Avantasia: Hard Rock, elementos sinfônicos e peso

Resenha - Wicked Symphony - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Aos que acompanham a carreira de Tobias Sammet, não é muito difícil chegar à conclusão de que este alemão seja algum tipo de workacholic... O vocalista é incansável, e geralmente suas obras encontram grande apreço pelo público ao redor do globo, como é o caso do projeto Avantasia, cujas duas primeiras partes de "The Metal Opera", liberadas em 2001 e 2002, já podem ser consideradas como clássicos do Heavy Metal Melódico.

Talvez pelo fato de o Power Metal Melódico apresentar evidentes sinais de desgaste há anos, Sammet decidiu seguir por novos rumos nesta sequência de Avantasia, batizada como "Wicked Trilogy". Tendo começado em 2008 com o disco "The Scarecrow", e então apresentando uma veia Hard Rock tão acessível que rachou as opiniões, inclusive com o (ex) fã de temperamento mais exacerbado não aceitando a nova fase lá muito bem...

De qualquer forma, a trágica história que começou com o solitário compositor Espantalho buscando a paz interior em pleno séc. XIX, agora continua com "The Wicked Symphony" e termina com "Angel Of Babylon", ambos os discos chegando ao Brasil via Laser Company Records. Esta segunda parte, "The Wicked Symphony", novamente apresenta o Hard Rock e os elementos sinfônicos como elementos dominantes, mas também consegue ser pesado em inúmeras ocasiões, proporcionando uma audição realmente agradável em função desta considerável variedade de arranjos, e, como já é tradição no Avantasia, tocados por inúmeros músicos convidados, como é o caso dos bateristas Eric Singer (ex-Kiss) e Alex Holzwarth (Rhapsody Of Fire).

E como se as canções já não fossem fortes por natureza, quase sempre são os trabalhos de voz que despertam as maiores emoções, contando com vocalistas já estabelecidos na cena – Jørn Lande (Masterplan), Michael Kiske (ex-Helloween), Russell Allen (Symphony X), Klaus Meine (Scorpions), André Matos (ex-Angra), etc – proporcionando uma imensa diversidade de linhas vocais. Muito relevante é a atuação de Sammet, Lande e Allen na própria composição "The Wicked Symphony", majestosa pelas orquestrações e com muitas das características do velho Power Metal; e também a incrível performance de Tim 'Ripper' Owens (ex-Judas Priest, ex-Iced Earth) na pesadísssima "Scales Of Justice", uma música preparada sob medida para sua poderosa voz.

Como um todo, é impossível não se impressionar com as melodias pegajosas e bombásticas de "The Wicked Symphony". Há uma abundância de positividade emanada por toda a audição – "Dying For An Angel", com Klaus Meine; e a balada "Runaway Train", com Land, Bob Catley (Magnum) e Kiske, são extremamente emocionais! Em suma, haja inspiração para tanta coisa bacana! E nem entramos ainda no mérito de "Angel Of Babylon", a derradeira obra que deverá encerrar o tormento deste Espantalho... Na próxima resenha!
4239 acessosAvantasia: talento que avançou além do Power Melódico

Contato:
http://www.tobiassammet.com
http://www.myspace.com/tobiassammet

Formação:
Tobias Sammet - voz e baixo
Sascha Paeth - guitarra
Michael ‘Miro’ Rodenberg - teclados e orquestração
Eric Singer - bateria

Músicos convidados:
Bruce Kulick - guitarra nas canções 6 e 11
Oliver Hartmann - guitarra nas canções 2 e 8
Felix Bohnke - bateria nas canções 1, 5, 9 e 11
Alex Holzwarth - bateria nas canções 3, 7, 8 e 10
Simon Oberender - Órgão na canção 11

Vocalistas convidados:
Jørn Lande nas canções 1, 6, 7 e 8
Michael Kiske nas canções 2 e 6
Russell Allen nas canções 1 e 10
Bob Catley na canção 6
Klaus Meine na canção 4
Tim "Ripper" Owens na canção 3
André Matos na canção 5
Ralf Zdiarstek na canção 9

Avantasia - The Wicked Symphony
(2010 - Nuclear Blast Records / Laser Company Records - nacional)

01. The Wicked Symphony
02. Wastelands
03. Scales Of Justice
04. Dying For An Angel
05. Blizzard On A Broken Mirror
06. Runaway Train
07. Crestfallen
08. Forever Is A Long Time
09. Black Wings
10. States Of Matter
11. The Edge

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Wicked Symphony - Avantasia

5000 acessosAvantasia: entendam, quem vive de passado é museu

Tobias SammetTobias Sammet
"Reunião do Helloween foi a melhor coisa para eles"

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

Andre MatosAndre Matos
Assista vídeo de Carry On com Van Canto no WOA

Michael KiskeMichael Kiske
A importância de Sammet no seu retorno ao Metal

Unisonic & EdguyUnisonic & Edguy
Michael Kiske trollando Tobias Sammet

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Avantasia"

Freddie MercuryFreddie Mercury
Memórias do Homem que o Conhecia Melhor

David CoverdaleDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

Rob HalfordRob Halford
Resposta educada a comentários de Dickinson

5000 acessosGastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical5000 acessosA História do Burzum5000 acessosSua Banda Favorita Fez Merda?: Deixe de ser otário e reconheça5000 acessosEric Clapton: Guitarrista está colocando suas guitarras à venda3596 acessosAlice Cooper: "aquele do palco não joga golfe"5000 acessosGuns N' Roses: Steven Adler e o alfinete que faltou antes do show

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online