trabalho de bandas como MACHINE HEAD e SYSTEM OF A DOWN, mas a personalidade própria dos brasileiros é uma constante em toda a obra e distancia “Youniverse” de qualquer outra referência em termos comparativos. Não há dúvidas de que o novo material do DYNAHEAD estimula o ouvinte a uma inovadora experiência sonora – despreocupada com qualquer rótulo musical pré-estabelecido.

Com uma produção excepcional assinada pelo próprio vocalista Caio Duarte, “Youniverse” é um álbum denso e conta com onze faixas extremamente bem lapidadas. A complexidade sonora é um dos principais nortes da obra e abre as portas para que a performance do DYNAHEAD apenas agregue valor ao disco. A música de abertura, intitulada “Ylem”, representa tudo isso muitíssimo bem. Com riffs raivosos e um show a parte proporcionado pela agressividade do cantor, a faixa encontra ainda uma brecha para construir arranjos mais melódicos e obscuros. Por ser um disco completo e repleto de influências – com a vantagem de todas aparecerem bem condensadas entre si –, “Youniverse” se distancia da mesmice que vitima boa parte das bandas iniciantes. A voz limpa de Caio Duarte também funciona em outros momentos, como em “Eventicide”, mesmo que a banda mantenha a mesma linha de riffs sujos da faixa número um.

O repertório de “Youniverse” é amplo e representa de maneira condensada a maior virtude da banda. A criatividade e a riqueza de influências do DYNAHEAD formatam praticamente a obra inteira. A faixa “Inception” alia, de modo bastante natural, riffs mais próximos do hard rock com trechos extremamente agressivos, que beiram o death. Em um primeiro momento, tudo isso até pode parecer uma mistura sem sentido, mas é impressionante como o trabalho dos brasilienses é fácil de assimilar, fazendo frente até mesmo a nomes de representatividade internacional, como o ANATHEMA. A intensidade de “Unripe One”, sobretudo por conta do seu refrão mais atmosférico, salienta essa que é uma das mais imponentes faixas de todo o álbum. O mesmo se pode dizer de “Confinement in Black”, outro destaque absoluto do play.

Não há dúvidas de que os momentos mais agressivos de “Youniverse” são aqueles que mais impressionam e cativam o ouvinte. Embora seja uma das faixas mais retinhas do repertório, “My Replicator” mostra muitíssimo bem toda a capacidade técnica da banda, sobretudo do excelente baterista Rafael Dantas – que atualmente não faz mais parte do DYNAHEAD. Com um andamento um pouco mais atmosférico, “Repente Hour”, por outro lado, evidencia toda a versatilidade do grupo, que construiu um disco em que impera o bom gosto e a personalidade marcante de todos os integrantes. Na reta final da obra, “Way Down Memory Lane” retoma a faceta mais agressiva da banda, enquanto que “Redemption” surpreende por ser uma balada – em que há um quê de LEGIÃO URBANA - com toques naturalmente raivosos.

Por ser um trabalho complexo e rico em detalhes, “Youniverse” precisa de um tempo considerável para ser contemplado em toda a sua magnitude. Os brasilienses do DYNAHEAD acertaram em cheio ao construir uma verdadeira obra conceitual e artística – e não apenas um conjunto de músicas no qual se destacam apenas as mais fortes candidatas a hit. Com uma maturidade incomum por serem ainda um novato representante do nosso underground, Caio Duarte & Cia. mostraram aqui competência e qualidade de sobra para investir futuramente em um terceiro registro de estúdio. Não há dúvidas de que a DYNHEAD está no caminho certo – e também de que você precisa conferir urgentemente esse material.

Site: www.dynahead.com.br

Track-list:

01. Ylem
02. Eventide
03. Inception
04. Unripe One
05. Confinement in Black
06. Circles
07. My Replicator
08. Repetence Hour
09. Way Down Memory Lane
10. Redemption
11. Onset

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Outras resenhas de Youniverse - Dynahead

683 acessosDynahead: Proposta musical fugindo do convencional863 acessosDynahead: Uma banda que se desafia e leva o ouvinte junto


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dynahead"

Thrash MetalThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dynahead"


David GilmourDavid Gilmour
Youtuber britânica posta foto e pergunta quem é

Guns N RosesGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

DimebagDimebag
Relato e fotos inéditas do último Natal dele

5000 acessosIron Maiden: veja capa original não lançada do álbum "Virtual XI"5000 acessosReinaldo: um apaixonado pelos Scorpions5000 acessosNirvana: os dois maiores sucessos seriam plágios?5000 acessosRonnie James Dio: quando os heróis são imortais5000 acessosPink Floyd: uma análise do álbum The Wall5000 acessosJames Hetfield: Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.