Blitzkrieg: Disco de 1985 que todos deveriam ouvir

Resenha - A Time of Changes - Blitzkrieg

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Arthur Matos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Boa parte dos aprecidores de rock/metal elegem os anos 80 como os mais produtivos de ambos estilos, e mesmo que muita coisa boa seja produzida hoje é inegável que tal época realmente tem uma "aura" diferente, seja pela consolidação do gênero no mundo, seja pelas inúmeras cenas regionais que se formaram nessa época.

Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosHeavy Metal: quais as 10 melhores vozes da história?

Nos anos 80 vimos a ascensão do thrash, a criação do death e black metal, assim como a formação de bandas cultuadas até hoje como MEGADETH e SLAYER, além da consolidação da carreira do IRON MAIDEN. Isso tudo obviamente partindo de uma análise bem rasa.

O que muita gente não sabe é que os anos 80 não sobreviveram apenas de METALLICA e IRON MAIDEN. O underground trouxe à cena bandas excelentes, influentes e que, por motivos diversos, não vieram a alcançar o sucesso das bandas citadas anteriormente. Uma lista com todas essas bandas seria uma coisa impossível de se fazer, porém certos artistas merecem alguns parágrafos a parte.

O BLITZKRIEG é um deles. Pertencentes a tão comentada "NWOBHM", o BLITZKRIEG não alcançou o "mainstream". Mas marcaram seu nome na história do metal. "A Time Of Changes", lançado em 1985 marcou uma geração de bandas. Apesar de não ter alcançado o status de um "Powerslave", por exemplo, o mesmo possui qualidade semelhante sem sombra de dúvida.

"Ragnarok/Inferno" abre o massacre prosseguido por "Blitzkrieg" e "Pull The Trigger" (essa presente também no album "Court In The Act" do SATAN, que também contava com os vocais de Brian Ross, que brilhantemente gravou "A Time Of Changes"). "Armageddon", "Hell to Pay", "Vikings", "A Time of Changes" e "Saviour" completam a obra prima. Quem escutou esse álbum, com certeza sabe o quanto as músicas possuem uma atmosfera interessante, bem "old school" mesmo. E quem não ouviu, deveria tratar de fazê-lo, pois esse é o tipo de trabalho que todo mortal tem que apreciar antes de partir para o outro lado. Ultra Recomendado. Kill The Time!

Obs: Apesar da banda nunca ter alcançado sucesso comercial significativo, a mesma já teve suas músicas interpretadas por vários artistas, incluindo o METALLICA, como pode ser visto na coletânea "Garage Inc.", onde a faixa que dá nome a banda foi coverizada pela trupe de Hetfield.

Tracklist

1- Ragnarok (Instrumental)1:45
2- Inferno 4:30
3 - Blitzkrieg 3:21
4 - Pull the Trigger 5:25
5 - Armageddon 6:16
6 - Hell to Pay 4:44
7 - Vikings 4:03
8 - A Time of Changes 6:24
9 - Saviour 3:38




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blitzkrieg"


Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Heavy Metal: quais as 10 melhores vozes da história?Heavy Metal
Quais as 10 melhores vozes da história?

Fascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medoFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSlipknot: 20 saltos épicos de Sid Wilson registrados em vídeoBlack Sabbath: As curiosidades sobre o álbum Paranoid

Sobre Arthur Matos

Nascido no Triângulo Mineiro, Arthur Matos trabalha no mercado livreiro e é fundador e editor do site Just Kill The Time. Estudante de Relações Internacionais e administração, teve contato com o Rock desde cedo e logo se viu imerso em um mundo onde não há saída. Fã de (quase) todas as vertentes do Rock, tenta ajudar a cena que tanto gosta de uma forma ou de outra, seja trabalhando com bandas, comprando um CD ou vendendo os mesmos. Acredita que Varg é o gênio do mal mais talentoso do mundo. Também acredita que o Iron Maiden nunca deveria acabar.

Mais matérias de Arthur Matos no Whiplash.Net.