Dark Funeral: Um trabalho verdadeiramente irretocável!

Resenha - Angelus Exuro Pro Eternus - Dark Funeral

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lord Destructo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma montanha caindo sobre você! Essa é a impressão que se tem ao ouvir os primeiros acordes de "The End of Human Race", faixa de abertura do quinto álbum de estúdio do DARK FUNERAL.

Cradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?Keith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugar

Intitulado com o singelo nome "Angelus Exuro Pro Eternus" (do latim, algo como "Queimando Anjos pela Eternidade") uma arte de capa que você fica se perguntando: "de onde o cara que desenhou isso tirou essas imagens?".

Todos os elementos clássicos da sonoridade dessa horda sueca estão lá. Frases de guitarra feitas por Lord Ahriman em escalas sombrias e melodias soturnas, os vocais de Calígula cada vez mais doentios e desesperados, bateria que a cada álbum fica mais devastadora com bumbos incessantes e blast beats para ninguém colocar defeito e todo o clima caótico e infernal que o DARK FUNERAL é especialista em expressar na sua arte.

Este álbum é um grande salto de qualidade em relação ao anterior "Attera Totus Sanctus" (2005) porém, numa visível continuidade de elementos explorados neste como, músicas mais cadenciadas, os vocais de Emperor Magus Calígula trabalhados de modo que não soam mais como na época de "Diabolis Interium" (2001) e os anteriores, isto é, mais lineares sempre naquele urro agudo com berros esporádicos.

O som de "Angelus Exuro Pro Eternus" é "cheio", ou seja, a produção do álbum foi feita de modo que a atuação das guitarras, baixo, bateria e vocal juntos formam um volume musical imenso e sujo, mas sem estar emaranhado ou irritante.

A faixa de abertura como eu disse antes é uma montanha desabando, um peso incrível, com cadências de baixo-bateria inusitadas em meio aos riffs matadores de Ahriman. Na seqüência, "The Birth of The Vampiir" não alivia com um andamento de tirar o fôlego, "Stigmata" segue a paulada, com melodias sombrias na ponte para o refrão, "My Funeral" a "música de trabalho" do álbum (é estranho afirmar que uma banda de Black Metal tem uma música de trabalho) é mais cadenciada com clima sinistro igual ao do vídeo clipe. A faixa título e a que julgo ser a melhor "Demons of Five" continuam o massacre sonoro com Calígula explorando muito bem os vocais guturais, "Declaration of Hate" uma boa pedrada com mais uma atuação incrível do vocalista, "In My Dreams" com um andamento mais lento porém, extremamente pesado precede a excelente "My Latex Queen" que encerra muito bem os quarenta e seis minutos de devastação sonora promovida pela banda.

Outro diferencial deste álbum é a volta do experiente Peter Tägtgren como produtor, o que demarca a diferença entre o lançamento anterior "Attera Totus Sanctus" (2005) produzido por Daniel Bergstrand e Örjan Örnkloo. Em algumas partes a sonoridade desse álbum lembra levemente o já citado "Diabolis Interium" de 2001, também gravado sob os auspícios do mesmo produtor.

Pode-se dizer que ao conter os elementos do lançamento de 2001 e ao mesmo tempo agregar as mudanças que surgiram no álbum de 2005, Lord Ahriman e cia conseguiram consolidar e ao mesmo tempo renovar sua identidade sonora. Fato que ajuda a classificar esta horda como uma das mais importantes e influentes da cena Black Metal européia e quiçá mundial.

Considero esse um dos melhores lançamentos de 2009 e o melhor álbum do DARK FUNERAL até o momento. Nele estão as características próprias do timbre inconfundível da guitarra de Lord Ahriman, os vocais cada vez mais desesperados de Calígula, uma "cozinha" que sabe ser rápida e cadenciada nos momentos certos. Irretocável!

Site: http://www.darkfuneral.se

Origem: Suécia
Lançamento: 2009
Selo: Regain Records

Line-up:
Lord Ahriman (guitarra)
Emperor Magus Calígula (vocal)
Chaq Mol (guitarra)
Dominator (bateria)
B-Force (baixo)

Faixas:
1."The End of Human Race" - 4:43
2."The Birth of The Vampiir" - 4:50
3."Stigmata" - 5:06
4."My Funeral" - 5:30
5."Angelus Exuro pro Eternus" - 5:04
6."Demons of Five" - 4:48
7."Declaration of Hate" - 5:24
8."In My Dreams" - 6:30
9."My Latex Queen" - 5:21

Tempo total: 46:58




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Funeral"


Metal Injection: os cinco bateristas mais insanos do Black MetalMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

Metal: em vídeo, 10 bandas satanistas de fatoMetal
Em vídeo, 10 bandas satanistas de fato

Justin Bieber: convidado para participar de show do Dark FuneralJustin Bieber
Convidado para participar de show do Dark Funeral


Cradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?Cradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

Keith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugarKeith Richards
Colocando Justin Bieber em seu devido lugar

Total Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da históriaTotal Guitar
Os 20 melhores riffs de guitarra da história

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gêneroZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarristaAudioslave: filmagem profissional de Serj Tankian cantando "Like a Stone"

Sobre Lord Destructo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336