Hammerfall: Dando mais um passo em sua evolução musical

Resenha - Infected - Hammerfall

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  


Os suecos do HAMMERFALL começaram sua carreira no final dos anos 90, resgatando um estilo que estava um pouco deixado de lado na época: o metal tradicional, na linha dos alemães do ACCEPT, e com forte influência do NWOBHM, acrescentando elementos de metal melódico, o que lhes rendeu grande repercussão no meio metálico.

E o começo do grupo foi muito promissor, lançando trabalhos excelentes, como "Glory to the Brave", "Legacy of Kings", "Renegade" e "Crimson Thunder". Contudo, a partir do álbum "Chapter V: Unbent, Unbowed, Unbroken" a banda se perdeu um pouco, deixando de evoluir seu som para apenas colocar no mercado "mais do mesmo", culminando no decepcionante "Threshold" de 2006. E em 2009 a banda retornou com "No Sacrifice, No Victory", que trouxe novos ares ao som da banda, principalmente pela entrada dos novos integrantes Pontus Norgren (Guitarra) e Fredrik Larsson (Baixo).

publicidade

E eis que agora, em 2011, a banda retorna com este "Infected", um álbum ainda mais diversificado. Com uma simples audição, podemos constatar que o som da banda esta bem diferente de outrora, deixando um pouco de lado a velocidade e as melodias fáceis, e investindo no peso das composições, que fica ainda mais evidente em face dos riffs de guitarra excelentes criados por Oscar Dronjak e Pontus Norgren, aliados ao baixo preciso e marcante de Fredrik Larsson e a bateria correta de Anders Johansson. Os vocais de Joacim Cans também estão um pouco mais agressivos, apesar de pouco variados durante toda o transcorrer do CD.

publicidade

No geral, as músicas estão mais cadenciadas e, como destacado, mais pesadas, mas sem deixar de lado as características clássicas do grupo. Como destaques, podemos citar a abertura com a pesada e cativante "Patient Zero", a matadora "One More Time" e "Dia de Los Muertos", que remete aos primórdios da banda, mais rápida e mais melódica. As baladas também não foram deixadas de lado, destacando-se a bela "Send me a Sign".

publicidade

A temática seguida pela banda também mudou bastante nesse novo lançamento, deixando de lado temas fantasiosos e clichês para tratar de assuntos mais atuais. Inclusive, a própria arte gráfica do álbum é diferente de todas as anteriores do grupo, deixando de lado o mascote e seu grande martelo, além das roupas com couro e pregos, para investir em temas típicos de filmes de terror, demonstrando inclusive um certo pessimismo com a sociedade atual.

publicidade

Assim, com "Infected", o HAMMERFALL dá mais um passo em sua evolução musical, inovando seu som com um álbum menos direto, mais pesado e não menos excelente, que talvez cause um pouco de estranheza no começo, tendo em vista às mudanças mencionadas, mas que, após algumas audições mais apuradas, demonstra todo sua qualidade.

Infected - Hammerfall
(2011 – Nuclear Blast/Laser Company - Nacional)

publicidade

Formação:
Joacim Cans - Vocals
Oscar Dronjak - Guitars
Pontus Norgren - Guitars
Fredrik Larsson - Bass
Anders Johansson - Drums

Track List:

1. Patient Zero
2. Bang Your Head
3. One More Time
4. The Outlaw
5. Send me a Sign
6. Dia de los Muertos
7. I Refuse
8. 666 - The Enemy Within
9. Immortalized
10. Let s Get It On
11. Redemption


Outras resenhas de Infected - Hammerfall

HammerFall: Zumbis e carnificina regados a power metal

HammerFall: A receita que não costuma dar errado


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin