Hutt: Entre os mais dignos representantes do Grind nacional

Resenha - Monstruario - Hutt

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar Correções  

publicidade

9


AAAAAAAAAAAAAARGH!!!!!!!!! Sim, eles estão de volta!!! Apesar do lançamento discreto pela Criminal Attack (www.criminalattack.com), bem oposto do nível de barulho desse play aqui, a Hutt mais uma vez nos agracia com seu insano grindcore. Quem já conhecia os trabalhos anteriores ("Sessão Descarrego" é referência nacional – ler resenha no link ao final) já pode e deve se animar, porque os caras continuam fidelíssimos ao nosso amado underground. Sim, ao lado da Facada e S.O.H. – já escrevi isso antes - eles são os mais dignos representantes do grind nacional.

Rockstars: Tatuagens que possivelmente geram arrependimento

Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionais

Para começar, destaco o vocal ininteligível de Appezzato. Ele vai do gutural ao rasgado naturalmente, e mesmo lendo (ou tentando ler) as letras, o desafio de tentar acompanhar o que o cara canta é alto. Ótimo, porque assim, somos obrigados a ter o prazer de ouvir cada música mais de uma vez.

Já que falei nas letras, preciso destacar aqui a beleza do encarte do CD: a começar pela capa maravilhosa, totalmente HQ (também como em "Sessão Descarrego", mas aqui, em cores). Essa estética é adotada ao longo das páginas, resultando em uma arte gráfica primorosa.

E o conteúdo das mensagens, mesmo para quem está habituado a esse tipo de tom, é chocante e altamente ácido. Chequem "Jesus Ralado", por exemplo. Pura corrosão.

Mas o restante dos músicos não deixa por menos: Liandro e André comandam respectivamente guitarra e baixo com riffs ultra pesados, diretos e empolgantes. Parabéns pelos timbres! Já a bateria, nem se fale. O senhor D. Klink é um andróide programado para metralhar. É a única explicação plausível para o massacre que proporciona.

Bom, por trás da produção, adivinhem quem? Pois é, mais uma vez, Ciero (Da Tribo Studio), o melhor do Brasil no som extremo. Uma pena a duração do CD ser tão curta. Mesmo assim, o estrago está feito. Um terremoto em máxima escala.

Nem preciso dizer que "Monstruario" é obrigatório, não na prateleira, mas no aparelho de som de qualquer fã de música brutal. Bom candidato a um dos melhores de 2011!

Link para resenha do "Sessão Descarrego":
http://somextremo.blogspot.com/2011/08/hutt-sessao-descarreg...

Hutt – Monstruario
Criminal Attack Records – 2011 – Brasil
http://www.myspace.com/huttgrind

TRACKLIST
1-Fragre o Noise
2-Maçonaria Grind
3-Pelo Menos Existe o Judas Priest
4-O que não Existe
5-O Barack é que o Obama tem no meio Hussein
6-Três Ratos
7-Extreme Noise Belo
8-Donega
9-Cirlaine F., Mal Paga e Subnutrida
10-AIDSociety
11-Deuzebu
12-Bejjah Lattah
13-Jane Bótucolete
14-Controle Necessário
15-Homem Invisível
16-Síndrome de Donald
17-A Conquista do Planeta dos Macacos
18-Profissão Mendigo
19-Dis Ist
20-Jazigo Perpétuo
21-Lamúrias
22-"Vítimas da Miséria"
23-Jesus Ralado




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rockstars: Tatuagens que possivelmente geram arrependimentoRockstars
Tatuagens que possivelmente geram arrependimento

Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin