Dååth: uma banda se enveredando por caminhos diferentes

Resenha - Dååth - Dååth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Na ativa desde 2003, e ainda que não tenha ultrapassado os limites do underground, o Dååth desenvolveu uma intrigante música extrema, mesclando (principalmente) as características clássicas do Death Metal com frequentes incrementos modernosos, e cujos três discos expandiram seu nome para além das fronteiras dos Estados Unidos. Porém, mesmo com a visibilidade em constante crescimento, seu mais novo álbum mostra uma banda se enveredando por caminhos diferentes.

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaGaleria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1

Batizado simplesmente como "Dååth", agora o pessoal optou em amortecer as influências 'mezzo' industriais de outrora, o que fatalmente proporciona a sensação de que tudo esteja mais direto. Mas é só uma sensação, pois os arranjos continuam abundantemente técnicos, o que, somado às linhas vocais sutilmente diversificadas, possibilitou que sua música se delineasse para os lados de um Death Metal mais puro, mas ainda com algumas características daquilo que se reconhece como sendo um produto típico do Dååth.

Alguns aspectos mais convencionais - ou genéricos mesmo - aparecem aqui e ali, mas é inegável a força que cada um de seus integrantes oferece em termos de musicalidade (não há como elogiar apropriadamente os maravilhosos solos das guitarras!), combinando tudo e oferecendo muitas mudanças de tempo, coisa típica de instrumentistas virtuosos. Há muitas faixas de impacto, como é o caso do single "Destruction/Restoration"; ou "Indestructible Overdose", com uma quantidade absurda de riffs, e ainda "Double Tap Suicide", pesadíssima, mas já não tão veloz.

A produção, dividida entre o mentor e guitarrista Eyal Levi e Mark Lewis (Trivium, DevilDriver), poderia ser excelente se não ofuscasse tanto o som do baixo, enfim... Este é um disco que pode não soar tão enigmático como os trabalhos anteriores, mas certamente o Dååth se mostra comprometido com Heavy Metal da melhor estirpe, com muitos detalhes subjacentes para serem captados ao longo de várias e várias audições. Uma jornada brutal, intrincada e muito atraente, pode conferir!

Contato:
http://www.daathmusic.com
http://www.myspace.com/daath

Formação:
Sean Zatorsky - voz
Eyal Levi - guitarra e teclados
Emil Werstler - guitarra
Jeremy Creamer - baixo
Kevin Talley - bateria

Dååth - Dååth
(2010 / Century Media Records - importado)

01. Genocidal Maniac
02. Destruction/Restoration
03. Indestructible Overdose
04. Double Tap Suicide
05. The Decider
06. Exit Plan
07. Oxygen Burn
08. Accelerant
09. Arch {Enemy} Misanthrope
10. Manufactured Insomnia
11. A Cold Devotion
12. N.A.T.G.O.D.
13. Terminal Now




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Daath"


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1
Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o NirvanaVan Halen
O constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

Sexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário RockMetallica: Jason Newsted, 14 anos de humilhaçãoTed Nugent: "não estou no Rock Hall Of Fame porque mato animais inocentes"Scott Weiland: As Top 10 bandas favoritas do vocalista

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.