Lemmy: Documentário infelizmente não lhe faz justiça

Resenha - 49% Motherf**ker, 51% Son Of A Bitch - Lemmy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Petri da Costa
Enviar Correções  


O documentário sobre o frontman do Motörhead foi lançado oficialmente ano passado e exibido nos cinemas em alguns países. O DVD duplo (e também a versão em blu ray em disco único) finalmente saiu no comeco desse ano recheado de extras, sendo que o segundo disco somente conta com esses extras.

Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvir

Não há dúvida nenhuma que Lemmy Kilmister é uma lenda viva. Ele tem quase 50 anos só de carreira, e sendo que desses 50 anos, 36 são dedicados ao grande Motörhead. Tudo isso significa que ele não é um "tema" fácil de se lidar, afinal ele tem muita história, e pode ser difícil lidar com tanto "material".

Infelizmente o documentário, que tem por volta de 115 minutos de duração, não consegue fazer justiça à essa lenda viva. Greg Olivier e Wes Orshoski passaram por volta de 3 anos trabalhando nesse documentário e parece que nesse todo tempo eles simplesmente foram seguindo Lemmy, sem nenhuma direcão certa do que fazer, esperando que se juntassem um monte de entrevistas, depoimentos e música ao vivo seria suficiente. Às vezes isso funciona, o documentário tem seus bons momentos como Lemmy e seu filho Paul conversando (e também as entrevistas somente com Paul), Lemmy comentando brevemente da infância e família e o documentário tem uma excelente trilha sonora, que não consiste somente de Motörhead.

O grande problema é que os depoimentos dos admiradores/fãs/amigos famosos de Lemmy parecem ter mais destaque (ou pelo menos mais tempo) do que o próprio Lemmy. Ao meu ver um documentário sobre uma pessoa deveria se concentrar mais nessa pessoa em particular, não ficar juntando milhares de depoimentos de outros. Sem contar que não há nada de especial em ouvir o que esses fãs/admiradores/amigos famosos têm a dizer sobre o estilo do Lemmy ou qual é a música favorita do Motörhead deles. São coisas que não acrescentam nada e assim como a montagem da vida na turnê do Motörhead, são momentos que Greg Olivier e Wes Orshoski simplesmente deveriam ter cortado na edição e colocado algo mais interessante.

O resultado final é um belo tributo, uma introdução à Lemmy para aqueles que não são fãs dele ou que simplesmente não sabem quem ele é e mais nada. Para os fãs de Lemmy (e obviamente de Motörhead), recomendo a biografia do Lemmy ("White Line Fever"), escrita por ele mesmo com Janiss Garza, que tem histórias muito mais interessantes e não há uma montanha de convidados contado anedotas.

O segundo disco do DVD tem extras excelentes, alguns bem chatos e alguns que simplesmente são uma extensão do que foi mostrado no documentário. Começando pelas boas coisas: "Live Motörhead" é obviamente a banda ao vivo, e conta com as músicas "Be My Baby", "Just Cos You Got The Power", "Going to Brazil", "Killed by Death" (com Danko Jones e Nina C. Alice cantando o refrão), "Iron Fist" e "Ace of Spades" num festival em Berlin, Alemanha, na turnê do "Kiss of Death". Também há "Whorehouse Blues" (passagem de som na tour do Motörizer + ao vivo na Finlândia) e "Back Door Man" (passagem de som do "Motörizer" na Russia). "Lemmy & Metallica in Nashville" mostra Lemmy ensaiando com o Metallica duas músicas, "Damage Case" e "Too Late Too Late", e depois cantando essas mesmas músicas num show do Metallica em Nashville. Há também uma boa conversa com o ex-guitarrista "Fast" Eddie Clarke lembrando do tempo dele na banda, isso é intercalado com depoimentos de Lemmy e outros. Uma breve entrevista com Matt Sorum (Velvet Revolver, ex- Guns 'n' Roses) falando de como ele tocou bateria com o Motörhead por algumas semanas na turnê do "Motörizer" nos Estados Unidos.

As outras coisas legais são os "superfãs" do Motörhead no "Meet the Superfans" e uma olhada no crew da banda no "We Are The Road Crew". Ambos são de uma maneira um tributo do Lemmy e do Motörhead para os fãs e a equipe que trabalha com a banda. Você realmente percebe como não há estrelismo por parte de Lemmy e cia., seja como eles ajem com os fãs ou com a equipe. O último que merece atenção é algumas entrevistas com Lemmy em versões extendidas.

De resto há coisas chatas como o "The Making of Lemmy", uma breve (menos de 10 minutos) conversa com os dois produtores/ roteristas/ diretores, que não contam o processo de filmagem ou até de edição, ou como eles chegaram em contato com Lemmy ou até mesmo porque eles decidiram fazer esse documentário. Ao invés de uma boa entrevista, temos anedotas e mais anedotas. Os breves "documentários" sobre o guitarrista Phil Campbell e o baterista Mikkey Dee ifelizmente não são muito interessantes. "The Sweet Side of Lemmy", sobre o lado "doce" dele, é algo esquecível.

Fora isso têm também as conversas de Lemmy com Dave Grohl e Billy Bob Thorton na íntegra, uma olhada na festa de 50 anos de Lemmy com a presença do Metallica, o um breve "making of" do "Motörizer" e uma versão extendida da entrevista com o wrestler Triple H.

Documentário - Nota: 7
Extras – Nota: 8,5

DVD 1: Documentário

DVD 2: Extras

Live Motorhead
Lemmy & Metallica in Nashville
Lemmy's 50th Birthday with Metallica
The Making of Lemmy
Lord Axsmith (Phil Campbell) Feature
Mikkey Dee Feature
Clarke - Kilmister – Taylor
We Are The Road Crew
Meet the Superfans
Triple H Interview Outtakes
Lemmy Interview Outtakes
Matt Sorum Featurette
The Sweet Side of Lemmy
Lemmy in the Studio / The Making of Motorizer
Dave Grohl & Lemmy Full Conversation
Billy Bob Thornton & Lemmy Full Conversation


Outras resenhas de 49% Motherf**ker, 51% Son Of A Bitch - Lemmy

Lemmy: Ortodoxo das leis que regem um rocker



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985Os Trapalhões
Uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvirMetal Extremo
Algumas bandas que você precisa ouvir


Sobre Petri da Costa

Fanático por cinema e música, colaborou como correspondente na Finlândia para a RockHard-Valhalla de 2002 até 2008, escrevendo reviews de shows e cds. Tem colaborado com a whiplash desde 2007.

Mais matérias de Petri da Costa no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin