Crosby, Stills, Nash & Young: Ao vivo como tem que ser

Resenha - 4 Way Street - Crosby, Stills, Nash & Young

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Parece ser um consenso o fato de a década de 1970 ter gerado os mais marcantes registros ao vivo desde os primórdios do Rock´n´Roll... E nesta considerável e ilustre lista também figura “4 Way Street”, o primeiro registro ‘live’ do Crosby, Stills, Nash & Young, lançado há quatro décadas. Considerando o passado de cada um de seus integrantes – David Crosby veio do The Byrds; Stephen Stills e Neil Young passaram pelo quixotesco Buffalo Springfield e Graham Nash foi do pop britânico The Hollies – nada mais natural que este seja considerado como o primeiro super grupo de Folk Rock da história.
5000 acessosBon Jovi: chocando companheiros de banda com confissão5000 acessosFotos de Infância: Gene Simmons, do Kiss

A realidade é que tudo começou com um trio debutando com o auto-intitulado “Crosby, Stills & Nash” em 1969, pela Atlantic Records, e que vingou os hits "Marrakesh Express" e "Suite: Judy Blue Eyes", fazendo com que o disco atingisse a marca de quatro milhões de cópias vendidas e empurrasse a banda ao estrelato. Mas, para que uma turnê realmente desse certo, eles precisavam de mais um músico, e é aí que entra o temperamental Neil Young, que aceitou participar do grupo se este não entrasse em conflito com sua carreira solo, que já contava com a simpatia de muitos na ocasião.

Assim, com quatro guitarristas que também eram cantores (ou vice-versa?), o agora rebatizado Crosby, Stills, Nash & Young lançou “Déjà Vu” em 1970. E, diante do talento e energia criativa do quarteto, emplacaram canções do porte de "Our House", "Teach Your Children" e "Woodstock" (cover de Joni Mitchell), fazendo com que o disco vendesse 7 milhões de cópias e saltasse para o topo das paradas de sucesso, onde permaneceu por vários anos.

Com toda essa repercussão positiva, foi natural que a Atlantic organizasse uma turnê para atender ao desejo do público em ver estas feras tocando pelos EUA. E foi desta série de apresentações que surgiu o álbum “4 Way Street”, cujas canções foram captadas dos shows que aconteceram entre os meses junho e julho de 1970, no The Fillmore East (New York), no The Chicago Auditorium (Chicago) e no The Forum (Los Angeles).

Chegando às lojas em 1971 no formato vinil duplo, “4 Way Street” apresentava como novidade o fato de um disco ser acústico e o outro, elétrico. Todo o espaço interno do projeto gráfico foi preenchido com uma foto preto e branco, gigantesca, onde Crosby, Stills, Nash e Young aparecem sentados em um vestiário, e dois deles curiosamente emoldurados por um cabide de arame. As tradicionais informações foram banidas da contracapa, concentrando-se nos encartes internos que embalavam os discos, inclusive com as letras das canções, algo relativamente raro em se tratando de discos ao vivo.

O repertório, como era de se esperar, não trazia apenas as músicas dos já citados dois álbuns de estúdio. Mais da metade do material veio das bandas anteriores ou dos trabalhos solo do quarteto, e incluíram também composições até então inéditas como “Chicago” e "Right Between The Eyes", de Graham Nash; além de “The Lee Shore” e a polêmica "Triad", composta em 1967 por David Crosby e destinada ao The Birds, que a recusou pela temática hedonista e claramente hippie: ‘ménage à trois’ – quem a acabou gravando o Jefferson Airplane no disco “Crown Of Creation”, de 1968.

Apesar da decisão em mutilar tão grotescamente a abertura “Suite: Judy Blue Eyes”, deduzindo-a a meros 30 segundos (o argumento foi que a banda não queria outra versão deste single invadindo novamente as rádios dos EUA), a audição flui de forma maravilhosa. Não há como não ser atraído para as versões de “Southern Man" e "Carry On", com Neil Young e Stephen Stills alimentando-se um do outro e proporcionando longos devaneios que se estendem por até treze minutos, uma prática comum na época.

E, quer admitam ou não, tudo é executado de forma um tanto quanto áspera e, porque não dizer, quase desleixada, características mais evidentes no disco 02, o elétrico. Mas, por outro lado, é exatamente essa carência de artifícios de estúdio que permite a apreciação dos vários erros que aparecem regularmente. Ou seja, um real disco ao vivo, como tem que ser.

Já em um contexto histórico um pouco mais profundo, vale lembrar que este disco surgiu na conturbada esteira do final da década de 60 e início da 70, em meio aos tumultos raciais que assolavam alguns estados norte-americanos, os famosos distúrbios em inúmeras universidades, Guerra do Vietnã e outras agruras em que os EUA estavam atolados... Parte da geração hippie, que tanto ansiava por uma real filosofia voltada à paz e amor no cotidiano dos povos, simplesmente renegou este disco, pois, com exceção de algumas faixas como “Chicago”, “America's Children” e “Ohio”, o fato é que não há grande interesse por temas políticos por aqui.

De qualquer forma, esses fissurados pela Era de Aquário eram a minoria entre o público. Tanto que, além da abrangência dos temas, é inegável que foi a inspiração e, principalmente, todo o alto astral e empatia entre banda e público presentes neste registro que ajudaram a elevar os nomes Crosby, Stills, Nash e Young ao status de ícones, permanecendo na memória não só dos norte-americanos, mas também dos amantes do gênero em inúmeras outras nações. Um exemplo? Atentem para o comecinho de “Right Between The Eyes”, onde a brincadeira faz com que a platéia gargalhe entusiasmadamente e contagie até mesmo quem está escutando o disco.

Infelizmente, por trás de toda a genialidade residia uma insistente tensão, em especial entre Stephen Stills e Neil Young, a tal ponto de os músicos perderem toda a compostura e ‘saírem no braço’ por vários dos vestiários em que iam parando. Esses atritos já começaram antes mesmo da excursão e somente aumentaram com o passar dos meses; os egos que não cediam espaço acumulavam cada vez mais atritos e a alternativa mais saudável foi a dissolução do Crosby, Stills, Nash & Young, logo após “4 Way Street” ter sido lançado.

Ainda que cada um desses músicos tivesse mantido uma trajetória relevante pelos anos seguintes, uma nova reunião envolvendo Crosby, Stills e Nash aconteceu em 1977, onde liberaram o “CSN” – mas o recluso Neil Youg optou por não fazer parte desta segunda tentativa de tocar com os ex-companheiros. Mas essas são histórias para outra ocasião...

Como complemento, “4 Way Street” ganhou uma nova versão em meados de 1992, onde cada músico acrescentou outra faixa de sua autoria ao repertório. Nash revisitou o The Hollies com o single "King Midas In Reverse", de 1967; Crosby ofereceu "Laughing"; Stills veio com "Black Queen" e Young destilou um medley de “The Loner”, “Cinnamon Girl” e “Down By The River". Mas nada de a tal “Suite: Judy Blue Eyes” aparecer na íntegra…

E, para finalizar estas linhas, vale mencionar que “4 Way Street” também chegou ao primeiro posto das paradas de sucesso norte-americanas, vendendo nada menos do que meras quatro milhões de cópias. Multiplatinado! Permanece firme e forte após quarenta anos de seu lançamento e é uma essencial declaração musical aos colecionadores, independente das subdivisões em que o Rock´n´Roll se espalhou nas últimas décadas.

Formação:
David Crosby - voz e guitarra
Stephen Stills - voz, guitarra e teclado
Graham Nash - voz, guitarra e teclado
Neil Young - voz, guitarra, harmônica e teclado
Calvin ‘Fuzzy’ Samuels - baixo
Johnny Barbata - bateria

Crosby, Stills, Nash & Young - 4 Way Street
(1971 / Atlantic Records)

Side 01 (acústico)
01. Suite: Judy Blue Eyes (Stephen Stills)
02. On The Way Home (Neil Young)
03. Teach Your Children (Graham Nash)
04. Triad (David Crosby)
05. The Lee Shore (Crosby)
06. Chicago (Nash)

Side 02 (acústico)
07. Right Between The Eyes (Nash)
08. Cowgirl In The Sand (Young)
09. Don't Let It Bring You Down (Young)
10. 49 Bye-Byes / For What It's Worth / America's Children (Stills)
11. Love The One You're With (Stills)

Side 03 (elétrico)
12. Pre-Road Downs (Nash)
13. Long Time Gone (Crosby)
14. Southern Man (Young)

Side 04 (elétrico)
15. Ohio (Young)
16. Carry On (Stills)
17. Find The Cost Of Freedom (Stills)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

Bon JoviBon Jovi
Chocando companheiros de banda com confissão

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Gene Simmons, do Kiss, muito antes da fama

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

5000 acessosDimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do Kiss5000 acessosDepressão: 10 músicas que devem ser evitadas5000 acessosGóticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 803948 acessosMetallica: James Hetfield explica decisão de abandonar seu perfil no Instagram5000 acessosIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhor4919 acessosRob Zombie: fazer turnê com o Slayer não foi tão legal assim

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online