Resenha - A Rose for the Apocalypse - Draconian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes, Fonte: Blog Heavy Nation
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O último lançamento do DRACONIAN, o álbum "Turning Season Within", foi em 2008. O tempo passou e somente agora, em 2011, estes suecos nos brindam com seu quinto e mais recente trabalho. Sob o nome "A Rose for the Apocalypse" a banda mantém a mesma estrutura das obras anteriores: riffs lentos e pesados, bateria marcando forte, vocalizações masculinas guturais contrapondo-se às vozes femininas e suaves. Tudo isso resulta em um Doom Metal recheado de melancolia e tristeza.

Metal Extremo: chocando os jurados em reality-showsFotos de Infância: Ozzy Osbourne

A música de abertura, "The Drowning Age", começa devagar, quase silenciosa, meio enigmática e com um instrumental que vai aumentando até assumir maior rapidez e peso. Após pouco mais de dois minutos há uma rápida variação rítmica e os vocais masculinos ficam limpos e sussurrados, contribuindo assim para a criação de um clima mais atmosférico e denso. O trabalho segue com "The Last Hour Ancient Sunlight" e seus riffs tristes, solo de guitarra eficiente e muito peso. Certamente a melhor do álbum e também responsável por um clipe bem produzido e interessante. Um presente maravilhoso aos fãs. "End of the Rope" é a canção onde detectamos menor presença de vocalizações femininas: somente em dois trechos. "Dead World Assembly" é outra que chama atenção e inicia com uma guitarra que parece chorar. O final da "A Phantom Dissonance" praticamente emenda com "The Quiet Storm".

De uma maneira geral, "A Rose for the Apocalypse" é um álbum bastante homogêneo, mas não há muitas surpresas e nada soa inédito. As músicas possuem estruturas um tanto parecidas, até mesmo por conta da dinâmica do estilo. Se acompanhar o encarte, por exemplo, há trechos em que fica previsível quando será o momento em que o vocal feminino irá entrar. De qualquer forma isso não é um demérito para a banda. Seria injusto dizermos que esta obra apresenta grandes problemas. Pelo contrário, há pontos altos: o vocalista Anders Jacobsson possui uma voz forte e canta demonstrando grande fúria; a voz de Lisa Johansson é belíssima; e nitidamente percebemos a competência dos músicos. O que acontece é que o DRACONIAN realiza um álbum que é praticamente um clichê. E quem disse que isso é algo ruim? O clichê neste segmento, de modo geral, é bastante eficiente quando feito com propriedade. E aqui, além de funcional, é muito bom. Canções feitas por músicos talentosos com qualidade e que conseguem, ainda que utilizando uma fórmula pronta e usual, cativar e envolver.

Line-up:
Anders Jacobsson - Vocal
Lisa Johansson - Vocal
Johan Ericson - Guitarra
Daniel Arvidsson - Guitarra
Fredik Johansson - Baixo
Jerry Torstensson - Bateria

Faixas:
1. The Drowning Age
2. The Last Hour Ancient Sunlight
3. End of the Rope
4. Elysian Night
5. Deadlight
6. Dead World Assembly
7. A Phantom Dissonance
8. The Quiet Storm
9. The Death of Hours
10. Wall of Sighs




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Draconian"


Metal Calcinha: onze bandas lideradas por mulheresMetal Calcinha
Onze bandas lideradas por mulheres


Metal Extremo: chocando os jurados em reality-showsMetal Extremo
Chocando os jurados em reality-shows

Fotos de Infância: Ozzy OsbourneFotos de Infância
Ozzy Osbourne

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzNirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivoGuns N' Roses: Duff Mckagan se acha um baixista subestimado?On The Road: Rimbaud e Morrison

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.