Matérias Mais Lidas

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemPantera tocará no festival Knotfest Brasil, segundo jornalista

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemAmy Lee comenta demissão de Jen Majura e diz que é preciso "ouvir o universo"

imagemAntes do Led Zeppelin, Robert Plant tentou entrar em outra banda famosa

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemDave Mustaine não queria usar as ideias de Ellefson, diz ex-baixista do Megadeth

imagemLed Zeppelin: O motivo pelo qual Jimmy Page não gosta de "All My Love"

imagemO motivo pelo qual Frank Zappa não gostava de Jim Morrison e o The Doors

imagemSamuel Rosa chama guitarrista do Pearl Jam de "menino mimado" por quebrar instrumentos

imagemDave Mustaine revela que Megadeth gravou cover do Judas Priest para a Amazon

imagemA reação do pai de Neil Peart quando ele se juntou ao Rush

imagemMustaine diz que tentou criar ambiente agradável para gravação de novo álbum do Megadeth


2022/07/09
2022/08/18

Six Magics: muito uniforme, mas também muito bom

Resenha - Behind The Sorrow - Six Magics

Por Felipe Kahan Bonato
Em 25/08/10

Nota: 8

O SIX MAGICS é uma banda chilena de Power metal, com sua estreia datada de 2001. Em 2010, o grupo lança "Behind The Sorrow", o terceiro CD da banda, que não cai no clichê ao ter uma mulher no posto de vocalista e consegue adicionar bem traços mais modernos ao seu som. Com melodias bem trabalhadas, consagram-se como um dos bons nomes do metal chileno, apesar de seguir insistentemente a mesma fórmula em suas músicas.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O instrumental é sempre muito bem elaborado e intricado, como na ótima "Animal" e consegue se mesclar com certos efeitos mais contemporâneos, até mesmo com passagens de guitarra que até parecem que vão tender ora a algo mais pós grunge ou nu metal ora a descambar para um metal mais extremo. "Run", a abertura, e "I Remember" também exploram bem o talento do baterista Pablo Stagnaro, um dos pontos positivos do conjunto. A primeira ainda introduz uma obscuridade que permeia o trabalho enquanto a última resume o disco, com seu grande refrão. Já na faixa título, a terceira do álbum, fica clara a tendência das composições, que reservam à sua vocalista principalmente as passagens mais lentas, em que ela pode explorar bem seu timbre, quase masculino. Nos refrãos, mais altos, os backings tomam conta insistentemente, ofuscando uma das boas qualidades da banda.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em "No Time To Grieve" e em "Lies And Rules", têm-se aberturas mais agressivas, mas na última depara-se com um refrão mais lento, repetitivo e bem bonito, com guitarras mais atmosféricas, em uma faixa quase comercial na qual apenas faltou um solo. Justamente quando começa a ficar preocupante a falta de um solo interessante, surge "Hands of Time", com uma pequena amostra. Interessante também é "They", na qual a vocalista consegue se afirmar e avançar com liderança no refrão, o que não acontece inexplicavelmente nas demais. Não se trata de falta de qualidade de Ely, já que "It's Not the Way" argumenta contra isso, mostrando uma performance menos contida em uma música que mergulha com elegância na lentidão e no sentimentalismo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Ao se ouvir o novo do SIX MAGICS, tem-se um bom CD, com diversos pontos positivos. No entanto, não há nada que a banda não tenha feito. Pelo contrário, talvez seja o coroamento do que a banda sempre buscou. Talvez por isso o conjunto tenha focado demais na mesma fórmula, que inclui as guitarras pesadas, os corais, os elementos sinfônicos e as passagens mais lentas. Ainda, os refrãos, mesmo que excelentes, sempre são repetidos exaustivamente até saírem de cena ao final das canções, que geralmente se encerram com os instrumentos. Por ora, tendo atingido a estabilidade, fica para o vindouro álbum a expectativa dos chilenos romperem seus padrões e levarem seu som para outro patamar.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Integrantes:
Ely Vásquez - Vocais
Pablo Ignacio Sepúlveda - Guitarra
Erick Avila - Guitarra
Mauricio Nader - Baixo
Pablo Stagnaro - Bateria

Faixas:
1. Run
2. Animal
3. Behind the Sorrow
4. Lies and Rules
5. Hands of Time
6. All My Dreams
7. They
8. No Time to Grieve
9. It's Not the Way
10. I Remember

Gravadora: Coroner Records
Site: sixmagics.com/


Outras resenhas de Behind The Sorrow - Six Magics

Resenha - Behind The Sorrow - Six Magics

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato.