Draconian: Clichê, mas quem disse que isto é ruim?

Resenha - A Rose for the Apocalypse - Draconian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Pierre Cortes, Fonte: Blog Heavy Nation
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O último lançamento do DRACONIAN, o álbum “Turning Season Within”, foi em 2008. O tempo passou e somente agora, em 2011, estes suecos nos brindam com seu quinto e mais recente trabalho. Sob o nome “A Rose for the Apocalypse” a banda mantém a mesma estrutura das obras anteriores: riffs lentos e pesados, bateria marcando forte, vocalizações masculinas guturais contrapondo-se às vozes femininas e suaves. Tudo isso resulta em um Doom Metal recheado de melancolia e tristeza.
5000 acessosHipgnosis: as dez capas de álbuns mais famosas5000 acessosMetallica: o jogo sujo da banda com o baixista Ron McGovney

A música de abertura, “The Drowning Age”, começa devagar, quase silenciosa, meio enigmática e com um instrumental que vai aumentando até assumir maior rapidez e peso. Após pouco mais de dois minutos há uma rápida variação rítmica e os vocais masculinos ficam limpos e sussurrados, contribuindo assim para a criação de um clima mais atmosférico e denso. O trabalho segue com “The Last Hour Ancient Sunlight” e seus riffs tristes, solo de guitarra eficiente e muito peso. Certamente a melhor do álbum e também responsável por um clipe bem produzido e interessante. Um presente maravilhoso aos fãs. “End of the Rope” é a canção onde detectamos menor presença de vocalizações femininas: somente em dois trechos. “Dead World Assembly” é outra que chama atenção e inicia com uma guitarra que parece chorar. O final da “A Phantom Dissonance” praticamente emenda com “The Quiet Storm”.

De uma maneira geral, “A Rose for the Apocalypse” é um álbum bastante homogêneo, mas não há muitas surpresas e nada soa inédito. As músicas possuem estruturas um tanto parecidas, até mesmo por conta da dinâmica do estilo. Se acompanhar o encarte, por exemplo, há trechos em que fica previsível quando será o momento em que o vocal feminino irá entrar. De qualquer forma isso não é um demérito para a banda. Seria injusto dizermos que esta obra apresenta grandes problemas. Pelo contrário, há pontos altos: o vocalista Anders Jacobsson possui uma voz forte e canta demonstrando grande fúria; a voz de Lisa Johansson é belíssima; e nitidamente percebemos a competência dos músicos. O que acontece é que o DRACONIAN realiza um álbum que é praticamente um clichê. E quem disse que isso é algo ruim? O clichê neste segmento, de modo geral, é bastante eficiente quando feito com propriedade. E aqui, além de funcional, é muito bom. Canções feitas por músicos talentosos com qualidade e que conseguem, ainda que utilizando uma fórmula pronta e usual, cativar e envolver.

Line-up:
Anders Jacobsson – Vocal
Lisa Johansson – Vocal
Johan Ericson – Guitarra
Daniel Arvidsson – Guitarra
Fredik Johansson – Baixo
Jerry Torstensson – Bateria

Faixas:
1. The Drowning Age
2. The Last Hour Ancient Sunlight
3. End of the Rope
4. Elysian Night
5. Deadlight
6. Dead World Assembly
7. A Phantom Dissonance
8. The Quiet Storm
9. The Death of Hours
10. Wall of Sighs

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Draconian"

Metal CalcinhaMetal Calcinha
Onze bandas lideradas por mulheres

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Draconian"

HipgnosisHipgnosis
As dez capas de álbuns mais famosas

MetallicaMetallica
O jogo sujo da banda com o baixista Ron McGovney

PanteraPantera
22 coisas que você provavelmente não sabia

5000 acessosDi'Anno: "Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"5000 acessosMetal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvir!5000 acessosBizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James Dio5000 acessos10 anos de Temple of Shadows: A saga do Caçador da Sombra5000 acessosVan Halen: Hagar detona o vocal de Roth em novos comentários5000 acessosMetallica: quadrinhos retratam Mustaine bêbado e Hetfield heróico

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online