Power Quest: A banda mais melódica do Metal Melódico

Resenha - Magic Never Dies - Power Quest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Cesar Bortolatto Simi
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Originária de Southamptom, a banda inglesa Power Quest consegue ser a banda mais melódica do Metal Melódico. O ex-tecladista do Dragonforce Steve Williams formou o grupo em 2001, e diferente de sua ex-banda, consegue se desvincular dos exageros e as boas músicas aparecem.
5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões5000 acessosComo Conservar e Recuperar Cordas de Baixo

Pela Massacre Rock Records em 2005 chegam às lojas do mundo o terceiro disco chamado “Magic Never Dies”. Nessa época, a onda do Metal Melódico estava em seu auge, invadindo os quatro cantos do mundo e com isso, muitas bandas estavam na ativa lutando pelo mesmo espaço que o Power Quest lutara.

E o que o quinteto inglês tinha de diferenciado? Estruturalmente nada, pois a banda seguia os tão falados clichês do gênero: vocais altos, riffs rápidos, bumbo duplo cheio de velocidade e muitos solos de teclado e guitarra. O que fazia a diferença no som do Power Quest é a maneira com que os elementos dessa estrutura eram aplicados.

Como já foi dito antes, se o Dragonforce é a banda mais rápida do Metal Melódico (obviamente, por motivos alheios à música), o Power Quest certamente é a mais melódica, a diferença é que na maioria das vezes a banda consegue se desvencilhar dos exageros absurdos de seus compatriotas.

O disco se inicia com a introdução sinfônica “Ascencion”, que abre alas para a chegada de “Find My Heaven”, a melhor música de toda a carreira da banda. Rápida, melódica, com muita força e pegada com um refrão cheio de energia. Perfeita abertura.

Logo no começo do disco já se percebe a forte e constante presença dos teclados de Steve Williams, que muitas vezes chegam a ter mais destaque que a guitarra de Andrea Martongelli, o que muda totalmente o clima do som da banda. No Power Quest, quem faz a base é a guitarra e o baixo, praticamente todas as melodias e riffs vem do teclado.

Com essa fórmula, a banda consegue soltar músicas poderosas como “Strike Force” e “Galaxies Unknown”, e por outro lado, acaba saindo músicas sem pegada, sem agressividade, como “Children of the Dream”, em que o teclado se sobressai demais.

Uma constante nesse disco é a atuação do vocalista Alessio Garavello, que pode até não ter uma voz tão potente e intensa, mas compensa com um timbre que se encaixa totalmente no som do grupo e muita garra na hora de cantar, principalmente na hora dos agudos, onde se sai muito bem sem ter os mesmos recursos vocais de caras como Timo Kotipelto e Michael Kiske.

No fim das contas, “Magic Never Dies” agrada bastante com seus solos de teclado e guitarra duelando, a bateria correndo o tempo todo e os ótimos refrãos cantados por Garavello. Steve foi responsável ao mesmo tempo pelo maior ponto positivo e negativo desse disco: os teclados. Quando o Power Quest consegue acertar a pegada dos teclados na medida, as boas músicas são garantidas

Track List:
01 - "Ascension" 2:04
02 - "Find My Heaven" 4:12
03 - "Galaxies Unknown" 5:02
04 - "Hold on to Love" 5:01
05 - "Diamond Sky" 3:57
06 - "The Message" 6:14
07 - "Soulfire" 5:04
08 - "Children of the Dream" 6:08
09 - "Strike Force" 6:22
10 - "Another World" 7:43
11 - "Magic Never Dies" 6:13

Line up:
Alessio Garavello – vocais
Andre Mortangelli – guitarra
Steve Scott – baixo
Steve Williams – teclados
Francesco Tresca – bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Power Quest"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Power Quest"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

SkankSkank
Banda foi enganada ao participar de programa da Xuxa

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada2962 acessosNa teoria: e se álbuns Black e Death virassem livros infantis?5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo4056 acessosTecnologia: quanto mais tempo durarão os downloads de música?

Sobre Diego Cesar Bortolatto Simi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online