Megadeth: Mustaine retorna conservador e sem ousadia

Resenha - Th1rt3en - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Décimo-terceiro álbum de estúdio do Megadeth, "Th1rt3en" será saudado pelos fãs como um dos melhores discos do grupo de Dave Mustaine. A razão para isso é simples: suas treze faixas caminham sobre terreno seguro, testado e aprovado nos trabalhos anteriores do grupo. Dave Mustaine retorna conservador e sem ousadia, o que, em um gênero como o heavy metal, não é necessariamente ruim.
8 acessosMegadeth: Dave Mustaine conta qual o seu riff favorito5000 acessosMulheres no Rock: as mais importantes segundo rádio inglesa

Produzido por Johnny K (Machine Head, Sevendust, Disturbed), "Th1rt3en" marca o retorno do baixista Dave Ellefson ao grupo. Completando o line-up temos os excelentes Chris Broderick (guitarra) e Shawn Drover (bateria). Bastante inferior ao trabalho anterior – o ótimo "Endgame" (2009) -, o álbum se equilibra entre momentos de brilho esparso e outros onde soa apenas burocrático. A abertura, com “Sudden Death”, apesar dos riffs interessantes, não evolui para uma composição que mereça maiores atenções. O mesmo vale para faixas como “We the People”, “Guns, Drugs & Money” e “Black Swan”, que apenas preenchem espaço.

No entanto, quanto acerta a mão, Mustaine acerta mesmo. “Public Enemy No. 1” é excelente, unindo o hard rock e o heavy metal com enormes doses de melodia. “Fast Lane” é um meio termo entre a sonoridade dos álbuns "Countdown to Extinction" (1992) e "Youthanasia" (1994), enquanto a balada “Millennium of the Blind” se destaca por sair do comum e trazer um pouco de ousadia a um álbum que tem os dois pés ficados no tradicionalismo.

É interessante fazer um paralelo entre os momentos vividos pelo Megadeth e por seu eterno antagonista, o Metallica. Enquanto James Hetfield e sua turma arriscam, mais uma vez, a sua reputação em um disco ousado e controverso – "Lulu", parceria com Lou Reed -, Dave Mustaine lança um de seus trabalhos mais ortodoxos. O que vai acontecer? Grande parte dos fãs de heavy metal, conservadores por natureza, vai receber "Th1rt3en" de braços abertos com frases feitas como “isso sim é música de verdade”, “heavy metal se faz assim” e “Mustaine mostra para o Metallica como é que se faz, mais uma vez”. No entanto, "Th1rt3en" é um álbum apenas mediano, com composições que, salvo raras exceções, não acrescentam nada à carreira do Megadeth, ao contrário de seu antecessor – "Endgame" -, que era um disco primoroso.

O Megadeth é uma banda histórica e que merece respeito por tudo o que já produziu, mas isso não faz com que, vez ou outro, o grupo cometa pequenos deslizes. "Th1rt3en" é um desses escorregões. Pouco inspirado, repetitivo em diversos momentos, é indicado apenas para os fãs. Se você é um deles, compre, nem que seja apenas para não deixar um espaço em branco em sua coleção.

Faixas:
Sudden Death
Puclis Enemy No. 1
Whose Life (Is Ti Anyways?)
We the People
Guns, Drugs & Money
Never Dead
New World Order
Fast Lane
Black Swan
Wrecker
Millennium of the Blind
Deadly Nightshade
13

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Th1rt3en - Megadeth

5000 acessosMegadeth: Uma retrospectiva de todo o material da banda5000 acessosMegadeth: álbum mostra toda a genialidade de Dave Mustaine

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de outubro de 2011

MegadethMegadeth
Dave Mustaine conta qual o seu riff favorito

3121 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa533 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Em vídeoEm vídeo
Ouça James Hetfield cantando Megadeth

Heavy MetalHeavy Metal
Os vinte melhores álbuns da década de 80

MegadethMegadeth
Se Adler quiser, ele pode ser o baterista oficial

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Mulheres no RockMulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

Ratos de PorãoRatos de Porão
O elogio de João Gordo aos garotos do Restart

MetalMetal
Nomes do gênero que assumiram ser cristãos

5000 acessosMulheres no Rock: as mais importantes segundo rádio inglesa5000 acessosAndre Matos: confira o incrível alcance do vocalista5000 acessosEm 19/03/1982: Randy Rhoads morre em um acidente de avião5000 acessosJudas Priest: Rob Halford conta qual é seu "agudo" favorito5000 acessosQueen: nova foto de John Deacon circula pela rede5000 acessosMauricio Meirelles: A opinião do comediante sobre o rock nacional

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online