In Torment: A força motriz é a brutalidade, mas com técnica

Resenha - Paradoxical Visions Of Emptiness - In Torment

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Destilando toda a agressividade do Death Metal desde 1997, o gaúcho In Torment passou pela provação das trocas de músicos e, consequentemente, de seu nome de batismo. Agruras do underground, mas com a devida dedicação foram se tornando um nome bastante ativo na região sul, o que se consolidou ainda mais após a estreia proporcionada por "Diabolical Mutilation Of Tormented Souls" em 2006, possibilitando que atingissem a meta de tocar em outros estados e até mesmo fora do Brasil.

E agora o In Torment está liberando seu segundo álbum, "Paradoxical Visions Of Emptiness", novamente pelo selo Rapture Records. Ainda que tenha como principal força motriz a brutalidade, o grupo segue com a tendência em tocar de forma cada vez mais técnica, proporcionando grande variação de tempos e valorizando cada um de seus instrumentistas – há seções de contrabaixo matadoras! – e de forma que o resultado final esteja muito mais maduro e intenso do que o oferecido no passado.

publicidade

O In Torment resolveu explorar sua veia lírica na forma de um álbum conceitual, onde o homem tivesse a habilidade de explorar reinos metafísicos entre o céu, inferno e planos astrais, seguir ainda para além destes e controlar seu próprio destino, temática muito bem representada pela arte gráfica. O fundo musical beira os 40 minutos, tendo como destaque porradas contundentes como "The Flesh And The Spirit", "Labyrinth Of Depravity" e a própria "Paradoxical Visions Of Emptiness", esta última com tal poder de fogo que foi a escolha perfeita para nomear o disco.

publicidade

Assim como seu antecessor, "Paradoxical Visions Of Emptiness" também foi gravado por Sebastian Carsin no estúdio Hurricane de Porto Alegre, e toda sua concepção visual foi assinada pelo guitarrista Rafael Giovanoli. Já com distribuição garantida nos EUA via Sevared Records e Europa pelo selo Pathologically Explicit, este é um trabalho que tem tudo para novamente repetir a boa recepção de seu debut. Totalmente recomendado aos amantes do metal extremo e técnico!

publicidade

Contato:
http://www.myspace.com/intormentbr
http://www.intorment.com.br

Formação:
Alex - voz
Rafael - guitarra
Alexandre - guitarra
Maiquel - baixo
Aires - bateria

In Torment - Paradoxical Visions Of Emptiness
(2011 / Rapture Records - nacional)

publicidade

01. The Flesh And The Spirit
02. Illogical Revelations
03. Labyrinth Of Depravity
04. Elements Of Sadistic Cruelty
05. Smashed Into Oblivion
06. Beyond The Consciousness
07. Paradoxical Visions Of Emptiness
08. Homicidal Cognitive States
09. Timeless Murderer




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Metallica: os motivos da saída de Jason NewstedMetallica
Os motivos da saída de Jason Newsted


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin