Terminal: Caldeirão de influências em trabalho de estreia

Resenha - Tree Of Lie - Terminal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Julio Cesar
Enviar Correções  

9


Há algum tempo, numa das minhas procuras por novidades, acabei encontrando esta banda que, até onde sei, é completamente desconhecida. Apesar de não ser um tipo de som que vai agradar a todos, devo dizer que a música da banda Terminal foi uma grata surpresa.

Cachorros: As raças que melhor combinam com cada gênero

Michael Kiske: "O Iron Maiden vende a morte às pessoas!"

Com influências que vão de Dream Theater, passando por Pain of Salvation, Genesis e chegando até o Killswitch Engage, a banda Terminal mostra um som maduro e muito cativante. Com melodias muito bem compostas e muito feeling, eles conseguem passear tranquilamente por diversos gêneros musicais, entre eles o pop, r’n’b e jazz, sem perder a "pegada". Apesar de ter algumas passagens complexas e dignas das bandas progressivas que os inspiram, as suas músicas não deixam de ser acessíveis e interessantes.

Logo após a intro "The Beginning", somos presenteados com a ótima "Afterlife" que mostra logo de cara ao que a banda se propõe. Com ótimos riffs e cheia de groove, "Afterlife" consegue sintetizar bem o que vem pela frente. Logo em seguida temos a magnífica "Mind Destruction", que pode facilmente se tornar um hino da banda. Com linhas vocais muito bem compostas e um refrão mega-pegajoso, esta música já se tornou a minha predileta! Riffs pesados, baixo marcante, solos belíssimos e teclados muito bem feitos, com certeza esta música vai ganhar muita gente logo na primeira audição!

"Togheter Apart" começa suave, com violões e vocal feminino recitando algumas palavras e, em seguida, as guitarras vêm fazer sua parte! Mais uma vez a banda consegue se mostrar muito versátil, com uma queda brusca no andamento, passando de pesadas guitarras distorcidas para violões, dando um clima totalmente diferente à música no refrão. Em "Behind The Mask", temos uma ótima abertura com riff intenso e um vocal com aquela pegada Funk, além de um ótimo refrão.

Numa pegada mais Stoner, com algumas passagens vocais lembrando Nickelback, temos "Brand New Sin", uma ótima faixa também. "Deep Inside" tem um início muito interessante, com sax e piano, e vem marcar como é a balada do disco. Esta é, talvez, a música que mais mostra a versatilidade e ousadia da banda. "The Maze" e "Evil Machine" retomam o andamento do disco com ótimos riffs e muitas partes cadenciadas, com direito a um maravilhoso solo de baixo em "Evil Machine". A penúltima música e faixa-título do álbum, "Tree of Lie", mostra-se um dos pontos altos do disco, com bastante groove e riffs intensos. "Game of War" e a instrumental "The End" finalizam o álbum em grande estilo.

Um belíssimo álbum de estreia que, com certeza, vai deixar a banda com grandes expectativas! Confiram, porque vale muito a pena!

Tracklist

1. The Beginning
2. Afterlife
3. Mind Destruction
4. Together Apart
5. Behind The Mask
6. Brand New Sin
7. Deep Inside
8. The Maze
9. Evil Machine
10. Tree Of Lie
11. Game Of War
12. The End




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Cachorros: As raças que melhor combinam com cada gêneroCachorros
As raças que melhor combinam com cada gênero

Michael Kiske: O Iron Maiden vende a morte às pessoas!Michael Kiske
"O Iron Maiden vende a morte às pessoas!"


Sobre Julio Cesar

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin