Lapis Lazuli: Mesclando o Metal Sinfônico com o Gótico

Resenha - A Loss Made Forever - Lapis Lazuli

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Renato Sanson, Fonte: Road to Metal
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De cara devo dizer que a cena mundial do Metal Sinfônico está em certa decadência. Muitas bandas parecidas com os grandes medalhões como Nightwish, por exemplo.
5000 acessosCourtney Love: "Parei com drogas e transei como um coelho"5000 acessosRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos

Para muitos, a jovem banda sueca Lapis Lazuli (chegou a gravar um álbum como Aftermath, mas retornou ao nome original ao lançar o disco que estamos comentando aqui) entra nessa categoria. Talvez por não ser meu grande forte, consiga escutar sem tentar comparar com as pioneiras do estilo.

A verdade é que, por acaso, vim a conhecer o som desse grupo, justo no ano em que lançaram dois álbuns (?!), algo quase impossível nos dias de hoje.

Como estou conhecendo o som dos caras, mas já o suficiente para querer mostrar a banda aos nossos amigos leitores do blog, ainda há mais o que ser visto/ouvido deles.

Sendo sincero, parei ouvindo a banda em seu disco “A Loss Made Forever” (2011) que mescla com capacidade o Metal Sinfônico com o Gótico. Nada muito original, é certo, mas para quem curte esse tipo e som (e estilo de vida), pouco importa muita originalidade. Importante é que o som seja de qualidade e as letras representem esse lado “obscuro” do ser humano.

A banda, que é um sexteto, acabou de lançar seu segundo disco no ano, “A Justified Loss” (2011), que, se for de qualidade como seu antecessor (e nosso alvo positivo de hoje), tem tudo para estar aqui nas próximas semanas.

Mais uma dentre tantas que conta com vocalista feminina, a banda capricha nos duetos entre a loira Frida Eurenius e Timo Hautamäki (teclados e vocal), aliás, o grande líder, que também assina os teclados meio manjados, mas grandiosos, dando o clima no ponto necessário para agradar nossos ouvidos.

A dupla de guitarristas formada por Johan Karlsson e Tobias Rhodin são bem eficientes e, se não podem (ainda) serem comparados com nomes como Timo Tolkki, ex-Stratovarius (pedras voando em 3, 2, 1...) ou Morten Veland (ex-Tristania, atual Sirenia), pelo menos capricharam legal. A mesma coisa podemos falar do baixista Henrik Nyman e o baterista Jocke Ivarsson que, não se destacam (difícil com esses instrumentos no Metal Sinfônico/Gothic), mas não fazem feio.

São apenas sete músicas, que passam bem rápido, já que o CD tem em média pouco mais de meia hora (passaria como um EP, com certeza), mas também pelo som que agrada e, quando você percebe, já acabou.

De cara os vocais de Frida já te capturam, especialmente em “Serpent”, “Home” e na melhor do disco, “A Loss Made Forever”.

Uma banda que, embora mediana, vale com certeza ser conferida pelos amantes do Metal Sinfônico e Gothic Metal, sem medo. Comparações serão inevitáveis, mas se você for com os ouvidos preparados, ainda é capaz de se surpreender.

Stay on the Road

Tracklist
01. Ascension
02. A Loss Made Forever
03. The Silence
04. Home
05. Serpent (Black Sun)
06. When Dreams Collide
07. Dragged Into Shade

Formação
Frida Eurenius (Vocal)
Timo Hautamäki (Teclados e Vocal)
Johan Karlsson (Guitarra)
Tobias Rhodin (Guitarra)
Henrik Nyman (Baixo)
Jocke Ivarsson (Bateria)

Autor da resenha: Eduardo Cadore

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Lapis Lazuli"

Courtney LoveCourtney Love
"Parei com drogas e fodi como um coelho"

RoadrunnerRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

Iron MaidenIron Maiden
A tragédia pessoal do baterista Clive Burr

5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosOzzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in Rio5000 acessosBlack Metal: o cotidiano fascinante dos fãs adolescentes5000 acessosStatik Majik: A coleção de vinis do baterista Luis Carlos5000 acessosSebastian Bach: a "Escola de Grito" do vocalista5000 acessosKorn: famosa capa é homenageada em seriado da Rede Globo?

Sobre Renato Sanson

Renato Sanson é gaúcho, dono do blog Heavy And Hell, redator e editor do site Road to Metal, fãnatico por Iron Maiden e também fãnatico por Thrash Metal, dentre suas atividades já foi colaborador do site Arena Heavy e vem somando em seu currículo diversas entrevistas internacionais e nacionais e com um objetivo trassado, unir o Metal nacional e mostrar a todos que temos a melhor cena do mundo. Siga Renato Sanson no Twitter: @RenatoSanson e conheça seus dois veículos de comunicação: Heavy And Hell / Road to Metal.

Mais matérias de Renato Sanson no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online